Contribua para um artigo e ajude o wikitravel a crescer! Aprenda como.

Diferenças entre edições de "República Democrática do Congo"

Da Wikitravel
África : África Central : República Democrática do Congo
Ir para: navegação, pesquisa
m
m (Mantenha contato: inter-lang.)
Linha 144: Linha 144:
 
== Mantenha contato ==
 
== Mantenha contato ==
  
[[WikiPedia:República Democrática do Congo]]
 
  
 
{{IsIn|África_Central}}
 
{{IsIn|África_Central}}
  
[[de:Kongo (Demokratische Republik)]]
+
 
 +
[[de:Demokratische Republik Kongo]]
 
[[en:Democratic Republic of the Congo]]
 
[[en:Democratic Republic of the Congo]]
 
[[eo:Kongo Kinŝasa]]
 
[[eo:Kongo Kinŝasa]]
 
[[es:República Democrática del Congo]]
 
[[es:República Democrática del Congo]]
[[fi:Kongon tasavalta]]
+
[[fi:Kongon demokraattinen tasavalta]]
 
[[fr:République démocratique du Congo]]
 
[[fr:République démocratique du Congo]]
 
[[it:Congo (Repubblica Democratica)]]
 
[[it:Congo (Repubblica Democratica)]]
Linha 158: Linha 158:
 
[[nl:Congo-Kinshasa]]
 
[[nl:Congo-Kinshasa]]
 
[[sv:Demokratiska republiken Kongo]]
 
[[sv:Demokratiska republiken Kongo]]
 +
 +
 +
[[WikiPedia:República Democrática do Congo]]

Revisão de 02h08min de 12 de maio de 2009

Travel Warning ALERTA: A República Democrática do Congo NÃO é um destino turístico e não é seguro para turistas independentes. Aqueles que visitam o país para negócios, pesquisa ou propósitos de ajuda internacional devem consultar a sua organização e procurar guias profissionais antes de planear uma viagem. Não vá a esse país a não ser que seja estrictamente necessário.


noframe
Bandeira
Cg-flag.png
Informações Básicas
Capital Kinshasa
Governo República semipresidencialista
Moeda Franco congolês (CDF)
Área 2 344 858 km2
População 62 600 000 (est. 2007)
Idioma Francês, lingala, quicongo, kituba, suahili, tshiluba.
Religião Católicos romanos (50%), protestantes (20%), quimbanguista (10%), muçulmano (10%), outras crenças indígenas (10%)
Eletricidade 220V/50Hz
Código telefônico +243
Internet TLD .cd
Fuso horário (UTC+1 e +2)


A República Democrática do Congo é um país da África Central.

Índice

Entenda

História

A região é ocupada na antiguidade por bantos da África Oriental e povos do rio Nilo, que ali fundam os reinos de Baluba e do Congo. Em 1878, o explorador Henry Stanley funda entrepostos comerciais no rio Congo, sob ordem do rei belga Leopoldo II. Na Conferência de Berlim, em 1885, que divide a África entre as potências européias, Leopoldo II recebe o território como possessão pessoal. Em 1908, o Estado Livre do Congo deixa de ser propriedade da Coroa e torna-se colônia da Bélgica, chamada Congo Belga.

O movimento nacionalista tem início nos anos 50 sob liderança de Patrice Lumumba. Em 30 de junho de 1960, o Congo conquista a independência com o nome de República do Congo - em 1964 é acrescentado o adjetivo "democrática". Lumumba assume o cargo de primeiro-ministro e Joseph Kasavubu, a Presidência. A maioria dos colonos europeus deixa o país. Em julho de 1960 eclode uma rebelião contra Lumumba, liderada por Moïse Tshombe. Antes do final do ano, Kasavubu afasta Lumumba do cargo de primeiro-ministro num golpe de Estado. Lumumba é seqüestrado e assassinado em janeiro de 1961. Tropas de diversos países (incluindo o Brasil) são enviadas pela ONU para restabelecer a ordem, o que ocorre em 1963, com a fuga de Tshombe. As tropas da ONU retiram-se em junho de 1964. Dias depois ocorre uma reviravolta: Tshombe regressa e assume a presidência com apoio da Bélgica e dos EUA. Em novembro de 1965, ele é derrubado num golpe liderado por Mobutu Joseph Désiré.

Mobutu estabelece uma ditadura personalista, tornando o país um estratégico aliado das potências capitalistas na África. No início dos anos 70 lança sua política de "africanização", proibindo nomes ocidentais e cristãos. Como parte da campanha, muda em 1971 o nome do país para Zaire e da capital para Kinshasa (ex-Leopoldville). Ele próprio passa a se chamar Mobutu Sese Seko Koko Ngbendu wa za Banga, que significa "o todo-poderoso guerreiro que, por sua resistência e inabalável vontade de vencer, vai de conquista em conquista deixando fogo à sua passagem".

Líderes rivais unem-se em 1988 para organizar a oposição, mas são presos ou exilados. Pressões internacionais levam Mobutu a adotar o pluripartidarismo em 1990. Em outubro de 1991, o líder oposicionista Etienne Tshisekedi é nomeado como primeiro-ministro, mas recusa-se a prestar juramento a Mobutu e é substituído. Os EUA põem em dúvida a legitimidade do governo e a Alemanha corta a ajuda financeira ao país. Em dezembro, Mobutu cancela as eleições. Tshisekedi é reconduzido ao cargo no ano seguinte. Em 1993, o Alto Conselho da República, criado pela conferência nacional, ordena o desligamento de Mobutu dos negócios de Estado e convoca greve geral. Mobutu ignora a resolução. No final do mês, o Exército amotina-se quando ele tenta pagar os soldos com notas de 5 milhões de zaires (cerca de US$ 2), já recusadas em 1992 por não terem valor. Mobutu responsabiliza Tshisekedi pela rebelião, que deixa mais de mil mortos, e nomeia um governo de união nacional. EUA e União Européia não o reconhecem e apoiam a instalação de um regime de transição formado pela aliança oposicionista liderada por Tshisekedi. Em junho de 1995, o período de transição é prolongado por dois anos. Eleições gerais, previstas para o mês seguinte, não se realizam.

Em 1994, mais de 1 milhão de ruandeses (em sua maioria hutus) foragidos do genocídio em seu país ingressam no leste do Zaire. A chegada dos refugiados desestabiliza a região, habitada há mais de 200 anos pelos tutsis baniamulenges, inimigos históricos dos hutus. Sentindo-se negligenciados por Mobutu, que tolera a presença dos hutus na região, os baniamulenges iniciam uma rebelião em outubro de 1996, liderados por Laurent-Désiré Kabila. O movimento conta com o apoio decisivo da vizinha Uganda e do regime tutsi de Ruanda, e ganha rapidamente a adesão da população, insatisfeita com a pobreza e a corrupção no governo. Nos meses seguintes aumentam os choques entre a guerrilha, batizada de Aliança das Forças Democráticas pela Libertação do Congo-Zaire (AFDL) e o Exército, que enfrenta deserção em massa. A escalada da ofensiva coincide com a ausência de Mobutu, que vai para a Europa em agosto submeter-se a tratamento médico para câncer na próstata. Apesar de muito doente, retorna ao território em dezembro com o objetivo de deter a rebelião. Em 1997, a guerra civil alastra-se pelo território, nos sentidos norte-sul e leste-oeste. Em fevereiro, a Força Aérea bombardeia as cidades de Bukavu, Shabunda e Walikale, sob controle rebelde. Mobutu propõe cessar-fogo à guerrilha em março, mas a AFDL não negocia. No mesmo mês conquista Lubumbashi, Kisangani (as duas maiores cidades depois de Kinshasa) e Mbuji-Mayi, a "capital dos diamantes".

Os rebeldes propõem ao Exército a ocupação pacífica de Kinshasa e, em 17 de maio de 1997, entram na capital sob aplausos da população. Kabila assume o poder, forma um governo de salvação nacional, promete eleições gerais e retoma o antigo nome do país - República Democrática do Congo -, adotado entre 1964 e 1971. No dia anterior à tomada de Kinshasa, Mobutu parte para o Palácio Gbadolite (o Versalhes africano), na selva, de onde foge para o exílio no Togo. Morre em setembro, no Marrocos.

Apesar da promessa de democracia, um dos primeiros atos do novo presidente é a suspensão dos partidos e a proibição de manifestações políticas. As medidas autoritárias e o rompimento de Kabila com Ruanda e Uganda provocam insatisfação popular, sobretudo dos antigos aliados, os tutsis baniamulenges. Em janeiro de 1998, militares baniamulenges se amotinam contra o regime. Em fevereiro, o governo prende chefes tribais e professores universitários na região de Kivu, leste do país, onde vivem os tutsis. A revolta se alastra, recebendo o apoio ruandês e ugandense contra Kabila e, em junho, degenera em guerra civil. Os combates contra o governo ocorrem nos sentidos norte-sul e leste-oeste, repetindo a trajetória da ofensiva que no ano anterior depôs Mobutu e levou Kabila ao poder.

Enfraquecido, Kabila pede socorro militar a Angola, Zimbábue e Namíbia para frear o avanço dos tutsis baniamulenges, que já ocupam grandes áreas do território congolês e ameaçam invadir Kinshasa. Em 2 de agosto, tropas, tanques, aviões e helicópteros dos três países entram no Congo e atacam posições dos rebeldes. Em resposta, Uganda e Ruanda ameaçam intervir diretamente. A entrada de forças estrangeiras no conflito detém a revolta militar contra Kabila em menos de duas semanas, mas obriga o presidente a prometer eleições gerais para 1999. No mesmo ano é assinado o Acordo de Lusaka, firmando um cessar-fogo. Contudo, ele não é cumprido e a ONU prepara uma missão de paz no país.

Visando a conquista de extensas jazidas de diamante no Congo, Ruanda e Uganda passam a apoiar milícias diferentes.

Em 2001, Kabila é morto por seu guarda-costas; Joseph Kabila, seu filho, assume o governo, inicia processo de paz e promete eleições. Acordos para a democratização avançam. Em 6 de Dezembro de 2006, ele seria eleito presidente, na primeira eleição geral em 40 anos na história do país.

Em abril de 2003, mil pessoas da minoria Hema são massacradas numa região ainda marcada por confrontos, rica em ouro. No fim do ano inicia-se a ação do governo provisório.

Regiões

Mapa da República Democrática do Congo.

A República Democrática do Congo divide-se em 25 províncias e uma cidade independente:

Cidades

Outros destinos

Kahuzi-Biega.

Patrimónios da Humanidade

Chegar

Angolanos, brasileiros e portugueses precisam de visto de turismo para entrar no país.

De avião

  • Da África: South African Airways e Kenyan Airways servem Kinshasa três vezes por semana casa. Ethiopian Airlines tem voos diários de Addis Abbeba.
  • Da Europa: Air France, Brussels Airlines tem voos diretos regulares. As passagens mais baratas são de Londres e Paris, por companhias africanas, aproximadamente US$500/pessoa/trecho.

De barco

Entre Brazzaville, no vizinho Congo e a capital há ferries e barcos a cada duas horas, das 8 às 15h, com preços entre US$15 e 20. Os procedimentos no país vizinho são tranquilos, mas o mesmo não acontece em Kinshasa, principalmente se você não estiver acompanhado de um representante governamental ou de uma ONG. Há também barcos mais rápidos e caros, e não se recomendam reservas.

De carro

De autocarro/ônibus

De Uganda, pelo passo de Bunagana-Kisoro. Uma passagem custa US$5, visto de ambos países é necessário, mas a travessia de fronteira é tranquila.


Circular

De avião

  • Linhas aéreas locais ligam a capital ao interior, especialmente com aeronaves russas: Hewa Bora, Wimbi Dira Airways, Bravo Air, CAA (Compagnie Africaine d'Aviation).

De barco

De carro

De autocarro/ônibus

De comboio/trem

Estrada de ferro entre Kinshasa e Matadi

Fale

Compre

Coma

Beba e saia

Durma

Aprenda

Trabalhe

Segurança

Saúde

Respeite

Mantenha contato

Variantes

Ações

Docentes do destino

Noutras línguas

outros sites