Contribua para um artigo e ajude o wikitravel a crescer! Aprenda como.

Quito

Da Wikitravel
Pichincha : Quito
Revisão das 13h01min de 19 de julho de 2010 por Tiagox2 (discussão | contribs)

Ir para: navegação, pesquisa
Cidade Velha de Quito.

Quito [1] é a capital do Equador. Foi fundada em 1534 nas ruínas de uma antiga cidade Inca. Hoje em dia é uma animada e cosmopolita cidade, com dois milhões de pessoas. Foi a primeira cidade a ser nomeada Patrimônio da Humanidade pela UNESCO (juntamente com Cracóvia), em 1978.

Entenda

O Equador, especialmente a área montanhosa onde se inclui Quito, tem uma sociedade muito conservadora. Isto reflecte-se na maneira de vestir. Pessoas de todas as classes económicas tendem a vestir-se bem no Equador. Para homens, isto significa umas calças e uma camisa. Para mulheres umas calças ou um vestido. Tanto mulheres como homens raramente vestem calças curtas na cidade, embora recentemente as roupas casuais tenham vindo a tornar-se mais aceitadas na cidade, especialmente entre os jovens e em dias muito quentes. Alguns clubes nocturnos e restaurantes tem um código de vestir. Por fim, lembre.se que Quito é conhecida por ter "todas as quatro estações num dia". Mesmo se o dia for muito quente, quando o sol se puser pode ficar gelado. Leve sempre um agasalho, para precaver.

Fale

Precisa de falar algum espanhol para comunicar com outras pessoas. Quito é uma excelente cidade para o aprender, antes de se dirigir a outros locais da América do Sul. É muito fácil perceber o espanhol de Quito, que é falado muito pausadamente, em comparação com áreas costeiras. Existem muitas excelentes escolas de espanhol onde pode arranjar lições privadas ou em grupo a um preço reduzido. Estas escolas também podem oferecer acomodação o que é uma maneira conveniente e barata de absorver a cultura e provar a comida local.

O inglês é falado por muito poucos locais,e excepto na área turística do Norte, que inclui o bairro de "La Mariscal", onde se situam a maior parte dos negócios turísticos.

Distritos

Quito situa-se entre duas cordilheiras e está a uma altitude de 2 800 metros. Pode demorar algum tempo até se habituar à altitude.

Quito divide-se em três partes: o Centro Histórico no centro, com um distrito a norte e um a sul. A maior concentração de serviços turísticos encontra-se no Norte, incluindo o aeroporto. O Centro Histórico de Quito é o maior das Américas. Sofreu um intenso programa de restauração e revitalização na última década, principalmente financiado pelo Inter-American Development Bank. Nele encontram-se nem mais nem menos do que 40 igrejas e conventos, 17 praças e 16 mosteiros e conventos. Recebeu o nome de "Relicário das Américas" pela riqueza do seu património colonial e da era da independência. É um belo distrito para visitar e admirar, com vários museus excelentes e muitos restaurantes e cafés para descansar de ver as vistas.

A parte norte moderna da cidade é um local divertido de explorar, com vários museus e parques, bem como restaurantes e vida nocturna. Os distritos norte e sul são pouco turísticos.

História

Ficheiro:Shoe Shine Boy Quito Ecuador 2.JPG
Um engraxador de sapatos na Cidade Velha.

As origens de Quito remontam ao primeiro milênio, quando a tribo Quitu ocupou a zona, establecendo aí um centro de comércio. Os Quitu foram conquistados pela tribo Caras, que fundou o Reino de Quito cerca de 980 a.C.. Em 1462, os incas conquistaram o Reino de Quito. Em 1533, Rumiñahui, um general de guerra Inca, queimou a cidade para impedir o avanço espanhol, destruindo assim os eventuais vestígios da antiga cidade pré-hispânica.

A resistência indígena à invasão espanhola continuou durante 1534, com Diego de Almagro fundador de Santiago de Quito (nos dias atuais Colta, perto de Riobamba), em 15 de agosto do mesmo ano. Em 28 de agosto a cidade foi rebatizada para San Francisco de Quito. A cidade mais tarde mudou-se para a sua atual localização e foi refundada em 6 de dezembro de 1534 por 204 colonos liderados por Sebastián de Benalcázar, que capturou Rumiñahui e terminou eficazmente qualquer resistência organizada.

Rumiñahui foi então executado em 10 de janeiro de 1535. Em 14 de março de 1541, Quito foi declarada uma cidade, e em 14 de fevereiro de 1556, foi dado o título Muy Noble y Muy Leal Ciudad de San Francisco de Quito ( "Muito Nobre e Leal Cidade de San Francisco de Quito"). Em 1563, Quito tornou-se o assento de um royal Audiência (distrito administrativo), da Espanha e tornou-se parte do Vice-reinado do Peru, em Lima com o seu capital (ver Real Audiência de Quito).

Prontamente estabelecida a religião católica, em Quito, com a primeira igreja (El Belén) construídos antes mesmo de a cidade ter sido fundada oficialmente. Em janeiro de 1535, o Convento de São Francisco foi construído, o primeiro dos cerca de 20 igrejas e conventos construído durante o período colonial. Os espanhóis evangelizavam ativamente os povos indígenas e os utilizavam como trabalho escravo para a construção, sobretudo nos primeiros anos coloniais. A Diocese de Quito foi criada em 1545 e foi elevada à arquidiocese de Quito, em 1849.

Em 1809, após quase 300 anos de colonização espanhola, Quito se transformou em uma cidade de cerca de 10.000 habitantes. Em 10 de agosto de 1809, foi iniciado um movimento que visava em Quito a independência política da Espanha. Nessa data, um plano de governo foi estabelecido que colocou Juan Pío Montúfar como presidente com várias outras figuras proeminentes, em outras posições do governo. No entanto, este movimento inicial acabou sendo derrotado em 2 de agosto de 1810, quando forças espanholas vieram de Lima, Peru, e mataram os líderes da revolta, juntamente com cerca de 200 habitantes da cidade. Uma cadeia de conflitos celebrado em 24 de maio de 1822, quando Antonio José de Sucre, sob o comando de Simón Bolívar, levou soldados para a Batalha de Pichincha. Sua vitória marcou a independência de Quito e arredores.

Apenas alguns dias após a Batalha de Pichincha, em 24 de maio de 1822, os líderes da cidade proclamaram sua independência e permitiram que a cidade fosse anexada à República da Grã-Colômbia. Simón Bolívar foi para Quito em 16 de junho de 1822, e esteve presente na assinatura da Constituição colombiana em 24 de junho de 1822. Quando a Grã-Colômbia foi dissolvida em 1830, Quito se tornou-se capital da recém-formada República do Equador.

Em 1833, os membros da Sociedade de Livre Habitantes de Quito foram assassinados pelo governo depois de uma conspiração contra o governo equatoriano, em 6 de março de 1845, começa a Revolução Marcist. Mais tarde, em 1875, o presidente do país, Gabriel García Moreno, foi assassinado em Quito. Dois anos mais tarde, em 1877, Dom José Ignacio y Checa Barba foi morto por envenenamento.

Em 1882, insurgentes surgiam contra o regime do ditador Ignacio de Veintemilla. No entanto, esta situação colocou fim à violência que estava ocorrendo em todo o país. Em 9 de julho de 1883, o comandante liberal Eloy Alfaro participou da Batalha de Guayaquil, e mais tarde, depois de mais conflitos, tornou-se o presidente do Equador em 4 de setembro de 1895. Concluído o seu segundo mandato em 1911, se mudou para a Europa. Quando ele retornou ao Equador em 1912 e tentou um retorno ao poder, ele foi preso em 28 de janeiro de 1912; jogado na prisão; e assassinado por uma multidão que tinha invadido a prisão. Seu corpo foi arrastado pelas ruas de Quito para um parque da cidade, onde foi queimado.

Em 1932, a "Guerra dos Quatro Dias" eclodiu. Esta foi uma guerra civil que se seguiu à eleição de Neptalí Bonifaz e a subsequente realização que ele carregava um passaporte peruano. Trabalhadores de uma grande fábrica têxtil entraram em greve em 1934, e a agitação continua semelhante aos dias de hoje. Em 12 de fevereiro de 1949, a novela realista de H. G. Wells "A Guerra dos Mundos" levou pânico à cidade e à morte de mais de vinte pessoas morreram em incêndios.

Nos últimos anos, Quito tem sido o ponto focal das grandes manifestações que levaram ao afastamento dos presidentes Abdalá Bucaram (5 de fevereiro de 1997), Jamil Mahuad (21 de janeiro de 2000), e Lucio Gutiérrez (20 de abril de 2005).

Mais Informações

  • The South American Explorers Club [2] é uma organização não-lucrativa dedicada a ajudar viajantes independentes no Equador e na América do Sul. A sua sede, na Jorge Washington 311 y Leonidas Plaza (no bairro de Mariscal, perto da 6 de Diciembre) é um óptimo local para parar, conhecer pessoas e receber informação sobre onde ir, o que evitar, entre outras coisas.
  • O Quito Visitors' Bureau [3] tem vários postos por toda a cidade, incluindo no aeroporto, na secção de Chegadas Internacionais, no Parque Gabriela Mistral, na Reina Victoria, no bairro de Mariscal; no Museu do Banco Central, também no bairro de Mariscal; e, finalmente, na Cidade Velha, no R/C do Palacio Municipal num dos lados da Plaza Grande - o posto principal. Estes tem empregados prestáveis, cacifos para deixar o que quiser, mapas, panfletos e livros à venda, e uma loja de artesanato equatoriano. Estes oferecem visitas guiadas pela cidade e arredores, com várias rotas disponíveis. O Quito's Visitors' Bureau publica também um útil mapa A3 com todas as atracções da cidade. Pode consegui-lo num dos seus postos. Tem também guias de bolso com vários temas, incluindo guias de caminhada, um guia aos miradouros da cidade, um guia para o bairro de Mariscal, entre outros. Contactos para o posto principal: (+593 2) 2570 - 786 / 2586 - 591, info@quito-turismo.com
  • O Ministério do Turismo [4] tem escritórios no seu edifício na Avenida Eloy Alfaro e Carlos Tobar, perto do Centro Comercial El Jardin.

Chegar

De avião

O Aeropuerto Internacional Mariscal Sucre.

O Aeropuerto Internacional Mariscal Sucre(IATA: UIO) (ICAO: SEQU) [5] situa-se a 8km do centro e é a principal, melhor e mais fácil maneira de entrar na cidade. Existem voos (quase) diários desde Amsterdam, Atlanta, Houston, Madrid, Miami, Nova Iorque, Buenos Aires, Bonaire, Caracas, Bogotá, Lima, Medellín, Cali, Cidade do Panamá, Punta Cana, Santiago, e San José. As companhias aéreas que servem o aeroporto incluem a KLM [6], Continental Airlines [7], Copa Airlines [8], AeroGal [9], TAME [10], Icaro [11], Club Vip, SAereo [12], Aeropostal [13], Air Plus Comet [14], Delta Airlines [15], TACA [16], LAN Ecuador [17], Avianca [18], Iberia [19], Santa Barbara [20], e American Airlines [21]. Alguns destes voos vem de ou fazem escala em Guayaquil. Algumas destas companhias realizam também voos charter desde/para San Andres, Cartagena, Santa Marta, Havana, Aruba, Curaçao, Cancún, Rio de Janeiro, Puerto Plata, e Santo Domingo.

Tem que pagar uma taxa do aeroporto de 31, 50€ se sair de Quito por avião (Dezembro de 2009).

Perto da secção da bagagem, é possível comprar vouchers que podem ser usados para uma viagem de táxi. Em 2007, o preço para ir para a zona de hotéis era de 3, 80€.

Se em vez disso quiser apanhar um autocarro até ao bairro de Mariscal (não é aconselhável se tiver muita bagagem ou se não estiver familiarizado com Quito), que é muitas vezes chamado "gringolandia" pelos turistas e "la zona" pelos locais. Saia do aeroporto, atravesse a rua principal, e entre em qualquer autocarro que diga "J.L. Mera" ou "Juan L. Mera" no sinal. O custo é de 0, 20€, mas se for um estudante com menos de 18 ou um idoso com mais de 65 é €0.10.

Um novo aeroporto internacional está a ser construído num vale no nordeste de Quito. Irá localizar-se fora da cidade, entre as cidades de Tababela e Puembo, a aproximadamente 25 kms da cidade. Terá uma das maiores pistas da América do Sul: 4 100 metros de comprimento por 45 metros de largura, que permitirá uma média de 44 partidas e chegadas por hora. Espera-se que comece as suas operações em mid-2011.

De autocarro/ônibus

O antigo "Terminal Terrestre", que se situava em Cumandá (centro da cidade) foi substituído por dois novos terminais.

  • O Terminal Quitumbe (situado no extremo sul de Quito), serve todos os autocarros que vão para qualquer destino a sul de Quito: basicamente todas as províncias costeiras, todas as províncias amazónicas, e todas as províncias montanhosas, excepto Carchi e Imbabura (onde se situam Otavalo e outras atracções turísticas).
  • O Terminal Carcelén serve Carchi e Imbabura (onde se situam Otavalo e outras atracções turísticas), e situa-se no extremo norte de Quito.

Os preços dependem de para onde vai. O preço de um autocarro de longa distância no Equador é de cerca de €0,80/hora, mas normalmente o preço já está predefinido. Por isso, se o o seu auticarro levar o dobro do tempo a chegar ao seu destino, seja qual for a razão (estrada danificada, trânsito, etc.) não tem que pagar as horas extra. O preço para Guayaquil (Julho 2009) é de cerca de €7.

No terminal de autocarros, não se esqueça das medidas de segurança: desde que não exiba os seus pertences e não ande por lá a horas estranhas, provavelmente não terá nenhum problema. É frequente as pessoas gritarem a perguntar onde vai. Estes ou trabalham para uma companhia de autocarros e querem vender-lhe um bilhete, ou quer a sua ajuda para encontrar o seu autocarro em troca de uma gorjeta. Se chegar com muita bagagem é melhor evitar o sistema de transportes públicos de Quito e apanhar um táxi para o seu hotel. Os autocarros de longa-distância equatorianos normalmente deixam-o sair quando quiser ao longo da sua rota.

De carro

Alugar um carro em Quito, como em qualquer outro local do Equador, é caro – é muito mais barato ir de táxi ou autocarro que alugar um carro. Alugar um carro é útil para visitar áreas mais remotas que não tem serviços de autocarro frequentes (neste caso, é melhor ideia comprar um jipe, mais caro).

Algumas das companhias que pode encontrar na cidade são:

  • Avis (244 0270) [22] - No aeroporto.
  • Budget [23]. - Duas localizações: na esquina da Av. Amazonas com a Av Cristóbal Colón (223 7026); no aeroporto (224 0763, 245 9052)
  • Ecuacar - Na Av Cristóbal Colón 1280 (252 9781, 254 0000) e no aeroporto (224 7298)
  • Hertz [24] - No Swissôtel, Av. 12 de Octubre 1820 (256 9130) e no aeroporto (225 4257)
  • Localiza (250 5974, 250 5986) na Av. 6 de Diciembre 1570.

Pode contactar Ivan Segovia da Edivanet (264 6460, 09-379 1889, 09-824 5152), que o poderá conduzir a qualquer local do país (desde que lá haja estradas) numa carrinha com capacidade para até 10 pessoas. O custo é de cerca de €46 ($R106) por dia, mais o preço do quarto de hotel do condutor. Pode dividir o preço com um grupo, para diminuir a despesa.

De comboio

Embora a maior parte do sistema de caminhos-de-ferro do Equador esteja em ruínas, pode andar de comboio na mesma se estiver determinado a isso. Existe um autocarro turístico aos fins-de-semana que sai da cidade e dirige-se para sul durante cerca de três horas e meia até à Area Nacional de Recreación El Boliche, e ao adjacente Parque Nacional Cotopaxi.

A Estação de Comboios de Quito (265 6142; na esquina das ruas Sincholagua & Pedro Vicente Maldonado) fica a cerca de is about 2km a sul da Cidade Velha. Compre bilhetes com antecedência no escritório de bilhetes de comboio (258 2927; morada: Bolívar 443; viagem de ida e volta por pessoa custa $4,60; 8h00-16h30 Segunda-Sexta). Os comboios são antiquados e possuem casas-de-banho primitivas, e muitos passageiros vão no telhado.

Circule

De autocarro/ônibus

A estação de Simón Bolívar, da Ecovía.

Existem três sistemas de autocarros diferentes, com muito poucas estações comuns. São muito baratos (apenas USD 0.25 por uma viagem). Estas linhas seguem rotas norte-sul através do coração da cidade, e tem estações perto de La Mariscal, onde se situam a maior parte dos hotéis. É provável que esteja acostumado a deixar sair antes de começar alguém a entrar, mas essa tradição não existe no Equador, e pode demorar um pouco para se habituar. Os autocarros são dos mais limpos da América do Sul, mas, não se esqueça, cuidado com os carteiristas!

  • O El Trole ou The Trolley (estações verdes, autocarros de várias cores) vai da estação de La Y no norte até à de El Recreo no sul. Na baixa, passa pelas estações mais próximas à Plaza Grande.
  • O Metrobus (estações azuis marcadas com um Q, autocarros de várias cores) vai desde a Universidad Central na Avenida America, perto da Avenida Prensa, e prossegue para Avenida Diego de Vasquez até Carcelen, a última estação. É útil para turistas que queiram ver o monumento da Mitad del Mundo Monument, porque os autocarros públicos que vão até à Mitad del Mundo esperam na estação de Ofelia. O custo é de USD 0.25 até a estação de Ofelia e de USD 0.35 até à Mitad del Mundo.
  • A Ecovia (autocarros vermelhos e estações marcadas com um e) vai desde a estação de Rio Coca, no norte, até à estação de La Marin na Cidade Velha. Serve estações perto da Casa de la Cultura e do Estadio Olímpico, bem como do Centro Comercial Quicentro.

De bicicleta

Pode também circular alugando uma bicicleta na Yellow Bike (Lizardo Garcia 512, La Mariscal) [25]. Quito oferece um único oferece uma ciclovia única, que passa pela parte norte, através da Av. Amazonas até ao Parque La Carolina. Se alugar uma bicicleta para circular por Quito, recomenda-se que seja cuidadoso e use um capacete. É uma maneira divertida e barata de circular, mas pode ser um pouco perigoso devido ao trânsito de Quito.

De carro

De táxi

Uma viagem de táxi custa um mínimo de USD 1 durante o dia e um mínimo de USD 2 de noite. Use apenas os táxis oficiais (amarelos com um número pintado na porta). Certifique-se que o condutor liga o taxímetro, pois é provável que seja roubado se isto não acontecer. Se disserem que está avariado, procure outro táxi. À noite, ou se recusarem, negocie o preço antes de entrar, ou espere o próximo. Leve trocos e tenha o troco exacto para o preço do táxi. Se não tiver dinheiro destrocado, muito provavelmente os taxistas (muito convenientemente) não vão conseguir arranjar troco e vão tentar convencê-lo a fazer do troco uma gorjeta. A maior parte dos hotéis tem táxis que estes aprovaram como seguros e legítimos.

Aluguer de carros

Pode alugar um carro em Quito, mas não é recomendável para circular na cidade. É muito mais fácil usar um táxi, muito mais barato. Alugar um carro é uma possibilidade para explorar locais fora da cidade, mais isolados, como o Cotopaxi, o Otavalo ou a área de Papallacta, por exemplo, mas só é recomendado par os que falam um pouco de espanhol e conseguem aguentar o código da estrada equatoriano.

Veja

Convento de San Francisco.

Igrejas, Conventos e Mosteiros

Basílica del Voto Nacional.
  • Convento de San Francisco, Plaza de San Francisco. - A igreja data da década de 1570 e é dedicada a São Francisco, pois a ordem franciscana foi a primeira a se estabelecer na área. Daí vem o nome oficial da cidade: San Francisco de Quito. A igreja contem obras primas da arte sincrética, incluindo a famosa "Virgem de Quito", por Legarda. A escultura representa uma virgem alada a pisar a cabeça de um diabo (com a forma de uma serpente) e está exposta no altar principal. A virgem seria mais tarde copiada (de maneira imprecisa) para o topo da colina de Panecillo. O museu do Convento ocupa todo o complexo monástico e inclui acesso ao coro.
  • Igreja da Companhia de Jesus (Iglesia de la Compañia de Jesus), Gabriel García Moreno (Perto do Convento de São Francisco - ver acima). - Situada na Cidade Velha, é considerada por muitos a mais bela das Américas. Parcialmente destruída pelo fogo, foi restaurada com a ajuda da Fundação Getty Foundation e de outros benfeitores. Impressionante.
  • Convento e Museu de São Domingos (Convento y Museo de Santo Domingo) - Este é um edifício do século XVI situado na Cidade Velha. Os estilos arquitectónicos predominantes são o plateresco e o mudéjar. A extraordinária capela do século XVIII, dedicada à Virgen del Rosario, pode ser encontrada na parte direita da igreja. O museu tem várias pinturas que ilustram os mártires da Ordem Dominicana. Outras peças interessantes estão também expostas, pertencendo ao período da Escuela Quiteña (Escola de Quito), uma das quais é a "Virgen de Legarda" criada pelo escultor Bernardo Legarda.
  • Convento e Museu de Santo Agostinho (Convento y Museo de San Agustín), Ruas de Chile & Guayaquil. - Esta imponente catedral inclui duas grandes pinturas de São Agostinho por Miguel de Santiago e uma pitoresca fonte reminiscente da era colonial. O Convento de San Agustin contém também mais pinturas representando a vida de Santo Agostinho.
  • Basílica del Voto Nacional, Calle Venezuela - Esta basílica tem as mais altas torres sineiras do Equador, de onde se tem uma vista inesquecível da cidade. Por US$2 pode comprar um bilhete que lhe dá acesso à igreja, incluindo a partes pouco prováveis de ver em outras igrejas, incluindo o interior do tecto e as torres sineiras. A basílica é encantadora, e se não quiser pagar pode passear pelo calmo interior da basílica, muito bonito.
  • Catedral (Catedral Metropolitana de Quito), Plaza de la Independencia - Situada no coração da Cidade Velha, na Plaza Grande ou de la Independencia, no século XVI era apenas uma igreja de campo, com tecto de palha. A catedral no verdadeiro sentido da palavra só se começou a construir no século XVI, tendo sido terminada em 1565 e consagrada em 1572. Na igreja existem vários túmulos de pessoas importantes, incluindo todos os bispos de Quito e alguns presidentes equatorianos.

Praças, Ruas e Avenidas

A Plaza Grande, com a Catedral de Quito ao fundo.
  • Calle de La Ronda - Esta rua da Cidade Velha foi restaurada pela Câmara Municipal e pela FONSAL em 2007. Foi transformada com a ajuda e cooperação dos residentes locais. É uma romântica rua perto da Plaza Santo Domingo (ou pode ser alcançada através da Calle Garcia Moreno, desde o Museu da Cidade). Existem lojas, pátios, galerias de arte e modestos cafés-restaurantes, todos geridos por residentes. Aos fins-de-semana, são comuns os eventos culturais.
  • Praça Grande ou da Independência (Plaza Grande/Plaza de la Independencia) - A bela Plaza de la Independencia, mais conhecida como Plaza Grande, no coração do centro histórico, está rodeada de alguns dos mais conhecidos símbolos da cidade: a Catedral , o Palácio Presidencial, o Palácio Arcebispal e o Palácio Municipal. Verdadeiro coração da cidade, apesar de não ser a primeira praça a ser construída em Quito, é um espaço animado e cheio de gente. Nos inícios do século XX foi erigido o Monumento a los Héroes de la Independencia, símbolo da independência do país. É um óptimo local para observar o dia-a-dia dos locais.

Museus

Museu do Banco Central.
  • Museu Nacional do Banco Central (Museo del Banco Central), Patria (Do outro lado da rua da Casa de la Cultura e adjacente ao Parque El Ejido; saia na estação da Casa de la Cultura, na linha da Ecovía). - O museu com mais renome do Equador, dedicado a arte pré-colombiana, colonial e de ouro, entre outros objectos. Algumas das peças mais famosas incluem garrafas de Whistle com formas de animais, elaborados "chapéus" de ouro, e miniaturas que recriam cenas da vida ao longo do Amazona. O museu está bem organizado, e demora cerca de 3-4 horas para ver tudo. A entrada custa USD 2. Pode contratar um guia, que fala várias línguas incluindo inglês, francês e espanhol por um preço reduzido. NOTA: O Banco Central tem também uma pequena exposição na baixa da cidade, do outro lado da rua da Igreja de La Compañía. ESta exposição normalmente mostra moedas ou selos. A entrada custa USD 1.
  • Casa da Cultura Equatoriana (Casa de la Cultura), Patria (estação da Casa de la Cultura, na linha de Ecovía) - Mostra uma miscelânia de artistas locais.
  • Museu da Cidade (Museo de la Ciudad), Gabriel García Moreno (na Cidade Velha, em frente do Mosteiro de Carmen Alto) [26]. - Um bom museu com dois andares, cujas salas se dispõe em volta de dois pátios. O Museu da Cidade dedica-se a uma perspectiva mais social da história do Equador do que outros museus da cidade, com cenas reproduzidas do dia-a-dia dos cidadão equatorianos através dos anos, incluindo um lar do século XVI, uma cena de batalha contra os espanhóis, e ilustrações do edifício do Convento de San Francisco.
  • Museu Mindalae (Museo Mindalae), Reina Victoria & La Niña (fica na parte norte do bairro de Mariscal) - Um projecto extremamente original na parte norte do bairro de Mariscal, este museu dá um ponto de vista étnico-histórico da espantosamente rica diversidade cultural equatoriana. Pode aprender sobre os diferentes povos do país, desde a costa até aos Andes e à Amazónia, e o seu artesanato numa estructura especialmente construída e desenhada para esse fim. O museu tem um retsurante, um café e uma loja.
  • Museu Guayasamin (Museo Guayasamin), Calle José Bosmediano 543, [27] - Este museu expõe as obras de um dos mais famosos pintores contemporâneos do Equador, Oswaldo Guayasamin. Tem também uma boa colecção de arte pré-colombiana, colonial e do período da independência. Pode visitar também a vizinha Capela do Homem (Capilla del Hombre) [28] que foi contruída postumamente para guardar alguns das muitos telas sobre a condições do homem latino-americano.
  • Centro Cultural Metropolitano, García Moreno 887, [29]. - Tem uma rica colecção de arte colonial. No meio de um complexo de 400 anos, tem extensas bibliotecas, um museu e espaços de espectáculos.

Parques e Jardins

Anoitecer na cidade, visto desde Itchimbia.
  • Jardins Botânicos (Jardin Botanico), Parque La Carolina, Rio Amazonas. - O Jardin Botanico situa-se na parte sudoeste do Parque La Carolina. É uma óptima maneira de escapar à agitação da cidade, com todos os ecossistemas equatorianos representados com uma grande variedade de flora. Pode fazer uma visita guiada ou simplesmente vaguear. Para muita gente, o ponto alto dos jardins são os dois orchidariums.
  • Complexo Cultural e Parque de Itchimbia, Simón Bolívar (a este da Cidade Velha). - Esta colina situa-se a este da Cidade Velha, no coração da cidade. Dela tem-se esplêndidas vistas do centro e norte de Quito, bem como do distante pico de Cayambe a nordeste. A colina foi transformada num parque e impressionante centro cultural, aqui estabelecido em 2005. O centro tem exposições temporárias. Aos fins-de-semana, existem workshops e actividades para as crianças. Um restaurante, o Pim's, abriu no complexo em Junho de 2007. O complexo fecha às 18h00. Uma vez fechado, pode ir ao vizinho Cafe Mosaico para ver o põr-do-sol até aproximadamente às 19h00. É um óptimo local para ver o sol desaparecer por trás das montanhas com os holofotes das igrejas da Cidade Velha.

Outros

La Vírgen del Panecillo.
  • La Vírgen del Panecillo, Gral Melchor Aymerich. - Adjacente à Cidade Velha, El Panecillo é uma grande colina no topo da qual se encontra La Vírgen del Panecillo, uma enorme estátua da Virgem Alada. Esta pode ser vista desde a maior parte da cidade. A tradição local diz que é a única virgem de Quito. Nunca suba a colina, apanhe sempre um táxi ou um autocarro, pois a caminhada pode ser perigosa.
  • Palácio do Governo (Palacio de Gobierno), Plaza de la Independencia. - Este edifício foi construído entre século XVII e inícios do século XIX pelo "Presidente de la Real Audiencia de Quito" (presidente do conselho real), Barón Héctor de Carondelet. Só pode visitar o R/C, os outros pisos estão interditos.
  • Palácio Arcebispal (Palacio Arzobispal), Plaza de la Independencia. - Situado na Plaza Grande, no coração da cidade, em frente do Palacio de Gobierno, este edifício tem uma belo conjunto de colunas, longos corredores e pátios interiores. O Palacio Arzobispal foi a residência do bispo desde 1700. Em 1858 e entre 1975 e 1978, o palácio foi reconstruído.

Faça

O Teleferiqo.
A Calle Olmedo, na Cidade Velha.
  • Ande de "Teleferiqo" (Perto de Mariscal Sucre) - Este é o segundo mais alto teleférico do mundo. Situa-se na vertente este do Vulcão de Pichincha, com vistas para toda a cidade. Eleva os seus passageiros a uns espantos 4 quilómetros de altitude. Em dias sem nuvens, pode ver meia-dúzia de vulcões e toda a cidade a seus pés. Pode também escalar desde qui até ao Vulcão Guagua Pichincha Volcano, que está activo. Veja o site do Teleferiqo para mais detalhes [30]. O preço é de $4 para locais, mas de $8 para estrangeiros. A melhor maneira de chegar ao teleférico é de táxi.
  • Explore a Cidade Velha - Com a sua magnífica mistura de arquitectura colonial e republicana (Fins do século XVI-século XVIII), relaxantes plazas e um impressionante número de igrejas, conta também com um grande número de eventos, multidões e procissões, que atraem multidões para as ruas durante o Natal e Páscoa. Encontrará lojas de artesanato, cafés, restaurantes e hotéis por todas as suas infindáveis ruas.
  • Uma visita a pé, muito recomendada se quiser ter uma outra perspectiva da Cidade Velha, é como se segue. Apanhe o Trolley (cuidado com os pertences) para sul até à paragem de "Cumanda". Saia nessa paragem, está na Calle Maldonado. Desde aí terá uma impressionante vista do que outrora foi a ravina de "Jerusalém", que fica entre El Panecillo e o centro. Caminhe para norte e desça uma escada estreita que o leva até à Calle La Ronda, de origem pré-colombiana. Caminhe pela pitoresca Calle La Ronda até chegar à Av. 24 de Mayo. Esta avenida foi construída por cima da ravina de Jerusalém para ligar os dois lados da cidade. Na Calle Garcia Moreno vire para norte e chegará ao Museo de la Ciudad, que lhe ensina a história da cidade de uma maneira interactiva e simples. Depois, caminhe pela Calle Garcia Moreno até Sucre, que é uma rua pedestre. A Iglesia de la Compañia fica na esquina e se subir a Calle de Sucre, chegará à Praça e Convento de San Francisco. Vá até La Merced e depois desça até à Plaza Grande. Este itinerário segue uma sequência cronológica e lógica de locais. A maior parte de gente fá-lo de trás para a frente, considerando La Ronda e o Museo de la Ciudad pontos distantes que demora muito tempo a chegar. De qualquer das maneiras, o centro histórico é tão grande que vai precisar de várias visitas para o ver todo. Este passeio dá-lhe uma vista geral da Cidade Velha se tiver pouco tempo e quiser ver o mais possível no primeiro dia. Pode visitar o Quito Visitors' Bureau (veja Mais Informações) e ver as visitas a pé pela cidade que eles proporcionam.

Compre

Coma

Beber e sair

Durma

Partir

  • Mitad del Mundo, San Antonio, Distrito Metropolitano de Quito (a norte da cidade). - A norte de Quito fica o local onde se fizeram pela primeira vez as medições que provaram que a forma da Terra é de facto uma esfera. Comemorando isto existe um enorme monumento perto do equador, chamado Mitad del Mundo ou meio do mundo. No entanto, o verdadeiro equador não fica na Mitad del Mundo. Através da tecnologia moderna, descobriu-se que fica a apenas 240 metros de distância - onde os índios diziam que se situava antes dos franceses terem vindo e construído o monumento no local errado. A entrada para o parque custa $2 e para a maior parte das atracções tem que pagar um preço extra. O Museu Solar de Intiñan fica mesmo a seguir ao monumento, do outro lado da cerca norte. Por $3 pode fazer uma visita a este pequeno museu. Este demostra o efeito de Coriolis e várias outras coisas interessantes. Parece uma lixeira e fica no fim de uma estrada de terra batida, mas é muito mais interessante e informativo que a Mitad del Mundo. Para chegar lá pode apanhar um autocarro ($0.40), ou ir com uma visita organizada, ou ir de táxi. O preço do táxi por hora é de $12 ou menos. Os autocarros saem de Occidental ou da Av. America e tem "Mitad del Mundo" escrito em letras grandes na frente. Esta é a opção mais económica e uma visita guiada ao Museu Solar de Intiñan custam $3. Entrada para o monumenyo vizinho custa $2, mas só vale a pena para ver o equador - que é o equador real, perto de Intiñan.



Este artigo contém conteúdo do artigo Quito , da Wikipedia. Veja o histórico dessa página para a lista de autores.

Variantes

Ações

Docentes do destino

Noutras línguas

outros sites