Contribua para um artigo e ajude o wikitravel a crescer! Aprenda como.

Diferenças entre edições de "Lamu"

Da Wikitravel
Ir para: navegação, pesquisa
(Veja)
(Partir)
Linha 58: Linha 58:
  
 
==Partir==
 
==Partir==
 +
 +
* '''Praia de Shela''' - Uma magnífica praia de areia branca, a apenas dois quilómetros e meio da cidade. Não se esqueça de comprar uma das deliciosos samosas caseiras vendidas na praia por crianças.
  
 
{{FicaEm|Quénia_Costeiro}}
 
{{FicaEm|Quénia_Costeiro}}

Revisão de 19h28min de 19 de abril de 2010

Lamu.

Lamu é uma cidade no Quénia Costeiro. É a principal cidade da Ilha de Lamu, que, por sua vez, faz parte do Arquipélago de Lamu. Lamu é um sítio para relaxar. Deixe o telemóvel e o portátil em casa e deixe- se absorver pela paz local, interrompida apenas pelo zurrar dos burros e pela chamada para a oração ouvida em mesquitas por toda a ilha.

Índice

Chegar

A forma mais fácil de chegar à cidade é de avião, directamente desde Nairobi (Com a companhia Fly 540 desde o Aeroporto de Kenyatta , ou com a Safarilink e a Air Kenya desde o Aeroporto de Wilson, Nairobi) ou desde Mombaça ou Melinde no sul (operadoras incluem a Mombasa Safari Air desde Mombaça, que não realiza voos todos os dias, e a Fly 540 desde Melinde). O aeroporto fica numa ilha perto da cidade, sendo precisa uma viagem de barco/ferry.

Fale

A maior parte dos locais falam inglês, no entanto será mais respeitado e assimilará melhor a cultura mais facilmente se aprender pelo menos Swahili rudimentar.

  • Hujambo - Olá (usado apenas por turistas)
  • Habari gani - Tudo bem?
  • Asante - Obrigado(a)
  • Pole - Desculpe
  • Tafadali - Por favor
  • Karibu - Bem-vindo
  • Hakuna Matata - Sem preocupações
  • Vitu vya ngano - Pequeno donut (literalmente significa "pequena coisa doce")
  • Ndizi - Banana
  • Mzee - Termo de respeito para uma pessoas mais velha
  • Mzungu - Pessoa de pele clara
  • Choo iko wapi - Onde fica a casa-de-banho?

Outra opção é apanhar o autocarro diário desde Mombaça via Melinde. Esta rota é conhecido pelos ataques por bandidos somalis e, no passado, já foram parados e assaltados várias vezes. Em Outubro de 2005 a segurança da rota estava assegurada. Nas partes mais perigosas da viagem existem guardas armados.

Também é possível - embora seja caro - alugar um carro em Mombaça ou Melinde.

Circule

Não existe necessidade de transporte (para além de barcos), pois a cidade é relativamente pequena e os caminhos são muito estreitos. No entanto, existem algumas coisas a ter em conta. A principal forma de transporte na ilha são burros, e eles podem fazer as necessidades sempre que quiserem. Infelizmente, isto significa que o podem fazer nos caminhos. Assim sendo, pense duas vezes antes de trazer sapatos caros, pois é muito provável que numa altura da viagem pise acidentalmente uma coisa que não queria pisar.

Também é de ter em conta que a iluminação à noite na ilha é pouca ou nenhuma. Recomenda-se uma lanterna se quiser andar de noite. Se não trouxer uma, muitas das minúsculas lojas vendem isqueiros baratos que vem com pequenas, mas eficazes lanternas LED.

Veja

Museu de Lamu.
  • Museu de Lamu - Construído em 1891, o Museu de Lamu foi a antiga residência dos governadores britânicos, durante a era colonial. Aqui poderá aprender acerca da rica cultura swahili, evidente na cidade.
  • Forte de Lamu - Foi construído por Fumo Madi ibn Abi Bakr, o Sultão de Pate, na costa da ilha, para proteger os membros do seu impopular governo. Ele morreu em 1809, antes que o primeiro andar do forte estivesse concluído. A construcção terminou em inícios da década de 1820.
  • Mesquita de Mnarani
  • Mesquita de Riyadha - Habib Salih, um Sharif com ligação ao Hadramaute, Iémen, assentou em Lamu na década de 1880, e tornou-se um muito respeitado professor religioso. Habib Salih teve grande sucesso em reunir estudantes e em 1900 foi construída a Mesquita de Riyadha. Após a sua morte em 1935, os seus filhos continuaram a madraça, que se tornou um dos mais prestigiados centros de Estudpos Islâmicos na África Oriental. A mesquita é o centro do Festival de Maulidi, que se realiza todos os anos durante a última semana do mês do nascimento do Profeta. Durante este festival, peregrinos do Sudão, Congo, Uganda e Tanzânia juntam-se aos locais para rezar a Maomé.
  • Santuário de Burros - Visto que a ilha não tem veículos motorizados a percorrer as ruas, o transporte e outros trabalhos pesados são feitos com ajuda de burros. Existem 2000-3000 burros a trabalhar na ilha. A Dr. Elisabeth Svendsen do Santuário de Burros em Inglaterra visitou a ilha pela primeira vez em 1985. Preocupada com as condições dos burros, ela abriu o Santuário em 1987. O Santuário dá tratamento a todos os burros gratuitamente.

Faça

Navegar de dhow

Navegar de dhow é uma experiência fantástica. Um cruzeiro romântico para ver o pôr-do-sol ou uma excursão de um dia, combinando ruínas históricas e mergulho, é uma experiência única, relacionado à história de Lamu.

Um dhow é um navio tradicional árabe com uma ou mais velas latinas. Esta é a melhor maneira de ver a cidade. São relativamente baratos e pode ir tão longe quanto a Ilha de Manda, as Ruínas de Takwa Ruins ou Matondoni. Kiwayu é a mais bonita das ilhas é uma reserva da biosfera. Existem várias companhias especializadas em viagens até Kiwayu mas é melhor arranjar um capitão local, que conhece melhor as ilhas e as aldeias. Uma pequena companhia chamada Nature+Culture faz a viagem até Kiwayu e especializa-se em eco turismo. Eles também fazem pequenas viagens, e o dono da companhia, Gabriel Suleiman, é um antigo jogador de futebol muito conhecido e respeitado na região: [1].

Os guias turísticos de Lamu são licenciados e vão-lhe mostrar a sua licença se pedida. Estes tem uma associação bem organizada e trabalham em conjunto cooperativamente. A Sailkenya [2], também faz viagens de três dias. Os capitães de dhows em Lamu, no entanto, organizaram-se recentemente numa organização profissional, chamada Promise/Ahadi. Eles oferecem serviços excelentes e o seu conhecimento do oceano e da ilha é impressionante. Pode encontrar informação no seu site [3], ou então visite o seu escritório (perto do Museu do Posto de Correio Alemão) ou procure-os ao longo da costa da cidade, vestidos com t-shirts azul brilhante e um crachá da sua organização.

Mas também pode arranjar uma viagem de dhow num hotel, incluindo o Peponi em Shela e a Casa de Lamu. Recentemente, vários capitães adoptaram o dhow moçambicano, que é mais largo e mais confortável que os tradicionais. Faça a sua escolha!

Compre

Coma

Beber e sair

Durma

Partir

  • Praia de Shela - Uma magnífica praia de areia branca, a apenas dois quilómetros e meio da cidade. Não se esqueça de comprar uma das deliciosos samosas caseiras vendidas na praia por crianças.



Variantes

Ações

Docentes do destino

Noutras línguas