Contribua para um artigo e ajude o wikitravel a crescer! Aprenda como.

Amarante

Da Wikitravel
Porto : Amarante
Revisão das 08h24min de 12 de maio de 2013 por 195.23.113.161 (discussão)

(dif) ← Revisão anterior | Ver revisão atual (dif) | Revisão posterior→ (dif)
Ir para: navegação, pesquisa
O Mosteiro de São Gonçalo (direita) e a Igreja de São Domingos (esquerda), no Largo de São Gonçalo.

Amarante [1] é uma cidade do distrito do Porto, atravessada pelo bucólico rio Tamega. É uma das mais belas terras portuguesas, onde nasceram grandes figuras do panorama cultural português, como Amadeo de Souza-Cardoso e Agustina Bessa Luís. É também um popular destino de peregrinação, apesar de ser menos visitado que Fátima ou Santiago de Compostela.

Entenda[editar]

História[editar]

Amarante teve provavelmente a sua origem nos povos primitivos que habitaram a serra da Aboboreira (habitada desde a Idade da Pedra), embora se desconheça exactamente o nome dos seus fundadores. Contudo, só começou a adquirir importância e visibilidade após a chegada de São Gonçalo (1187-1259), nascido em Tagilde, Guimarães, que aqui se fixou depois de peregrinar por Roma e Jerusalém. A este santo se atribui a construção da velha ponte sobre o Rio Tâmega.

O Mosteiro de São Gonçalo, mandado construir por D. João III. Ao fundo, à esquerda, a Igreja de São Domingos, construída em 1725.

Amarante torna-se alvo de peregrinações e a povoação foi crescendo. Já no Século XVI, D. João III ordena a construção do Mosteiro de São Gonçalo sobre a capela junto à ponte sobre o Rio Tâmega, onde segundo a tradição São Gonçalo terá vivido e foi sepultado.

Em 1763, ocorre a derrocada da velha Ponte de São Gonçalo devido às cheias do Rio Tâmega. Nos anos seguintes foi reconstruída com o aspecto que ainda hoje apresenta.

No início do Século XIX, Napoleão Bonaparte tenta invadir Portugal e sobre Amarante passaram também estas invasões francesas, sendo palco do heróico episódio da Defesa da Ponte de Amarante que valeu ao General Silveira o título de Conde de Amarante e a própria vila de Amarante teve a honra de ser agraciada com o colar da Ordem Militar da Torre e Espada que reflecte no seu brasão municipal. Após este episódio criam-se planos para a reconstrução da vila, pois os franceses tinham incendiado quase a totalidade das casas. As reformas liberais do séc. XIX reorganizaram administrativamente o território e em 1855 extinguiram-se os municípios de Gouveia, Gestaço e Santa Cruz de Ribatâmega, tendo o de Amarante recebido a maioria das suas freguesias e ainda algumas de Celorico de Basto.

O apogeu cultural dá-se nos inícios do Século XX, graças a amarantinos como Teixeira de Pascoaes nas letras e Amadeo de Souza-Cardoso na pintura.

Amarante adquiriu estatuto de cidade a 8 de Julho de 1985, sendo esta também a data do seu feriado municipal.

Chegar[editar]

De avião[editar]

Os aeroportos mais convenientes para Amarante são (por ordem de distância):

  • Aérodromo de Vila Real - O pequeno aeródromo da vizinha cidade de Vila Real recebe alguns voos de outras cidades do país, mas nenhum internacional.
  • Aeroporto de Francisco Sá Carneiro - Porto - O Porto é servido pelo Aeroporto Francisco Sá Carneiro (IATA: OPO) (tel.: (229 432 400; [2]) - que recebe voos frequentes das principais cidades europeias, incluindo como Londres, Madrid, Paris, Frankfurt, Amesterdão e Bruxelas, bem como alguns destinos dentro do país, como Lisboa e Madeira/Funchal. A TAP tem também um voo diário directo a partir de São Paulo e outro do Rio de Janeiro.
  • Aeroporto de Portela - Lisboa - O Aeroporto Internacional da Portela [3] é o maior aeroporto português, e dispõe de ligações aéreas com as principais cidades da Europa e algumas das Américas, África e Ásia.

De comboio/trem[editar]

Ir de comboio para Amarante, é, neste momento impossível, devido á supressão da linha entre Amarante e Livração, que por sua vez faz a ligação ao Porto. No entanto, pode sempre entrar no comboio no Porto e fazer o restante trajecto de autocarro, já que o mesmo está assegurado por esse meio. Os horários dos comboios podem ser consultados no site da Comboios de Portugal [4].

De autocarro/ônibus[editar]

A Estação de Autocarros fica a cerca de 3 minutos do centro da cidade. Tem autocarros a chegar de vários destinos por todo o país e a partir para outros tantos.

Duas vezes por dia, toda a semana, a Rodonorte [5] (tel.: +351 259 340 710; fax:+351 259 340 729; geral@rodonorte.pt) opera um serviço de autocarro entre Lisboa e Amarante, um às 11h00 e outro às 18h00, pelo preço de 18 €. Para além destes autocarros, a Rodonorte tem também autocarros a partir do Porto (5 vezes por dia, às 07h00, 14h30, 16h30, 18h00 e 21h20; preço: 6,40€) e Viana do Castelo (de segunda a sexta, às 08h30; preço 10,80€), entre outros destinos. Consulte o site para mais informações.

De carro[editar]

A melhor forma de conduzir até Amarante é usando a auto-estrada A4 se vem do Porto ou a Via rápida IP4 se vem do Norte ou Espanha . Basta tomar uma qualquer saída em direcção a Amarante e estará a 5 min do centro da cidade. A cidade situa-se a cerca de 1 hora do Porto e 5 horas de Lisboa.

Circule[editar]

Ponte de São Gonçalo.

A pé[editar]

Amarante é uma cidade pequena e pode facilmente ver todos os seus monumentos a pé - para além disso, os carros não podem entrar na maior parte das ruas do centro histórico, e vê muito melhor a cidade a pé.

De carro[editar]

Andar de carro é uma má ideia em Amarante. Em algumas alturas do ano, Amarante é invadida por visitantes, que enchem as ruas, criando um trânsito impossível, e ocupam os parques de estacionamento, que só por si são poucos. E também não é preciso pegar no carro, a cidade é tão pequena que pode ser percorrida inteiramente a pé.

De barco[editar]

Na margem de um rio alugam pequenos "barcos" de dar ao pedal, que constituem uma excelente maneira de apreciar a cidade e o rio. Claro que não o leva a nenhum dos monumentos da cidade (excepto a ponte), mas é uma óptima maneira de passar algum tempo.

Veja[editar]

Antigo cruzeiro da velha Ponte de São Gonçalo, agora destruída, que pode ser encontrado numa das janelas do Mosteiro.
Uma escultura no Museu Amadeo de Souza-Cardoso.
Solar dos Magalhães.
  • Casa da Cerca (Biblioteca Municipal Albano Sardoeira), Alameda Teixeira de Pascoaes, 255420236 (fax: 255420236), [6]. A Biblioteca Municipal está resulta do ex-Convento de Santa Clara, talvez construído no século XIII. A data mais provável será, no entanto, 1383, quando D. João I otorgou a carta de protecção das religiosas. Foi incendiada mais tarde, em Abril de 1809, no decurso das Invasões Francesas. Posteriormente foi transformado no edifício que hoje se vê por um emigrante do Brasil - não sem prolongadas pesquisas arqueológicas, que expuseram muitos artefactos. Hoje em dia é o Arquivo e Biblioteca Municipal de Amarante.  editar
  • Mosteiro de São Gonçalo, Praça da República. Antes da existência do mosteiro, aqui se encontrava uma capela, erigida por São Gonçalo de Amarante. Em 1540, foi transformada num grande mosteiro com a construção de um convento dominicano em honra de São Gonçalo, com autorização e ajuda de D. João III e de sua mulher, a Rainha Dª Catarina. A edificação da Igreja e do Convento terminou na época de Filipe I, antes de 1600. A construção do pórtico e da Varanda dos Reis iniciou-se a 12 de Outubro de 1683. Na igreja destaca-se o túmulo de São Gonçalo, íman para vários peregrinos.  editar
  • Museu Amadeo de Souza-Cardoso, Alameda Teixeira de Pascoaes, 255420233 (fax: 255420203), [7]. Encerra Segundas e Feriados; aberto de Terça a Domingo, das 10h00 às 12h30 e das 14h00 às 17h30. Situado no claustro do Mosteiro de São Gonçalo, foi fundado em 1947 por Albano Sardoeira para aí se reunirem materiais da história de Amarante. Com o passar dos anos, foi-de especializando em arte contemporânea, reunindo uma das mais importantes colecções do país, que inclui trabalhos de Amadeo de Souza-Cardoso, António Carneiro, Jaime Isidoro, Nadir Afonso, Rui Pimental e Cargaleiro. 2,50€ por um bilhete de adulto.  editar
  • Igreja de São Domingos, Rua Frei José Marante (Suba as escadas desde a Praça da República; se preferir tomar um caminho menos inclinado e menos torto, pode fazê-lo apesar de ser mais comprido: suba a Rua 5 de Outubro, continue pela Teixeira de Vasconcelos e suba a Rua Frei José Marante, passando através do Largo de Santa Clara e descendo a rua até à igreja). Junto ao mosteiro, no topo de uma gigantesca escadaria, pode encontrar uma pequena igreja dedicada ao Senhor dos Aflitos. É mais conhecida por Igreja de São Domingos, por ter sido construída a mando da Ordem de São Domingos em inícios do século XVIII. De estilo barroco, ao estilo do século XVII, tem uma bela capela-mor revestida a talha-dourada.  editar
  • Igreja de São Pedro, Rua Teixeira de Vasconcelos/Largo de São Pedro. Outrora o local de uma pequena capela dedicada a São Martinho, a Igreja de São Pedro pertenceu à Irmandade dos Clérigos de São Pedro. Tem uma bela capela-mor do século XVIII, da autoria de António Gomes. O altar tem uma riquíssima talha dourada, com colunas que enquadram as imagens de São Pedro e São Paulo. No topo da torre encontram-se a cruz e a tiara papal.  editar
  • Ponte de São Gonçalo, Praça da República. Verdadeiro ex-libris da cidade, liga dois largos de Amarante, incluindo a Praça da República, onde pode encontrar o mosteiro, outro ex-libris. Antes desta ponte, monumento nacional, existia uma outra, datada do século XIII e que foi destruída por uma cheia do rio Tâmega. No meio da ponte havia um cruzeiro, tirado uma hora antes do trágico acontecimento, que ainda se pode ver numa das janelas do Mosteiro de São Gonçalo. A actual foi construída no século XVII. Em 1809 foi palco da heróica Defesa da Ponte de Amarante, episódio resultante das Invasões Francesas. Em memória deste acontecimento, existe uma placa comemorativa no lado norte da ponte.  editar
  • Solar dos Magalhães, Largo de Santa Luzia. Situado no largo de Santa Luzia, trata-se de umas ruínas do século XVIII, incendiado em 1809 pelos exércitos de Napoleão, no decurso das Invasões Francesas, como represália pela prolongada resistência dos amarantinos. Outrora uma majestosa casa senhorial, está assente em uma fila de arcos, encimados por uma colunata.  editar

Faça[editar]

Eventos[editar]

  • Romaria de São Gonçalo. Primeiro fim-de-semana de Junho. Cartão de visitas da cidade, é celebrada em honra de São Gonçalo, santo casamenteiro cujo culto está associado à fertilidade e que viveu em Amarante. É costume as mulheres solteiras abraçarem o santo e pedirem-lhe marido. Simultaneamente ocorre uma feira anual, um festRealiza-se simultaneamente uma feira anual, um festival de folclore, uma competição de bombos, touradas, competições pecuários, um arraial e fogo de artifício.  editar

Actividades[editar]

  • Visite o Parque Aquático de Amarante, Rua do Tâmega, nº 2245 4600-909 Fregim - Amarante (Se vier pela A4 ou IP4 em direcção a Amarante, saia na saída para Amarante Oeste. Passe pela rotunda, seguindo em frente, e a partir daí siga as placas.), +351 255 410 040 / 255 446 648 (, fax: +351 255 431 978), [8]. Aberto Junho-Setembro, das 10h30 às 19h00. Deslize num dos muitos escorregas ou outras diversões do único parque aquático do norte do país! Um bilhete de adulto custa 10€ em fins-de-semana e 8€ nos restantes dias.  editar
  • Dê uma tacada no Amarante Golf Club, Quinta da Deveza, Fregim, Amarante, 255 446 060, [9]. Terça a Sexta das 9h00 às 19h00 / Sábado e Domingo das 8h00 às 19h00. Um magnífico campo de montanha com 18 buracos e um percurso, situado nos arredores da cidade. Desde a sua posição, a 600 metros de altitude, tem-se uma magnífica vista da Serra do Marão e do Rio Tâmega. O preço de fim-de-semana, para os 18 buracos, é de cerca de 75€.  editar
  • Consiga uma boa vista da cidade. Atravesse a ponte para o lado sul (para referência, o mosteiro está no lado norte) e vá para a margem do rio. Desde aqui tem uma óptima vista da ponte, do mosteiro e das casas que estão na margem do rio. Se preferir uma vista mais "aérea", suba as escadas para a Igreja de São Domingos, de onde disfruta de uma bela vista do mosteiro, do rio e da margem oposta, e percorra a Rua Frei José Amarante até ao largo de Santa Clara, de onde desfruta da melhor vista de Amarante, avistando-se a margem sul do rio, uma boa parte da margem norte, e todo o mosteiro, incluindo os claustros, onde está instalado o Museu Amadeo de Souza-Cardoso.  editar
  • Dê ao pedal. Na margem do rio (desça pela Alameda Teixeira de Pascoaes até chegar a uns passeios pedestres; desça-os até chegar a um edifício de aspecto estranho, o mercado; vá às traseiras do mercado e siga até à margem do rio; procure) pode ver uma série de "barcos" de dar ao pedal que pode alugar, e que oferecem uma óptima vista do rio e da ponte. Não tem uma boa vista da cidade, mas ainda consegue ver alguns dos seus edifícios, como o mosteiro. Uma boa maneira de passar o tempo.  editar
Amarante e Mosteiro de São Gonçalo, vistos do Largo de Santa Clara.
Amarante e Mosteiro de São Gonçalo, vistos do Largo de Santa Clara.

Compre[editar]

O que comprar?

Do artesanato de Amarante destaca-se o barro negro de Gondar, a cestaria, os bordados, as rendas, mantas e meias de lã. Amarante possui também uma rica gastronomia, podendo comprar os enchidos ou os doces de ovos famosos da região.

Não existem centros comerciais em Amarante. Estas são as suas opções.

  • Centro Histórico. O centro histórico de Amarante está cheio de lojas, principalmente na área à volta do mosteiro. Por todo o centro pode encontrar lojas e drogarias tradicionais que estão rapidamente a desaparecer nas grandes cidades.  editar
  • Feira da Amarante. 1º Sábado de cada mês. Aqui pode encontrar um pouco de tudo, principalmente roupa, mas também tecidos, comida e todo o tipo de bugigangas, dependendo do dia em que vá.  editar
  • Mercado de Amarante, Rua do Capitão Augusto Casimiro. Um belo edifício modernista, rodeado de árvores, onde pode encontrar vários tipos de alimentos, mas pouco mais para além disso.  editar

Coma[editar]

Os famosos doces amarantinos.

Gastronomia[editar]

A localização geográfica da cidade, entre o Minho/Douro Litoral e os Trás-os-Montes (apesar de oficialmente pertencer ao Douro Litoral) influenciaram directamente a gastronomia amarantina, que contém características de todas estas províncias. Hoje em dia, a cozinha amarantina é baseada em pratos hipercalóricos (mau destino se estiver a fazer uma dieta ou for vegetariano) como o cabrito serrano, a vitela arouquesa e maronesa, a feijoada, as tripas, o cozido à portuguesa, o bacalhau, etc.

Particularmente famoso é o bacalhau à Zé da Calçada e à Custódia que, outrora eram os dois mais importantes restaurantes da cidade, disputando entre si a clientela e tentando apresentar o melhor bacalhau. (O bacalhau à Custódia já não é conhecido por esse nome). Também comum é o arroz de frango, cujos principais ingredientes são frango, arroz e sangue de galinha. A doçaria amarantina também é famosa, nomeadamente os doçes de ovos, que combinam muito bem com um vinho do Douro, produzido não muito longe da cidade. Por toda a cidade pode ver pastelarias recheadas de deliciosos doces, como os papos-de-anjo, os foguetes, as lérias e as brisas do Tâmega. Também à beira do mosteiro, em pequenas bancas pode encontrar doçaria típica da região, incluindo doces de forma fálica, que (supostamente) servem para encorajar os jovens a procurar o amor, o casamento e as relações sexuais, tudo em nome de São Gonçalo, muitas vezes apelidado de "Cupido Português".

Restaurantes[editar]

  • Casa Silva, Larim, Gondar (Fora da cidade; situa-se na estrada de ligação entre Amarante e Vila Real), 255 441 484. Aberto todos os dias. Um bocadinho fora de mão, mas vale a pena. Trata-se de uma adega recuperada com uma bela vista do sopé da Serra do Marão. É muito procurada pelos pratos de carne. 15-30€.  editar
  • Largo do Paço, Largo do Paço, 6, 255410830 (fax: 255426670), [10]. Aberto todos os dias, ao almoço das 12h30 às 15h00 e ao jantar das 19h30 às 22h30.. Um excelente restaurante de charme, tendo óptima comida portuguesa com um toque de modernidade. Os pratos do menu variam consoante a época e os produtos característicos a esta. Em 2005 foi premiado com uma estrela pelo conceituado Guia Michelin.  editar
  • Quinta da Lama, Vila Meã (Fora da cidade), 255733548. Fechado Domingos ao Jantar e Segundas. Jante num antigo lagar de azeite, actualmente transformado num restaurante rústico. Destaca-se na comida tradicional portuguesa, principalmente a posta à lagar e o bacalhau com migas. Os preços rondam os 18€.  editar
  • D. Catarino, Avenida General Silveira (no centro da cidade), 255433057. Situado no coração da cidade, o menu inclui uma variedade de pratos portugueses italianos, incluindo lasanha, tornedó e linguado.  editar
  • Restaurante Adega Regional Kilowatt, Rua 31 de Janeiro, 255433159. Casa de petiscos tradicionais portugueses, especializada em presunto e enchidos. Por volta de 10€.  editar

Beber e sair[editar]

A cidade está cheia de cafés e pastelarias recheadas com deliciosos doces característicos da região.

  • Spark, Avenida Alexandre Herculano, Amarante. Situado em frente do Rio Tâmega, tem um ambiente jovem, apesar de ser frequentado por pessoas de várias gerações. Bar com música ambiente, muito bem frequentado.  editar
  • Spázio Ciber Café, Rua Cândido dos Reis, São Gonçalo de Amarante, 255422652. Boa música num bar com internet à disposição dos clientes e um óptimo ar com um óptimo ambiente.  editar

Durma[editar]

Casa da Calçada.
  • Pousada de Marão - São Gonçalo, Hotel de Natureza, 1P4, entre Amarante e Vila Real (a 20 km de Amarante), (+351) 255 460 030 (, fax: (+351) 255 461 353), [11]. No coração da Serra do Marão, com óptimas vistas da serra e do rio. Recentemente renovada e ampliada, tem uma piscina climatizada e um spa, e planos de incluir uma pista de esqui. Quarto duplo: 150€.  editar
  • Casa da Calçada, Largo do Paço, 6, (+351) 255 410 830 (, fax: (+351) 255 426 670), [12]. Um hotel de charme requintado na margem sul do rio Tâmega, no centro da cidade e óptimas vistas do rio. Um hotel tranquilo com grande jardins. Tem piscina e restaurante.  editar
  • Casa da Levada, Travanca do Monte, 255433833 (), [13]. Um bom hotel para quem quiser passar umas férias calmas longe da cidade, com belos jardins de camélias e roseirais, perto da Casa de Mateus, nos arredores de Vila Real, e do Parque Natural do Alvão.  editar
  • Hotel Navarras, Rua António Carneiro, +351 255 431 036 (, fax: +351 255 432 991), [14]. Situado a apenas alguns minutos de caminhada do centro, na margem sul, o Hotel Navarras oferece 58 quartos, para além de uma agradável sala de estar com bar, bem como salas de banquetes e conferências.  editar
  • Parque de Campismo Penedo da Rainha, Rua Pedro Alveollos Gatão, 255437630 (fax: 255437353). Rodeado por uma floresta, o Parque de Campismo de Penedo da Rainha é um local de grande beleza natural. Situa-se a 1km de Amarante, nas margens do rio Tâmega. Não são permitidos animais. Tem bar bar, duches quentes, lava pés, lava roupa, lava-louça, lavatórios com água quente, posto de primeiros socorros, telefone público, tomadas, e mais.  editar
  • Casa da Juventude de Amarante, Avenida General Silveira, 193, 4600-017 Amarante, (+351)255420234 (). Tem 6 camaratas (4 camas cada) a 12€/pessoa com pequeno almoço incluído e 3 quartos duplos com wc (2 camas cada) a 16€/pessoa com pequeno almoço incluído  editar

Partir[editar]

Avenida dos Aliados, Porto.
Palácio de Mateus, nos arredores de Vila Real.
  • Porto - Situada nas margens do rio Douro, banhada pelo Oceano Atlântico, a segunda maior cidade do país tem um pouco de tudo: estreitas ruelas medievais, extravagantes igrejas barrocas, pequenas e acolhedoras praças, e avenidas largas com edifícios clássicos. É um dos maiores destinos portugueses, e um Património Mundial da UNESCO.
  • Penafiel - Uma cidade muito antiga, Penafiel fica no coração da região do granito e do vinho verde, e recebe muitos visitantes nas Festas do Corpo de Deus, a festividade mais característica da cidade. Penafiel é uma cidade cheia de belezas, mas os seus arredores também são dignos de visita, com monumentos como o Mosteiro de São Salvador de Paço de Sousa e as Igrejas de São Miguel de Eja e de São Salvador da Gandra.
  • Vila Real - Situada nas margens do rio Corgo, no coração de uma região montanhosa, a principal atracção de Vila Real (como na maior parte das cidades desta região do país) é a natureza e o património. O centro de Vila Real é muito bonito, mas o verdadeiro ex-libris da cidade está fora desta: o espectacular Palácio de Mateus.
  • Chaves - Chaves, no coração de Trás-os-Montes, é uma das cidades mais monumentais do país, muito visitada pelo património, muito dele com mais de 300 anos, e pelas termas, famosas desde os templos romanos, quando era conhecida como Aquae Flaviae. A pouca distância de Espanha, também está rodeada de monumentos grandiosos, como os Mosteiros de Pitões das Júnias e de Refojos de Basto.
  • Serra do Marão - Entalada entre os distritos do Porto e Vila Real, a Serra do Marão é uma majestosa serra, que separa as bacias hidrográficas dos rios Tâmega e Corgo. Tendo Amarante no seu centro, pertence ao Maciço Antigo, tendo uma extensão de 20Km.
  • Alto Douro Vinhateiro - É a mais antiga região demarcada do mundo, e também um Património Mundial UNESCO. Aqui se produz um dos mais famosos vinhos do mundo, o vinho do porto, em socalcos à beira-rio, o cartão de visitas da área, com várias quintas de vinho e miradouros abertos ao turismo.
  • Quinta Pedagógica do Seixo, Seixo, Amarante, 255 734 089 (), [15]. Terça a Sexta, das 10h00 às 17h30 / Sábado, Domingo e Feriados das 10h00 às 17h30. Integrada numa quinta do século XVII, oferece diversas actividades pedagógicas numa magnífica paisagem. Está especialmente direccionado para as crianças, com objectivo de incutir uma maior consciência ecológica e aumentar os seus conhecimentos da vida animal e vegetal. A entrada tem que ser marcada e custa 3,5 €.  editar



Rotas por Amarante
PortoPenafiel  O noframe E  Vila Real (em construção)Miranda do Douro (em construção)
BragaGuimarães  O noframe E  Vila Real



Este artigo é um guia. Ele tem muita informação, incluindo listas de hotéis, restaurantes, atracções e informação sobre chegada e partida. Mergulhe fundo e ajude-o a crescer!


Este artigo contém conteúdo do artigo Amarante , da Wikipedia. Veja o histórico dessa página para a lista de autores.

Variantes

Ações

Docentes do destino

Noutras línguas

outros sites