Contribua para um artigo e ajude o wikitravel a crescer! Aprenda como.

Lalibela

Da Wikitravel
Ir para: navegação, pesquisa
Igreja escavada na rocha de Bete Giyorgis.

Lalibela é uma cidade e centro de peregrinação na Etiópia. É famosa pelas suas 11 igrejas escavadas na rocha, declaradas Patrimônio da Humanidade.

Chegar[editar]

De avião[editar]

Lalibela tem um aeroporto (ICAO: HALL, IATA: HLL) com voos pelo menos uma vez por dia operados pela Ethiopian Air. Muitas vezes são vendidos mais bilhetes que lugares: assegure-se que confirma o seu lugar com um dia de antecedência e apareça no aeroporto a tempo! Os voos podem também ser adiados ou cancelados à última da hora por causa do tempo ou por questões técnicas. O aeroporto tem tamanho médio. Para uma cidade com Lalibela, o aeroporto parece grande demais. Precisa de pelo menos 30 minutos em mini-autocarros (40 birrs por pessoa em 2008) para chegar ao centro da cidade.

De autocarro[editar]

Existe um autocarro todos os dias desde Adis Abeba. É uma viagem de dois dias com uma paragem de uma noite em Dessie. O autocarro passa por Woldia e leva passageiros desse terminal de autocarros se tiver espaço. Outro autocarro vai de Woldia a Lalibela, saindo de madrugada. Tanto os autocarros de Woldia como o de Adis Abeba saem às 6h00.

Normalmente é possível ir de/para Bahrir Dar de autocarro num dia, mudando de autocarros na aldeia de Gashena, a aproximadamente duas horas de Lalibela. Se estiver a viajar para ou de Gondar de autocarro, vai ter que passar a noite nalgum sítio.

De carro[editar]

A viagem desde Gondar demora cerca de 13 horas numa estrada muito má e poeirenta. A estrada está a ser melhorada, por chineses, mas actualmente (Abril 2008) NÃO há uma estrada alcatroada para Lalibela. O único pedaço de estrada alcatroada na cidade vai do aeroporto à cidade.

Circule[editar]

A cidade não é muito grande; andar é uma boa maneira de circular, e segura (embora as pessoas possam olhar para você estranhamente ou com diversão). Algumas crianças podem tentar meter conversam ou mesmo pedir dinheiro. A cidade é um pouco montanhosa, mas não deve ter dificuldades em caminhar. Ir às igrejas, no entanto, requer alguma destreza. Os degraus podem ser íngremes e tortos. Pode contratar um guia (ver secção Veja) para o conduzir pela cidade e mostrar as vistas.

Se a ideia não lhe agradar, pode usar um dos mini-autocarros que circulam na cidade. Normalmente pode encontrá-los à porta do aeroporto. Existem também algumas carruagens. Conduzir em Lalibela é um pesadelo - nem pense nisso. Tem poucos veículos motorizados, nenhuma bomba de gasolina e apenas uma rua pavimentada - do aeroporto ao centro da cidade. Não existe transporte público na cidade.

Veja[editar]

Bete Medhane Alem

Pode arranjar um guia licenciado no posto de turismo de Lalibela por 150 birr/dia. Estes guias estão bem treinados e tem um excelente conhecimento das igrejas, bem como boas relações com os sacerdotes. Guias não-licenciados irão abordá-lo um pouco por toda a aldeia, mas estes sabem pouco das igrejas e devem ser evitados.

Igrejas[editar]

Interior de Bete Maryam.

Esta pequena aldeia é conhecida em todo o mundo pelas suas igrejas monolíticas, construídas no reinado de Lalibela, consideradas Património Mundial. Ao contrário de certos mitos, as igrejas de Lalibela não foram construídas com a ajuda dos Templários; foram construídas apenas pela civilização medieval etíope. No entanto, existe alguma controvérsia quanto a como foram construídas igrejas. Alguns académicos acreditam que as igrejas foram construídas antes de Lalibela e que Lalibela só lhes deu o seu nome.

As igrejas estão abertas das 9h00 às 13h00 horas, e depois das 14h00 às 17h00 horas. Tem que tirar os sapatos ao entrar na igreja - é desrespeitoso entrar calçado. Existem 12 igrejas e uma capela agrupadas em três grupos, excepto uma que se encontra mais distante do resto:

  • Igreja de Yimrehane Kristos - Possivelmente do século XI, construída à moda aksumita a 45 km da cidade. É uma igreja monolítica numa caverna natural e é internamente e externamente decorada com esculturas de madeira e pinturas no seu tecto. Existe um edifício separado situado em frente do edifício principal da igreja, que se acredita ser o palácio do rei Yimrehane Kristos.

Grupo norte[editar]

Um dos santos em tamanho real - Bete Golgotha.
Bete Emanuel.
  • Bete Medhane Alem - Considerada a maior igreja monolítica do mundo, aqui se guarda a Cruz de Lalibela e é provavelmente uma cópia de Santa Maria de Sião em Aksum. Está ligada a Bete Maryam, Bete Golgotha, a Capela de Selassie e o Túmulo de Adão.
  • Bete Maryam - Possivelmente a mais antiga de todas, de planta quadrangular. Dentro pode encontrar um pilar de pedra no qual o Rei Lalibela escreveu os segredos da construção dos edifícios. Está coberta com panos e só sacerdotes podem olhar para ele.
  • Bete Golgotha - Bete Golgotha é conhecida pela arte, que inclui gravuras de santos em tamanho real nas paredes. Contém também o túmulo do Rei Lalibela, em cima do qual está uma arca.
  • Capela de Selassie - Este é o local mais santo de Lalibela. Uma cortina que cobre dois terços da parede permite que tenha um vislumbre do interior da capela. As nervuras que decoram o tecto, com a forma de uma cruz, podem ser visíveis. Este local santo raramente está aberto; mesmo os sacerdotes raramente entram e só a poucos visitantes foi permitida a entrada.
  • Bete Debre Sina (Mika'el) - Bet Debre Sina está numa orientação este-oeste e tem um presbitério elevado. O Santo dos Santos fica a este. Por isso, pode-se assumir que se trata de uma igreja independente, apesar de estar ligada a Bet Golgotha. No lado norte existe uma porta que o leva a Bet Golgotha.
  • Bete Meskel - Bete Meskel é uma igreja semi-monolítica decorada com dez arcos na fachada da frente, e com a cruz processional, que misteriosamente simboliza as diferentes formas de janelas que podem ser vistas em outras igrejas.
  • Bete Danaghel - Situada a sul de Bete Maryam fica a pequena capela de Bete Danaghel (8,6 m. de comprimento e 3,6 m. de altura). Esta minúscula capela está ligada a uma das mais fascinantes lendas de Lalibela. Os sacerdotes dir-lhe-ão que a capela foi construída em honra dos martirizados por Juliano. O dia memorial dos mártires é o 10º de Hedar (Novembro) no calendário etíope.

Grupo Oeste[editar]

  • Bete Giyorgis - Dedicada ao santo nacional da Etiópia, está isolada do resto das igrejas. Situada num profundo fosso, só pode ser acedida através de um túnel cuja entrada se encontra a alguma distância. A igreja é descrita como "a mais elegante" e "refinada", na sua arquitectura e construção. A forma da sua planta é a de uma cruz, com a principal entrada a oeste e o santo dos santos a oeste.

Grupo Este[editar]

Túmulo de Adão.
  • Bete Emanuel - Os historiadores de arte consideram Bet Emanuel a mais bonita e impressionante igreja. É a única igreja verdadeiramente monolítica deste grupo, esculpida de um bloco 18 x 12 x 12 m. A igreja é um exemplo quase clássico do estilo aksumita, apesar de a planta da igreja sigam o padrão de uma verdadeira basílica, com uma orientação adequada.
  • Bete Mercurios - Possivelmente uma antiga prisão, não seguindo nem a planta nem a orientação convencional. O interior parece não ter decoração nenhuma, apesar de ter um belo mural representando seis reis ou santos em vestuário real, com magníficas cruzes nas mãos. Belas pinturas adornavam outrora o edifício, mas para fins de preservação estas foram movidas para o Museu Nacional de Adis Abeba.
  • Bete Abba Libanos - Diz-se que a mulher de Lalibela, Maskal Kebra, com a ajuda dos anjos, criou esta igreja numa noite. É dedicada a um dos mais famosos santos monásticos da Igreja Ortodoxa Etíope, Abba Libanos.
  • Bete Gabriel-Rufa'el, possivelmente um antigo palácio real. A parte mais impressionante desta igreja é a sua fachada monumental. Dentro da igreja pode ver uma cisterna subterrânea e um corredor cheio de pilares, onde a água desce ou sobe, conforme se está na estação das chuvas ou na estação seca.

Outros[editar]

  • Túmulo de Adão - Impressionante na sua simplicidade, trata-se de um enorme bloco rectangular de pedra que se ergue num profundo fosso em frente à face oeste de Bete Golgotha. O bloco é oco, servindo o rés-de-chão como entrada oeste para o Grupo Norte de igrejas. A única decoração deste "túmulo" é uma cruz. A grande abertura na parede este dá luz ao edifício e tem a forma de uma cruz pátea.
  • Mosteiro de Asheton Maryam - A cerca de duas horas de caminhada subindo a montanha fica o Mosteiro de Asheton Maryam. É frequentemente visitada por turistas porque é uma agradável viagem de um dia. A igreja foi escavada da falésia. Dentro da capela do mosteiro pode ver algumas cruzes e manuscritos. A entrada custa 50 Birr, e portanto os monges mostram-lhe o mosteiro e deixam-o ver os seus tesouros.
  • Arogi Bethlehem - Perto de Bet Gabriel-Rafael você encontra um túnel em cujo fim fica Arogi Bethlehem, uma padaria construída para fazer o pão sagrado. Infelizmente, a padaria já não está em uso, mas o edifício está razoavelmente bem conservado, e a sua forma circular é facilmente reconhecível.

Faça[editar]

  • Pague a um guia para lhe mostras as vistas. Vê tudo de um prisma completamente diferente.
  • Dê um passeio pela parte histórica de Lalibela, incluindo as antigas igrejas e as cabanas tradicionais da Etiópia, de forma cónica e com telhado de palha, chamadas tukuls. Entre os grupos norte e este passa o Rio Jordão, e perto pode ver muitas destas cabanas tradicionais.
  • O Festival de Timket, em Janeiro, é a melhor altura para visitar a cidade. Este colorido festival de três dias celebrando o baptismo de Cristo gira em torno das igrejas de Lalibela.

Compre[editar]

Bete Gabriel Rufa'el.
  • Galeria de Belas Artes, a sul da zona das igrejas. - Uma loja que se destaca de entre as muitas lojas de lembranças da cidade. Dentro pode encontrar belas pinturas em aguarela e em sépia criadas por Tegegne Yirdaw, uma artista local que conta entre os seus admiradores a Princesa Anne.
  • Mercado de Sábado - Um enorme e interessante mercado com pessoas a andar em todas as direcções. Aqui pode encontrar cereais, cevada, sal da fronteira com a Eritreia, animais, roupas. A roupa de cores vivas incluia xailes, lenços, vestidos para ocasiões festivas. Pode não haver muito que queira comprar (tirando, talvez, as roupas e os tecidos), mas vá na mesma; dá-lhe uma perspectiva diferente da vida dos locais.
  • Supermercado Ethio - Nunca fecha e está bem abastecido. Bom para comprar coisas do dia-a-dia.

Lembranças[editar]

Não é muito difícil encontrar lojas de lembranças e presentes em Lalibela, estão espalhadas por toda a cidade. Algumas lojas tem coisas bastante interessantes, como cruzes antigas, bíblias antigas (possivelmente escritas em Ge'ez, a antiga linguagem da Etiópia; o que quer dizer que tem por volta de 100 anos!). Mas ao comprar coisas antigas, tenha cuidado; é ilegal levar antiguidades para fora da Etiópia sem antes obter uma autorização do Museu Nacional de Adis Abeba. A maior parte das cruzes e bíblias à venda provavelmente não são antiguidades, por isso não tem que se preocupar. Mas tudo o que tenha mais de cem anos, seja moedas, cruzes ou bíblias requerem uma autorização para exportar.

Existem várias lojas de lembranças no aeroporto. Algumas são geridas por pessoas simpáticas e prestáveis (outras nem por isso) e tem preços razoáveis, que podem ser regateados. Podem não ser os preços mais baixos, mas tem uma boa selecção de lembranças e alguns bons postais.

Coma[editar]

  • Restaurante do Blue Lal Hotel. O dono do hotel costumava viver em França, por isso todos os pratos de comida francesa são bons, especialmente o quiche Lorraine e os crepes com mel; mas traga muito apetite, as doses não são propriamente pequenas.  editar
  • Dirb Tezara. Pratos etíopes. Popular entre os empresários locais.  editar
  • Restaurante da Jerusalem Guest House. O restaurante deste hotel serve comida etíope decente e comida faranji, como strogonoff de bife e frango de caril.  editar
  • John Cafeteria & Lalibela Restaurant. Estes restaurantes vizinhos partilham a cozinha e o menu. Cerca de 10 Birr chega para comprar um pequeno-almoço completo com omelete, torrada, mel local e um macchiato fumegante.  editar
  • Megabi Cafeteria. Restaurante com um ambiente agradável e um tibs decente.  editar
  • Restaurante do Megenagna Hotel. Os locais dizem que serve a melhor fast food da cidade.  editar
  • Restaurante do Roha Hotel. Com a sua decoração, muita dela pendurada do tecto, poder-se-ia pensar que é o melhor restaurante de Lalibela. Infelizmente, a comida deixa muito a desejar.  editar
  • Restaurante do Seven Olives Hotel. Coma dentro do redondo e modernizado tukul ou jante ao ar livre no terraço. O cozinheiro etíope tem alguma experiência na cozinha americana, por isso pode provar alguma coisa que não a comida tradicional etíope.  editar
  • Unique Restaurant. Situado em frente do Asheton Hotel, este escuro e subestimado restaurando, servindo comida etíope barata e saborosa, tem muita aceitação entre os turistas.  editar

Beber e sair[editar]

Bet Giyorgis.
  • Askalech Tej House (também conhecido por Torpedo). A Askalech Tej House serve tej (vinho de mel), forte ou não. Normalmente há música tradicional depois das 19h00. Birr 5 por uma caneca de cerveja..  editar
  • Bar sem nome, (Em frente do Askalech Tej House). Em frente da Askalech Tej House está um bar frequentado por locais. Cerveja barata e música até à meia-noite; fica aberto até perto da madrugada.  editar
  • Yeafra Bar, (A meio da colina, perto da entrada das igrejas.). Servem álcool (não há tej) e oferecem uma cerimónia do café. Se nunca viu uma cerimónia do café, vale a pena vir.  editar

Durma[editar]

É frequente todos os hotéis estarem esgotados durante o Festival de Timket (Janeiro; veja Faça) e durante o Natal, por isso é melhor fazer reservas com seis meses de antecedência pelo menos. No entanto, os preços dos quartos durante esta altura aumentam muito. Se chegar durante um festival sem reservas, arrisca-se a não ter onde dormir. No entanto, se tiverem espaço, acaba por pagar menos do que se fizesse uma reserva.

  • Alif Paradise hotel, (A sul das igrejas), +251 333 360023. Uma opção se todos os outros estiverem esgotados.  editar
  • Asheton Hotel, Centro da Cidade, +251 333 360030. Os seus quartos, com arte local e roupa de cama bordada, tem mais carácter que qualquer outra opção económica. No entanto, está a começar a ficar velho. Os chuveiros tem água quente, o serviço é agradável e pode sempre regatear os preços. Os quartos individuais não são tão agradáveis.  editar
  • Lal Hotel, Centro da Cidade, 251 33 336 00 08 (), [1]. Situado no centro da cidade, a pouca distância das igrejas, tem 105 bem mobilados quartos, restaurante, bar, loja, piscina, etc.  editar
  • Heaven Guest House, A sul das igrejas. Tectos de madeira e chão de linóleo, camas robustas mas confortáveis e com criativas cabeceiras. As casas de banho são asseadas e tem água quente. Muito limpo e empregados amigáveis.  editar
  • Helen Hotel, A sul das igrejas, +251 333 360053. Uma opção se todos os outros estão esgotados.  editar
  • Jerusalem Guest House, +251 333 360047. Estes grandes, e um pouco vazios, quartos tem uma grande vantagem: todos tem uma varanda privada com vistas magníficas da cidade e dos montes; maravilhoso ao pôr-do-sol.  editar
  • Blue Lal Hotel, Centro da Cidade, +251 333 360380. Embora sejam extremamente austeros, os quartos são limpos, tem luz e os chuveiros tem água quente. Alguns tem varanda.  editar
  • Lalibela Hotel, A sul das igrejas, +251 333 360036. Um hotel com preços razoáveis, bom para solteiros, com quartos fresco e limpos. Surpreendentemente para hotéis com este preço, é bem iluminado.  editar
  • Mini Roha Hotel (Também conhecido como Private Roha), +251 333 360394. Disposto em volta de um pátio, os quartos são razoavelmente limpos, mas não tem janelas de vidro. Estranhamente, a casa de banho tem a melhor vista!  editar
  • Roha Hotel, +251 333 360009 (, fax: 251-1-51 02 78), [2]. Embora os confortáveis e acolhedores quartos sejam semelhantes a outros hotéis da cadeia (O Tana em Bahrir Dar, o Goha em Gondar e o Yeha em Aksum), o hall de entrada, restaurante e bar são mais bonitos arquitecturalmente. Os quartos 220 a 229 tem vistas do pôr-do-sol.  editar
  • Seven Olives Hotel, Centro da Cidade, +251 333 360020 (), [3]. Deste que foi privatizado, a qualidade aumentou e os preços desceram. Os quartos são grandes, embora as casas-de-banho sejam um pouco velhos, mas as camas são novas e casa-de-banho tem água quente. Os quartos 10 a 16 tem as melhores vistas.  editar
  • Tukul Village, A sul das igrejas, +251 333 360564 (). Este hotel tem vários tukuls vermelhos de dois andares, alguns dos quais com vistas para Bet Giyorgis desde as suas varandas. Também aluga tendas de qualidade por US$3/dia (US$5 se as levar para fora de Lalibela).  editar

Partir[editar]

Simien.
  • Gondar (a cerca de cinco horas e 20 minutos de Lalibela) - Gondar foi a última capital do império da Etiópia. Estabelecida pelo imperador Sertse Dingil em 1580, A cidade de Gondar é hoje uma das maiores atrações turísticas, com muitas ruínas e castelos da era imperial. Gondar é também um notável centro de ensino eclesiástico na Igreja Ortodoxa Etíope.
  • Aksum (a cerca de cinco horas e 50 minutos de Lalibela) - Antiga capital do país, situa-se perto da fronteira norte e é famosa pelas suas estelas e ruínas de vários palácios. É também um importante destino de peregrinação - supostamente está aqui guardada a Arca da Aliança, roubada de Jerusalém por vontade de Deus.
  • Parque Nacional de Simien (a cerca de seis horas e 50 minutos de Lalibela) - Foi um dos primeiros sítios a ser adicionado à lista de Patrimônio da Humanidade (em 1978), juntamente com Lalibela. É muito bonito, com as montanhas mais altas do país: as montanhas de Simien, cujo pico mais alto é o Ras Dashen, com 4553 metros.




Este artigo é um guia. Ele tem muita informação, incluindo listas de hotéis, restaurantes, atracções e informação sobre chegada e partida. Mergulhe fundo e ajude-o a crescer!

Variantes

Ações

Docentes do destino

Noutras línguas