Contribua para um artigo e ajude o wikitravel a crescer! Aprenda como.

Gana

Da Wikitravel
Ir para: navegação, pesquisa
Forte de Ada
Localização
noframe
Bandeira
Gh-flag.png
Informações Básicas
Capital Acra
Governo Democracia Constitucional
Moeda Cedi (GHC)
Área 239 460 km2
População 22 409 572 (est. 2006)
Idioma Inglês (oficial), linguagens africanas (incluindo Akan, Moshi-Dagomba, Ewe, e Ga)
Religião Crenças indígenas 21%, muçulmanos 16%, cristãos 63%, pequena população de judeus (cerca de 800 [est.])
Eletricidade 240V/50Hz
Código telefônico +233
Internet TLD .gh
Fuso horário UTC

O Gana [1] é um país da África Ocidental. Faz fronteira com a Costa do Marfim a este, o Burkina Fasso a norte e o Togo a oeste.

Entenda[editar]

O Gana é um país muito simpático, com pessoas muito prestáveis e acolhedoras, e ideal se for a primeira vez que visita África. Embora a atitude (muito) relaxada e falta de viagens turísticas organizadas possa irritá-lo no princípio, não vai demorar muito até perceber que é uma das melhores características deste país.

O turismo no Gana está a crescer muito rapidamente, e cada vez mais operadoras turísticas recebem pedidos de viagens para o Gana. O Gana é também muito rico em ouro. É um país estável com grande potencial para crescimento.

História[editar]

A história do Gana antes do último quarto do século XV deriva basicamente da tradição oral, que se refere às migrações dos reinos antigos de Sahel — actualmente a Mauritânia e Mali.

O primeiro contacto do Gana com os europeus data do ano de 1470, quando um grupo de portugueses desembarcou e começou a negociar com o Rei de "Elmina". Em 1482, os portugueses construíram o Castelo de São Jorge da Mina, que se tornou uma importante feitoria permanente. De 1557 a 1578, os portugueses dominaram até Acra. Durante os seguintes 3 séculos, os ingleses, portugueses, suecos, dinamarqueses, holandeses e alemães controlaram várias partes da costa do Gana, naquele tempo chamada "Costa do Ouro". Os portugueses perderam grande parte da área que controlavam (incorporada na Costa do Ouro Portuguesa) em 1642, sendo tomada aos holandeses. No início do século XIX, os ingleses conseguiram dominar toda a Costa do Ouro, tornando-a numa colónia, afastando todos os concorrentes europeus e derrotando os reinos nativos (localizados no interior do país).

Em 1957, o Gana conquistou a sua independência com o lema: "é melhor ser independente para governar sozinho, bem ou mal, do que ser governados pelos outros". O país mudou o nome para Gana, devido ao facto de os actuais habitantes terem supostamente descendido de emigrantes vindos do Império do Gana. Um dos aspectos mais interessantes da história do Gana é o regresso de libertos afro-brasileiros, formando uma comunidade chamada Tabom, que inicialmente se estabeleceu na capital Acra, no bairro de Jamestown.

Feriados públicos[editar]

Data Nome
1 de Janeiro
Ano Novo
6 de Março
Dia da Independência
Março ou Abril
Sexta-feira Santa
Segunda-feira de Páscoa
1 de Maio
Dia do Trabalhador
25 de Maio
Dia de África
1 de Julho
Dia da República
21 de Setembro
Dia do Fundador
1ª Sexta-feira de Dezembro
Dia do Agricultor
25 de Dezembro
Dia de Natal
26 de Dezembro
Boxing Day
Data variável
(Islâmicos)
Eid ul Fitr (Fim do Ramadão)
Eid al-Adha (Festa do Sacrifício)

Cultura[editar]

O kente.

Talvez a mais visível contribuição cultural do Gana atualmente seja o tecido conhecido como kente, que é amplamente reconhecido pelas suas cores e simbolismo. O kente é feito por habilidosos tecelões ganenses, e os principais centros de tecelagem situam-se em volta da cidade de Kumasi (Bonwire é conhecida como a terra do kente, apesar de algumas áreas da região do rio Volta também reclamarem o título).

Lá encontram-se vários tecelões, que produzem longas peças de kente. Estas peças podem ser costuradas juntas para formarem os grandes turbantes que são usados por alguns ganenses (especialmente chefes) e são comprados por turistas em Acra e Kumasi.

Após a independência, a música de Gana floresceu, particularmente um estilo dançante chamado high life, que é muito tocado nos bares e clubes do país. Muitos ganenses são adeptos da percussão, e não é incomum escutarem-se tambores em eventos sociais.

Geografia[editar]

Mapa do Gana.

O Gana situa-se no golfo da Guiné, na África ocidental, alguns graus apenas a norte do Equador. Metade do país fica a menos de 152 metros acima do nível do mar, e o seu ponto mais elevado tem apenas 883 m. Os 537 quilómetros de costa são compostos principalmente por litorais baixos e arenosos, atrás dos quais se estendem planícies cobertas por vegetação de pequeno porte, intersectada por vários rios e ribeiros, a maioria dos quais só é navegável em canoas. A norte, perto da fronteira com a Costa do Marfim, estende-se uma faixa de floresta tropical úmida interrompida por colinas densamente florestadas e muitos rios e ribeiros. Esta área, conhecida como Ashanti, produz muito do cacau, minerais e madeira do país. A norte desta faixa, a altitude varia entre 91 e 396 metros acima do nível do mar e o território está coberto por arbustos baixos, savana e planícies cobertas de erva.

Clima[editar]

O clima é tropical. A faixa costeira oriental é morna e comparativamente seca; o canto sudoeste é quente e húmido; o norte é quente e seco. Existem duas estações das chuvas no sul: Maio-Junho e Agosto-Setembro; no norte, as estações das chuvas tendem a fundir-se. Um vento quente de nordeste, o harmadão, sopra em Janeiro e Fevereiro. A precipitação média anual na zona costeira é de cerca de 83 centímetros.

Regiões[editar]

Planícies Costeiras (Acra, Apam, Cape Coast, Elmina, Parque Nacional de Kakum, Nzulezo, Sekondi-Takoradi, Ada)
A região costeira do país, incluindo a capital, vários fortes e as florestas tropicais melhor preservadas do país.
Ashanti-Kwahu (Koforidua, Kumasi, Obuasi, Sunyani)
Colinas florestadas e o antigo Reino Ashanti.
Bacia do Volta (Tamale)
O enorme Lago Volta, bem como o sistema de rios que o alimenta e a fronteira com o Togo.
Planícies Setentrionais (Bolgatanga, Parque Nacional de Mole)
Planícies de savana e as rotas comerciais tradicionais para o Burkina Faso.








Cidades[editar]

Arco da Independência, Acra.

Outros destinos[editar]

Parque Nacional de Kakum.
  • Sognaayilli - umas férias com os locais numa aldeia tradicional do norte do Gana.
  • Parque Nacional de Kakum - Uma floresta tropical, com uma ponte de rede para ver macacos raros, bem como antílopes e elefantes-da-floresta.
  • Parque Nacional de Mole - Um parque de savana, conhecido pela vida selvagem, incluindo búfalos, macacos, antílopes, leões e elefantes. Os safaris a pé e de carro são populares, pode mesmo acampar e dormir uma noite na savana.
  • Nzulezo - Uma aldeia com edifícios construídos sobre a água.
  • Paga — uma cidade no norte, onde vivem os "crocodilos sagrados", que são domesticados e vivem em várias lagoas.
  • Reserva de Shai Hills — uma boa mini-viagem desde Acra, com babuínos, papagaios e antílopes; pode visitar a reserva a cavalo.

Chegar[editar]

É boa ideia arranjar um visto com antecedência. O site do Turismo do Gana tem uma lista confiável das embaixadas no estrangeiro ([2]). Um visto individual de três meses custa 50 dólares (cerca de 37€ ou 83 R$); um visto de um ano, de múltipla entrada, custa 80 dólares (cerca de 60€ ou 135 R$). Deve apresentar um certificado de vacinação contra a febre amarela, que será apresentado na alfândega ao entrar no país. A vacina da malária é, obviamente, essencial.

Cidadãos do Egipto, Quénia, Hong Kong, Singapura, Maurícias ou Zimbábue não precisam de visto para entrar no Gana. Cidadãos do Maláui, Botsuana, Lesoto, Suazilândia, Tanzânia, Uganda e Zâmbia podem conseguir um visto no aeroporto ou na fronteira.

Viajantes que queiram ficar mais tempo que o visto permite (geralmente é cedido um máximo de 30 ou 60 dias a turistas) devem trazer o seu passaporte ao Serviço de Imigração para pedir uma extensão do visto - vai demorar algum tempo até o ter de volta. Embora frequentemente digam que demora apenas duas semanas, pode demorar muito mais tempo. Seja cuidadoso quanto ao que é carimbado no seu passaporte. Por vezes o Serviço de Imigração põe um carimbo de 60 dias num visto de 3 meses - e o que conta são os carimbos.

De avião[editar]

Aeroporto Internacional de Kotoka.

Todos os voos internacionais passam pelo Aeroporto Internacional de Kotoka em Acra (IATA: ACC; ICAO: DGAA) [3]. O Aeroporto Internacional de Kotoka é muito central e existem sempre shuttles e táxis para o ligar a outras partes da cidade.

A United Airlines [4] começou a voar para Acra desde Washington, D.C. - Dulles em Junho de 2010. A Delta Air Lines [5] realiza voos de Acra a Nova Iorque (JFK) e Atlanta, com quatro voos por semana. A British Airways [6] voa desde Londres - Heathrow, e a Astraeus [7] voa desde Londres - Gatwick. A Royal Dutch Airlines (KLM) [8] voa diariamente desde Schiphol, Amesterdão. A Lufthansa [9] e a Alitalia [10] mantém voos directos diários desde Frankfurt e Roma, respectivamente, com uma curta paragem em Lagos, Nigéria. A Emirates [11] faz voos directos e sem paragens desde o Dubai, no Médio Oriente (com ligações para a Ásia e o Extremo Oriente). A Ethiopian Airlines [12] realiza quatro voos por semana, desde Adis Abeba. A Egypt Air [13] também realiza voos directos para Acra. A South African Airways [14] voa quatro vezes por semana desde Joanesburgo. Se vier desde o Brasil ou de um país vizinho, o voos desde Rio de Janeiro e São Paulo a Lomé, Togo, da Ethiopian Airlines [15] é a opção mais curta. Desde Lomé, pode fazer um voo directo para Acra. A Turkish Airlines [16] voa desde Istanbul até Acra, com quatro voos por semana, todos fazendo escala em Lagos.

Os voos mais baratos para o Gana, vindo de fora de África, são normalmente os vindos de Londres, mais isso não quer dizer que a British Airways seja a opção mais barata (por exemplo, pode ser necessário fazer uma mudança de voo). A Afriqiyah Airways [17] é uma das companhias mais baratas, com voos para Acra desde Londres - Gatwick com paragem em Tripoli. Os que vem da América do Norte podem conseguir poupar algum dinheiro arranjando um bilhete barato para Londres desde o seu país.

De carro[editar]

Pode entrar no país desde o Burkina Faso pela esquina noroeste do Gana, atravessando a fronteira entre Tumu e Léo ou entre Hamale ou Lawra e Bobo-Dioulasso. A maneira mais fácil de chegar a Tumu é desde Bolgatanga, a Hamale desde Bolgatanga ou Wa, a Lawra desde Wa.

A fronteira com o Togo em Aflao é uma cena divertida. Tem um aspecto muito desorganizado e o tráfico de pessoas parece fluir livremente. No entanto, é improvável que alguém de pele branca consiga atravessar sem passar por todas as formalidades. O processo de preencher formulários e verificar os vistos pode demorar um bom bocado. Os saldados do lado do Togo vão provavelmente pedir um suborno, mas este não é necessário se tiver os documentos em ordem. Os funcionários do lado do Gana são muito mais difíceis de subornar. Um visto para entrar no Gana pode ser comprado na fronteira, mas custando o dobro do normal (por causa da rapidez da entrega): ₵110.

Pode também atravessar a fronteira para a Costa do Marfim entre Bole e Bouna, embora isto envolva uma viagem fretada de canoa através do Rio Volta Preto. É mais rápido atravessar nesta fronteira do que na do Togo, mas os funcionários cumprem as regras à risca.

De autocarro/ônibus e táxis partilhados[editar]

A companhia de autocarros nacional, a State Transport Corporation, opera um serviço de autocarro inter-cidades do Gana a algumas cidades importantes da África Ocidental. Uma recente parceria público-privada criou a Metro Mass Company, que tem serviços desde Acra e outras regiões do Gana.

Desde o Burkina Faso[editar]

Existe um autocarro directo operado pela VanefSTC, desde Ouagadougou até Acra (29 US$/21€, 24 horas) todos os dias de Segunda a Sábado e um desde Kumasi (21 US$/15€, 20 horas) todas as quartas à noite; a maior parte das pessoas faz a viagem por partes. Desde Bolgatanga, existem tro-tros (táxis partilhados) até a fronteira em Paga (US$1,10/0,80€, 40 minutos), desde onde pode conseguir transporte para e Ouagadougou.

Desde o Costa do Marfim[editar]

Entre Acra e Abidjan existe um serviço de autocarros da Vanef STC (US$12/8,8€, 12 horas), passando por Elubo, todos os dias de Segunda a Sexta, saindo de madrugada. O Ecowas Express, operado pela STIF [18], uma companhia da Costa do Marfim, faz três viagens por semana entre Acra e Abidjan. Desde Takoradi, táxis partilhados fazem a viagem até Abidjan.

Desde o Togo[editar]

A estrada costeira entre Acra e Aflao está cheia de tro-tros e autocarros (todos por cerca de US$3,30/2,40€, 3 horas). Os autocarros da VanefSTC saem da pequena estação de autocarros de Tudu em Acra (US$5/3,60€, quatro vezes por dia). O posto de fronteira em Aflao está aberto desde as 6h00 às 22h00 todos os dias, mas não passe a fronteira entre as 9h00 e as 17h00 se precisar de arranjar um visto togolês na fronteira. O transporte público ganês não atravessa a fronteira, que fica a apenas 2km da capital Lomé.

Desde outros países[editar]

A ABC Transport [19], baseada na Nigéria, opera um serviço diário de autocarro (com ar-condicionado) até Lagos por cerca de GH₵45.

De comboio/trem[editar]

Não existem linhas de comboio internacionais.

Circular[editar]

De avião[editar]

Existem 10 aeroportos públicos no Gana: os de Kotoka (Acra), Kumasi, Nantong, Navrongo, Sunyani, Palibelo, Takoradi, Tamale, Wa e Yendi.

Existem duas companhias aéreas domésticas no Gana: a Antrak Air (21-765337; Antrak House, Danquah Circle, Osu; Kumasi 51-41296; Tamale 71-91075; [20]) e a City Link (312001; [21]). Ambas tem voos duas vezes por dia entre Acra e Kumasi (US$60-US$80/44€-59€, 45 minutos), e a Antrak tem voos entre Acra e Tamale às Quartas, Sextas e Sábados (US$144/105€, Hora e meia).

De barco[editar]

Um barco de passageiros, o Yapei Queen, faz viagens no Lago Volta, entre Akosombo e Yeji, com uma paragem na cidadezinha de Kete-Krachi e em algumas aldeias ao longo do caminho. Em teoria, deixa o porto de Akosombo às 16h00 na Segunda e chega Yeji na Quarta-feira de manhã; na prática os horários são mais fluídos. O barco deixa Yeji por volta das 16h00 na Quarta e chega a Akosombo na Sexta-feira de manhã. Os bilhetes custam US$11/8€ em 1ª classe e US$5,50/4€ em 2ª classe, sendo que existe comida e bebida a bordo. Se quiser uma das duas cabines de 1ª classe (recomendado), tem que reservar com pelo menos duas semanas de antecedência; ligue para o 0251-20686 em Akosombo para fazer uma reserva.

De carro[editar]

Trânsito no centro de Elmina.

O estado das estradas varia. Em Acra, a maior parte é de boa qualidade. Estão a ser feitas melhorias significativas na principal estrada entre Acra e Kumasi. A maior parte das estradas fora de Acra, excepto as principais, são de terra batida. A estrada entre Techiman e Bole está em condições particularmente más, e, se possível, deve ser evitada. Para viajar na maior parte das estradas do norte do país é preciso um jipe; um sedan adapta-se a algumas delas na estação seca, mas não é recomendado.

Carros com matrícula estrangeira não podem circular entre as 18h00 e as 6h00. Só veículos com matrícula ganêsa é que podem andar nas estradas besta hora.

De autocarro/ônibus[editar]

Um autocarro típico do Gana.

A VanefSTC é a principal companhia de autocarros. Eles tem serviços internacionais e nacionais de longa distância. Provavelmente é a maneira mais segura de viajar distâncias longas, e também é bastante rápido comparando com outras opções, embora as avarias sejam razoavelmente frequentes. A STC tem autocarros entre Acra, Kumasi, Takoradi, Tamale, Cape Coast e outras cidades importantes. Os autocarros Express ou Air-conditioned ("expresso" e "com ar-condicionado", respectivamente) são mais rápidos e muito mais confortáveis que um autocarro normal e estão disponíveis nas seguintes rotas: Acra-Kumasi, Acra-Tamale, Acra-Bolgatanga. Compre os seus bilhetes com pelo menos um dia antes, porque muitas vezes estes autocarros esgotam se esperar até ao dia. Para além do bilhete, tem que pagar pela bagagem, sendo que o preço varia com o peso da bagagem. Raramente ultrapassa 1/3 do preço do bilhete.

Várias outras companhias fornecem serviços de autocarro entre as principais cidades, incluindo a OSA, a Metrobus e a Kingdom Travel. Esyes serviços são mais confiáveis que os tro-tros. A Metrobus é, de longe, a melhor e mais barata opção entre Acra, Kumasi e Cape Coast, mas não é recomendável usar um autocarro da Metrobus para ou de Tamale devido à dificuldade de obter um bilhete (há muita gente a querer ir para esta região).

A MPlaza Tours também tem serviços entre Acra, Kumasi, etc. Uma coisa de bom nesta companhia é que tem terminais de autocarro próprios.

De comboio/trem[editar]

Existem caminhos-de-ferro entre Acra, Takoradi e Kumasi. O comboio é muito lento e não é mais barato que os autocarros, mas com a actual restauração do sistema ferroviário do Gana, existirão novas estações e comboios mais rápidos e frequentes.

Existem comboios diários, nas duas direcções, entre Acra e Kumasi (US$4,40/3,20€ em primeira classe ou US$2,70/2€ em 2ª classe, cerca de 12 horas) e um serviço nocturno entre Acra e Takoradi, com mais ou menos o mesmo preço e demorando pelo menos 12 horas, mas, a menos que seja masoquista, é melhor não usar este. No entanto, a linha entre Kumasi e Takoradi (US$4,40/3,20€ em primeira classe ou US$2,70/2€ em 2ª classe) é uma opção a considerar. Dois comboios por dia seguem esta linha, saindo às 6h00 e às 20h30. A viagem, em teoria, demora oito horas, mas normalmente esta demora cerca de 12 horas, principalmente se usar o comboio nocturno.

De tro-tro[editar]

Tro-tro é um termo que cobre quase qualquer tipo de veículo que foi adaptado para que lá possam caber o máximo de pessoas, bens, e, ocasionalmente, gado. Os tro-tros são, normalmente, carrinhas velhas de doze passageiros. Semelhantes aos táxis partilhados, os tro-tros seguem rotas fixas e tem preços fixos, e raramente partem sem estarem cheios (por isso prepare-se para esperar). São baratos (mais baratos do que autocarros da STC e do que táxis partilhados) e os preços variam consoante a distância viajada; no entanto a segurança destes é questionável e as avarias são frequentes. No entanto, estas avarias normalmente não são um grande problema, visto que eles avariam em estradas por onde passam outros tro-tros, e pode simplesmente apanhar outro. Existem rotas dentro das cidades e rotas inter-cidades. Muitas vezes estes são a única opção para chegar a aldeias e vilas remotas, mas não são recomendáveis para viagens longas. Os tro-tros são uma excelente maneira de conviver com ganêses, e são sempre uma aventura cultural. Por vezes podem tentar fazê-lo pagar extra pela bagagem, e ocasionalmente eles cobrar-lhe-ão a mais (muito raramente).

De táxi[editar]

Táxis no Gana.

Os táxis são abundantes, e, como turista, não é difícil encontrar um. É mais barato partilhar um táxi do que ir sozinho, mas os preços são negociáveis. Negoceie o preço com o condutor antes de entrar. Uma viagem muito curta de táxi não deve ultrapassar os GH₵1, se for mais longa deve estar entre os GH₵2,50-5 e GH₵7 é suficiente para ir a qualquer lado dentro de uma cidade. Os preços continuam a variar com os preços do combustível no mercado internacional. Muitos condutores de táxi vão tentar enganá-lo e cobrar-lhe mais se for estrangeiro. Em Acra e nas maiores cidades, a maior parte dos condutores assumem que não vai partilhar táxi e, a menos que tenha muito pouco dinheiro, o mais fácil é ir sozinho. Nas áreas mais remotas, os táxis partilhados são muito comuns.

Fale[editar]

Porque o Gana foi colonizado pelos ingleses, o inglês tornou-se na língua oficial, e muitos ganêses (principalmente em centros urbanos) sabem falar inglês. O dialecto inglês local, o inglês pidgin tem vários termos, frases e palavras que podem parecer estranhas mesmo a um inglês. Os documentos oficiais do governo são em inglês, mas existem mais de 40 línguas diferentes no Gana, incluindo o inglês, o Twi, o Ga, o Ewe, o Dagbani, e por aí fora. Obruni, a palavra akan para estrangeiro, que significa literalmente "homem branco", é gritada várias vezes para cumprimentar um turista, sem intenção de ofender. Obruni é semelhante à palavra Toubab, usada mais a oeste, no Mali, na Guiné, na Gâmbia e no Senegal.

Nas regiões do norte e entre muçulmanos ganêses em geral, o Hausa é a língua usada no dia-a-dia.

Veja[editar]

Patrimónios Mundiais da UNESCO[editar]

Castelo de Elmina.
Forte de São Jago, Elmina.
Castelo de Cape Coast.

No Gana existem dois sítios património mundial:

  • Edifícios Tradicionais da Civilização Ashanti, Kumasi - Um conjunto de 13 edifícios construídos tradicionalmente com argila, palha e madeira. Descrevidos como "Lar de Homens e Deuses", são os últimos redutos da cultura e história ashanti, que atingiu o seu auge no século XVIII. Estes edifícios estão espalhados a norte e nordeste de Kumasi. A maioria destes edifícios foram destruídos nos séculos XIX-XX, nas lutas entre a civilização ashanti e os colonizadores britânicos, como um mausoléu real (Barem), que foi queimado por Baden-Powell.
  • Fortes e Castelos das Regiões de Grande Acra, Volta, Centro e Ocidental - Um conjunto de 11 castelos/fortes, principalmente holandeses, ingleses e portugueses, ao longo da Costa do Ouro:
  • Castelo de Elmina, Elmina - Construído por Portugal em 1482, com o nome de Castelo de São jorge da Mina, e é o edifício europeu mais antigo de África abaixo do Saara. Tornou-se numa das mais importantes paragens do tráfico negreiro africano. Foi tomado pelos holandeses em 1637, e pelos ingleses em 1871.
  • Forte de Santo António, Axim - Construídos pelos portugueses em 1515 e aumentado pelos holandeses entre 1642 e 1872. Com a forma de um triângulo, tem dois bastiões principais, situados nos extremos norte e sul. Apesar de um pouco mal tratado, está numa localização espectacular, virado para as águas azuis do Oceano Atlântico. O forte, actualmente propriedade do GMMB, está aberto ao público.
  • Forte Inglês (Forte Vrendenburg), Komenda - O Forte Vredenburg foi construído pelos holandeses em 1688, tomado pelos ingleses em 1782 e abandonado três anos mais tarde. Actualmente está em ruínas.
  • Forte Metal Cross, Dixcove - Situado numa elevação no lado esta da baía de Dixcove, é um dos melhor preservados fortes acessíveis a turistas da costa ganêsa. Foi construído pelos ingleses na década de 1690, e a construção durou 6 anos, devido aos ataques dos nativos. Foi expandido no século XVIII, ganhando o aspecto que hoje tem.
  • Forte de São Sebastião, Shama - Foi construído pelos portugueses em cerca de 1500, com objectivo de impedir os ingleses de interferirem no comércio da área de Shama. Quando os holandeses tomaram o forte este estava em ruínas, sendo restaurado e expandido entre 1640 e 1642. Em 1664 e 1665 passou para mãos inglesas, sendo reocupado pelos holandeses em 1666. Antes de 1870 foi abandonado.
  • Forte Batenstein, Butre - Construído no topo de uma colina, hoje em dia foi tomado pela selva, assemelhando-se mais a um antigo templo maia do que a um castelo do século XVII. Foi construído em 1656 pelos holandeses, e desde aí tem passado de mão, entre os ingleses e holandeses. Foi eventualmente abandonado em 1818-1829.
  • Forte de São Jago (Forte Conraadsburg), Elmina - Parecendo-se mais com uma villa mediterrânica do que com um forte, foi usado pelos holandeses para tomar o castelo de Elmina, permanecendo durante 235 anos sob o domínio holandês. Os britânicos atacaram-o em 1871 e 1872. Foi finalmente vendido aos ingleses juntamente com o castelo de Elmina.
  • Forte de Amesterdão, Abandze - Foi construído pela Companhia das Índias Ocidentais Holandeses em 1638. Em 1661 a Royal African Company passou a ser a dona do forte, que passou a ser o quartel geral das possessões inglesas da Costa do Ouro. Em 1665 foi capturado pelo almirante holandês De Ruyter, sendo o quartel-general inglês transferido para o Castelo de Cape Coast.
  • Forte Lijdzaamheid (Forte Patience), Apam - O forte começou a ser construído em 1697, mas só foi concluído em 1700, recebendo o nome de "Forte Lijdzaamheid". Em 1782 foi capturado pelos ingleses, liderados pelo Capitão Shirley. Em 1785 voltou a mãos holandesas. Hoje em dia é usado como hotel.
  • Castelo de Cape Coast, Cape Coast - Situado numa das principais cidades do Gana, foi construído pela Suécia, originalmente em madeira, e depois em pedra. Em 1663, toda a Costa do Ouro sueca foi integrada pelos dinamarqueses. Em 1664, foi tomado pelos ingleses, e recebeu grandes remodelações. Em 1844 tornou-se o quartel-general inglês na Costa do Ouro.
  • Forte da Boa Esperança (Forte Goedehoop), Senya Beraku - Construído pelos holandases devido a um pedido do Estado Agona. Os holandeses aceitaram o pedido devido à possibilidade de um boom no comércio do ouro, do marfim e de escravos, vindos do Reino Akyem e devido a comerciantes privados, que se estavam a aproveitar da ausência de fortes holandeses na área.

Faça[editar]

Praias[editar]

Praia de Chocoloco.

Existem muitas praias populares neste pequeno país da África Ocidental. O Gana, virado para o Oceano Atlântico, e foi abençoado com magníficas praias. A maior parte destas praias são públicas e são óptimas para fazer desportos aquáticos, como jet ski, surf, e kite surf. Eis algumas praias ganêsas que merecem uma visita:

  • Praia de Labadi, Labadi. Esta praia pública situa-se em Labadi, e tem um areal de três quilómetros, ideal para a prática de vários desportos aquáticos. A praia tem ventos fortes e ondas moderadas/grandes, sendo perfeita para a prática de surf. A vastidão do areal é boa para jogar voleibol ou frisbee. À beira existem restaurantes, snack bars, chuveiros e balneários.  editar
  • Praia de Kokrobite, Kokrobite (30 km a oeste de Acra). Uma praia 30 km a oeste de Acra. Embora seja uma praia pública, vão menos turistas lá, uma vez que é um pouco longe da capital. Contudo, os que visitam este local são recebidos pela vista cénica das colinas e pelas água cristalinas. Existem poucos restaurantes e balneários, mas também existem menos visitantes, por isso adequam-se às necessidades dos visitantes.  editar
  • Praia de Ada. A 100 km de Acra fica a praia de Ada. Esta pria situa-se na aldeia costeira perto da Estrada de Lomé, e e perfeita para water ski, pescar, e fazer outros desportos aquáticos. Esta praia tem também uma marina perto, perfeito para iatismo. A aldeia tem também restaurantes e pousadas onde os turistas podem passar a noite por um preço razoável.  editar
  • Praia de Chocoloco, Ada Foah. Habitat de tartarugas marinhas, a Praia de Chocoloco situa-se a este de Acra, onde o Rio Volta desagua no Oceano Atlântico. Esta praia é também um santuário para aves his beach is also a sanctuary for estuarine birds. This beach is a perfect destination not only for beach combers but also for nature lovers, as well. It is a great place for camping. Accommodations such as rental bungalows and inns are located at a nearby village.  editar
  • Praia de Alaska. Uma praia muito popular entre mochileiros e amantes de praias. Uma praia isolada, diferentemente de muitas do Gana. Embora esteja isolada, tem parques de campismo,bungalows para aluguer, chuveiros, casas-de-banho, etc.. Para além disto, tem vários restaurantes onde se pode provar o marisco fresco e outras comidas locais.  editar

Vida selvagem e safaris[editar]

Elefantes no Parque Nacional de Mole.

O Gana é um destino ideal para fazer safaris. Com os seus 16 parques nacionais, reservas e áreas protegidas, cobrindo um vasto e variado habitat, desde pântanos e planícies salgadas ao longo da Costa do Ouro, a florestas tropicais no sul. No cento encontrará florestas e, à medida que progride para norte, as savanas sahelianas.

Os parques nacionais ganêses são habitat de uma estonteante variedade de vida selvagem, incluindo elefantes da floresta e da savana, hipopótamos, leões, hienas, chimpanzés, babuínos, 7 espécies de macacos, 3 de crocodilos, búfalos, vários antílopes e muito, muito mais. Só o Parque Nacional de Mole tem mais de 93 espécies de mamíferos. O Gana tem também mais de 755 espécies de aves.

Para além do Parque Nacional de Mole, não se esqueça de visitar o Parque Nacional de Kakum e a Reserva de Shai Hills.

Compre[editar]

O Cedi ganês foi substituído por outro em Julho de 2007. O novo "Cedi Ganês" (GH₵) equivale a 10 000 cedis antigos. Durante o período de transição de seis meses, o antigo cedi é chamado cedi, e o novo cedi é chamado Ghana Cedi.

Muitos ganêses ainda fazem contas com a antiga moeda. Isto pode ser muito confuso (e caro). 10 000 cedis antigos são normalmente referidos como dez (ou vinte, ou trinta). Isto, hoje em dia, seria um, dois ou três cedis ganêses. Por isso pense sempre se o preço faz sentido antes de comprar alguma coisa ou concordar com o preço do táxi. Se estiver na dúvida pergunte se está a falar em cedis novos ou antigos.

Alguns dos principais hotéis aceitam dólares americanos, mas tal pode não acontecer. Como em todos os países da África Ocidental, as notas de dólar mais antigas serão rejeitadas por bancos e escritórios da FOREX. Se pretender levar notas de dólar, assegure-se que são todas de 2007 ou mais recente.

O Euro é a moeda mais útil, e por vezes bares/restaurantes podem trocá-los por cedis se os bancos estiverem fechados.

Em 12 de Março de 2011:

$ Dólar Americano USD$1,00 = GH₵1,52 GH₵1,00 = USD$0,66
€ Euro €1,00 = GH₵2,12 GH₵1,00 = €0,47
R$ Real R$1,00 = GH₵0,86 GH₵1,00 = R$1,16

Existem muitos escritórios da FOREX em Acra, e mais alguns em outras grandes cidades. É muito difícil destrocar cheques de viagem e é praticamente impossível fora de Acra e Kumasi, a menos que o faça num dos principais bancos. O Barclays tem filiais em Acra, Kumasi, Cape Coast e Tamale, onde pode destrocar cheques de viagem. Esteja preparado para esperar em filas. Os principais hotéis aceitam cartões VISA, e existem multibancos em Acra, Kumasi e Cape Coast que aceitam VISA. O multibanco de Cape Coast está muitas vezes sem dinheiro. Na principal filial do Barclays, em Acra, pode conseguir dinheiro através de um cartão VISA ou MasterCard, desde que tenha consigo o passaporte.

Mercado em Tamale.

Regatear é uma prática comum nos mercados. Grandes cidades como Acra tem mercados abertos todos os dias, mas se quiser sentir a verdadeira essência do país, visite um mercado de aldeia no dia da semana em que está aberto. A maior parte do que está à venda são bens de primeira necessidade, mas, normalmente, estão disponíveis tecidos, missangas, instrumentos musicais, sacos e até mesmo CDs.

Pode também encontrar kente, tecidos e esculturas em madeira, como máscaras e bancos sagrados em quase qualquer rua de uma qualquer área turística do país.

Símbolos adinkrah & bancos sagrados[editar]

Os bancos sagrados tem símbolos adinkrah tradicionais que podem significar várias coisas, tendo a ver com Deus, amor, força, comunidade, e muito mais. É aconselhável encontrar um livro que lhe mostre o que significa cada símbolo, para não comprar um banco que não signifique o que você pensa que significa.

O Gye Nyame é, de longe, o mais popular dos símbolos adinkrah. Significa "Graças a Deus". Outros símbolos populares são o "Nó da Sabedoria" e um que representa um indivíduo a segurar muitos paus juntos, que não podem ser partidos, simbolizando a força da comunidade.

Coma[editar]

Fufu.

A comida tradicional é divertida de provar e saborosa. Fufu, o prato tradicional mais popular, consiste em bolas de puré de banana-da-terra, mandioca ou inhame, servidas com sopa e um prato de carne ou peixe. As sopas são normalmente feitas de amendoins, quiabo e outros vegetais. O Banku é uma versão do prato de milho e fermentada, normalmente comida com tilápia grelhada ou sopa de quiabo.

Pratos de arroz são também tradicionais, mas não são considerados uma refeição a sério pelos ganêses, principalmente pelos homens. O Arroz Jollof varia consoante o cozinheiro, mas geralmente consiste em arroz branco cozido com vegetais, pedaços de carne e especiarias num molho baseado em tomate. O Waakye é uma mistura de feijão e couve, servido tradicionalmente com garri, uma farinha feita de mandioca. Muitas vezes são servidos pratos de arroz com tomates, pepino e alface picada ao lado e um montinho de creme de saladas ou maionese. Estas refeições são extremamente baratas e podem ser compradas junto de qualquer vendedor de rua, por cerca de GH₵1,50-2,50.

Bananas-da-terra, inhames, e batatas-doces são preparadas de várias maneiras e um bom snack. Kelewele, um snack feito de banana-da-terra frita com especiarias, é especialmente bom. Frutas frescas, como ananás, manga, papaia, cocos, laranjas e bananas são deliciosas quando estão na sua época e custam apenas 10 cêntimos.

Uma boa refeição africana num restaurante pode custar apenas GH₵3,00-7,00. Por exemplo, um jantar de lagosta e camarão pode custar uns meros GH₵6. Existem também vários restaurantes chineses e americanos disponíveis, principalmente em Osu um subúrbio de Acra.

Beba e saia[editar]

Um spot em Bolgatanga.

A água da torneira geralmente não é potável, por isso pode escolher entre água engarrafada (por exemplo Voltic, aprox. 1,5l, ₵GH 1,00), água da torneira fervida ou filtrada, e saquetas de "água pura". Estas saquetas tem água filtrada e vêm em porções de 500 ml. Muitos estrangeiros preferem água engarrafada. água em saquetas geralmente não é aconselhável. Embora seja facilmente acessível e uma experiência única, estudos mostraram quantidades de bactérias fecais, sugerindo que na realidade se trata de água da torneira. Se quiser jogar pelo seguro, prefira água engarrafada e bebidas com gás.

Nos bares de estrangeiros em Acra, uma cerveja custa entre GH₵2 e GH₵3. Sumos de fruta custam GH₵1,50, a água fica entre GH₵1 e GH₵1,50. A Star e a Club são das marcas de cerveja mais populares. Para uma experiência mais interessante, visite um "spot", um bar assinalado por tiras azuis e brancas no exterior do edifício. São mais baratos e poderá conviver com os locais e ouvir as músicas da moda.

Refrigerantes como Coca Cola, Fanta, 7UP (aos quais os locais chamam "minerals") estão disponíveis em todo o país por GH₵0.50.

As garrafas em que se servem os refrigerantes ou a cerveja pertencem à companhia que os engarrafou - se não as devolver ao vendedor, eles perdem GH₵0,50 cedis - provavelmente mais do que pagou pela bebida. Se não for consumir a bebida no "spot" ou no bar em que estiver, diga-o ao vendedor.

Durma[editar]

Existem muitos locais fantásticos para passar a noite no Gana. As opções são variadas, desde hotéis de luxo a lugares mais rústicos. Na capital existem algumas cadeias internacionais de hotéis. Existem hotéis em todo o país, mas estes estão principalmente concentrados nos centros urbanos. Um quarto de hotel decente e barato pode custar apenas GH₵20,00.

Para estadias mais longas (alguns meses), é possível alugar uma casa. Casas para aluguer são facéis de encontrar em jornais locais em lugares frequentados por estrangeiros.

Aprenda[editar]

A Torre de Legon, no campus da Universidade do Gana.

O Gana tem três universidades públicas principais. A maior destas é a Universidade do Gana, situado em Legon, um subúrbio da capital, Acra. Outras universidades são as de Cape Coast (Universidade de Cape Coast) e Kumasi (Universidade de Ciência e Tecnologia Kwame Nkrumah, ou "Tech"). Existem outras universidades públicas, mais pequenas, incluindo a Universidade de Educação em Winneba, a Universidade de Estudos do Desenvolvimento, com um campus principal em Tamale e vários campi menores ao norte, e a Universidade de Minas e Tecnologia em Tarkwa. Existem também vários colégios e universidades privados, tanto religiosos como não-religiosos.

Os professores são normalmente muito rígorosos e o respeito é muito importante.

Trabalhe[editar]

Muitas pessoas oferecem-se como voluntários em várias organizações ganêsas e internacionais enquanto viajam:

  • Africa Calling, [22]. Ensine inglês, matemática, informática, etc. numa escola ou orfanato, enquanto viaja. Oferece vários programas a partir de US$400 por duas semanas.  editar
  • Disaster Volunteers of Ghana, [23]. Uma organização não-governamental, dedicada à melhoria de vida dos ganêses através de doações e voluntariado. Não só viaja pelo país, mas também contribui para que muitos ganêses tenham uma vida melhor. Embora também tenham programas de voluntariado para especialistas em medicina e informática, não precisa de ter conhecimentos especiais para ser aceite como voluntário.  editar
  • Ultimate Voluntary Organization, [24]. Pode voluntariar-se para ser professor, treinador de futebol e/ou médico/enfermeiro. Localizado perto do Volta, mostra-lhe o aspecto do verdadeiro Gana.  editar
  • Global-Cultural Solution, [25]. Oferece programas de preços razoáveis, com visitas guiadas, carro para o ir buscar ao aeroporto, etc. Pode ver os programas todos aqui.  editar
  • Ikando Volunteers, [26]. Programas de conservação da natureza, de cuidados médicos, de ensino, etc.  editar
  • Light for Children, [27]. Centrada na região de Ashanti, pode voluntariar-se para vários postos: para trabalhar num orfanato, na ala pediátrica de um hospital, numa escola de surdos, etc.  editar
  • Meet Africa, [28]. Óptimo para conhecer uma nova cultura e ao mesmo tempo dar uma fonte de rendimento extra aos locais da região norte do Gana.  editar
  • Thrive Africa UK, [29]. Trabalha 6 a 9 horas por dia, cinco dias por semana. Durante o resto do dia existe muitas actividades de entretenimento.  editar
  • Volunteering Solutions, [30]. Com programas de voluntariado em 17 países a partir de US$200. No Gana, pode ensinar inglês, voluntariar-se para um orfanato, numa clínica, entre outras tarefas.  editar
  • Volunteer Partnerships for West Africa, [31]. Uma organização preocupada com a melhoria da educação, saúde e das condições sanitárias. Vários programas de voluntariado, desde programas de alguns meses a programas de um ano.  editar

Segurança[editar]

Atualmente o Gana é um país muito seguro e estável, com uma taxa de crimes baixa, comparando com outros países da África Ocidental. Tome as precauções habituais e use o senso comum, mas o país é seguro.

Apesar de a segurança não ser um grande problema no país, é aconselhável ficar vigilante em áreas públicas, principalmente em Acra e nos seus arredores, e evite andar sozinho à noite, se possível. Evite andar com grandes somas de dinheiro ou valores e esteja vigilante quando estiver a tirar dinheiro do multibanco no centro de Acra. Tem existido casos de roubos de celulares na rua. Evite usar o seu celular em público, a menos que tiver que o usar. O roubo de bagagens e documentos de viajem já ocorreu no Aeroporto de Kotoka. Esteja também vigilante em Tamale, Kumasi e seus arredores, onde houve um aumento do crime, incluindo assaltos e ataques a estrangeiros. Existe possibilidade da existência de violência entre facções políticas rivais, lutas inter-étnicas e desordem civil; é boa ideia atualizar-se e estar a par dos acontecimentos diários. Se quiser visitar a região norte, existe a possibilidade de lutas inter-étnicas, por isso tenha cuidado. Se quiser viajar ao longo da costa, tenha cuidado devido às marés de tempestade que atingem a costa.

Apesar de o lesbianismo já ser legal, a homossexualidade masculina é ilegal.

Saúde[editar]

A malária resistente à cloroquina verifica-se em todo o país e deve tomar cuidados para não a apanhar: evitar os mosquitos, ter sempre repelente à mão, bem como profilaxia. A vacina da febre amarela é obrigatória para entrar no país. As vacinas das Hepatites A & B, da Cólera e da Febre Tifóide são também recomendadas.

O risco de meningite é alto na parte norte do Gana, que faz parte do chamado "cinturão da meningite" (uma área de elevado risco de meningite). Isto aplica-se sobretudo durante a época dos ventos secos, de Dezembro a Junho. Para as Meningites de tipo A, C, Y e W135 está disponível a vacina de polissacarídeo.

Embora a ocorrência de SIDA seja menos frequente que em outros país sub-saarianos de África, nunca tenha sexo desprotegido! Receber uma transfusão de sangue no Gana aumenta substancialmente o risco de ter SIDA. Deve também evitar entrar em contacto com água doce parada, uma vez que existe o risco de apanhar esquistossomose.

Alguns restaurantes aproximam-se dos padrões sanitários europeios, mas prepare-se para pagar por eles. Restaurantes mais pequenos, muitas vezes chamados chop bars, tem higiene mais duvidosa e provavelmente não alcançam estes padrões.

Por causa do clima tropical perto da costa, os viajantes precisam de ficar hidratados. Pode comprar água engarrafada em qualquer lado. A Voltic Water é uma marca fiável, mas assegure-se que a garrafa nunca foi aberta.

Respeite[editar]

Deve tentar ter uma atitude respeitosa (não coma ou ofereça algo com a sua mão esquerda), mas em geral os ganêses são compreensivos para com os turistas que se enganam. Os cumprimentos são muito importantes. Os ganêses não perdoam pessoas que não cumprimentam os outros. Por vezes o cumprimento é uma continência, acompanhada por "bom dia" ou "boa tarde"". A resposta esperada é a mesma. Pode também perguntar à pessoa como está.

Mantenha contato[editar]

Os serviços de telecomunicações e os correios ganêses são pouco fiáveis dentro do Gana, mas o correio internacional, pelo menos de e para Acra, é razoável (aproximadamente uma semana para uma encomenda de ou para o RU, por exemplo). A Vodafone Ghana (anteriormente Ghana Telecom) é a maior companhia do país, mas não é inteiramente fiável nem cobre todo o país. Existem 4 companhias de comunicação móvel, com uma quinta prestes a iniciar serviços. Muitas destas companhias tem cobertura 3G/HSPA. Tem havido um boom no acesso à internet através de pens (espere pagar cerca de 60 cedis por uma pen). A cobertura é boa em áreas urbanas, e é cada vez melhor em áreas rurais e ao longo das principais auto-estradas.

Com o recente boom das T.I.C. nas áreas urbanas do Gana, nunca está muito longe de um internet cafe, onde uma hora de internet custa ₵0,50-₵1,00. Muitos hotéis também tem acesso a internet banda larga através de hotspots.

Este artigo é um guia. Ele tem muita informação, incluindo listas de hotéis, restaurantes, atracções e informação sobre chegada e partida. Mergulhe fundo e ajude-o a crescer!


Variantes

Ações

Docentes do destino

Noutras línguas

outros sites