Contribua para um artigo e ajude o wikitravel a crescer! Aprenda como.

Damasco

Da Wikitravel
Ir para: navegação, pesquisa
O Rio Barada à beira do Four Seasons Hotel.

Damasco (دمشق) é a capital da Síria e a sua maior cidade, com cerca de 4,5 milhões de pessoas - mas aquilo porque Damasco é realmente famosa é a reputação de cidade continuamente habitada mais antiga do mundo. A sua cidade velha, um labirinto de ruas estreitas, está cheia de portas enigmáticas que levam a agradáveis e calmos jardins e a casas brancas com a cal. Passear na cidade velha é dar um passo atrás no tempo e, apesar do aumento do turismo e do trânsito, continua a ser uma das maiores atracções do país, bem como o centro religioso e social da cidade.

Entenda[editar]

Damasco fica num planalto situado a 690 metros acima do nível do mar, e é limitada pela cordilheira Antilíbano a oeste e pelo deserto da Síria a leste. A cidade fica no oásis de Ghutah e a água que a abastece vem do rio Barada. Apesar de estar geograficamente perto do Mediterrâneo, a cadeia montanhosa isola Damasco do litoral e obriga a cidade a virar-se para leste.

Clima[editar]

Damasco tem um clima semi-árido, devido ao efeito da sombra de chuva da Cordilheira do Antilíbano e das correntes oceânicas. Os Verões são secos e quentes com pouca humidade. Os Invernos são amenos e (comparativamente) chuvosos, por vezes com queda de neve. As temperaturas máximas e mínimas em Janeiro são 12,6 °C e 0,4 °C, sendo a temperatura mais baixa alguma vez registada os -13,5 °C. As temperaturas máximas e mínimas de Julho são 36,5 °C e 16,9 °C, sendo a temperatura mais alta alguma vez registada os 45,5 °C. A precipitação anual ronda os 134 mm, ocorrendo de Novembro a Março.

noframe

Veja o estado do tempo em Damasco nos próximos dias: msn Meteorologia.

História[editar]

A sua primeira referência histórica ocorreu no século XV a.C. quando foi conquistada pelo Faraó Tutmósis III. Segundo o Antigo Testamento, foi a capital do Reino Arameu no século XI a.C.. No século X a.C., começou a ser atacada e entrou em guerra com vários outros reinos, incluindo os hebreus e os assírios. Por fim, em 732 a.C., foi conquistada por Tiglath Pileser II. Alguns anos após a queda da capital assíria, Ninive, o Reino de Damasco foi destruído por Babilónia.

Damasco foi conquistada aos persas em 333 a.C. por Parménio, um dos generais de Alexandre, o Grande. Mais tarde caiu sob o domínio do Império Selêucida, que entrou em disputa com os ptolemeus, que governavam o Egipto. Em 66 BC a.C. foi ocupada por Pompeio e ficou a pertencer à província da Síria.

O Bab Sharqi, a porta este da cidade, por onde Khaled Ibn al Waleed entrou quando conquistou Damasco.

Foi no caminho para Damasco que São Paulo, que foi enviado para matar Cristãos, teve uma revelação divina. Foi abordado por Jesus que o enviou para a casa de Judas. Aí ele conheceu Ananias e rezaram por Cristo em conjunto.

No Império Bizantino, Damasco era uma importante base para vigiar o Deserto Sírio, mas foi saqueada pelos sassânidas. Damasco foi mais tarde cercada por muçulmanos em 635, e tomada por Khaled Ibn al Waleed em 636. Isto significou uma drástica mudança para cidade, pois passou de Bizâncio e do Cristianismo ao Oriente e ao Islão.

A época mais gloriosa da história da cidade foram as primeiras décadas do Islão, quando se tornou a capital de um império que ia da costa Atlântica à Ásia Central, o Império Omíada. Esta época de ouro acabou com os abássidas, que moveram a capital para Bagdad. Desde aí, caiu sobre a influência de vários reinos e califados, sendo o mais importante o Califado Fatímida. Mais tarde voltou aos seus tempos de glória, quando Saladino a conquistou aos fatímidas e começou a Dinastia Aiúbida. Nessa altura estava em guerra com os francos (os cruzados). Vários monumentos construídos por Nur al Din e Saladino são ainda o orgulho de Damasco.

Em 1260 foi tomada pelos mamelucos, que afastaram os mongóis. Em 1516, os otomanos da Turquia derrotaram os Mamelucos e controlaram a cidade e o reino até à I Guerra Mundial. Depois da I Guerra Mundial, Damasco foi libertada em 1918, por um contingente árabe sob o comando do Exército Britânico do General Allenby. O Congresso Nacional Sírio foi formado em 1919 sob o patronato do Emir Faisal. Ele foi declarado Rei da Síria em 1920, e um mês mais tarde foi derrotado pelos franceses em nome da Sociedade das Nações.

Após uma forte resistência e alguns motins, a Síria foi proclamada independente pelo general francês Catroux, em 16 de Setembro de 1941. Isto não teve efeito até 1946, e desde aí tem vindo a desenvolver-se e industrializar-se, enquanto que o seu papel político foi reforçado devido ao aumento da centralização.

Chegar[editar]

De avião[editar]

Torre de controlo - Aeroporto Internacional de Damasco.

O aeroporto mais movimentado da Síria é o Aeroporto Internacional de Damasco. Existem voos domésticos para Aleppo, Deir-ez-Zur, Qamishli e ocasionalmente Latakia, custando aproximadamente 1000 SP só ida.

Do Rio de Janeiro pela Emirates, com vôos diários e conexão em Dubai.


O aeroporto está relativamente bem equipado com a maior parte dos serviços básicos. Tem algumas lojas, com preços muito baixos, especialmente as perfumarias. Vários produtos, como vinho libanês, arak (uma bebida alcoólica com sabor a anis) e outros são mais baratos no aeroporto que na cidade.

Conseguir câmbio de moedas no aeroporto pode ser difícil, porque os cambistas só aceitam dólares americanos. Existem dois multibancos no hall principal que aceita cartões de crédito e de débito estrangeiros, mas tendem a ser falíveis. É melhor trazer uma pequena quantidade de dólares americanos consigo e fazer o câmbio no aeroporto até conseguir tirar dinheiro dos multibancos de Damasco.

Os preços de táxi são muito altos porque hoje em dia só são permitidas companhias de táxi (para virem buscar pessoas) no aeroporto. O custo de um táxi desde o aeroporto à cidade é de cerca de 500 SP, no entanto os preços podem variar dependendo das suas capacidades de regatear.

Existem também autocarros partindo de e para o terminal de autocarros de Baramkeh, no centro da cidade (os autocarros do aeroporto são os únicos que servem esta estação de autocarros actualmente - todos os outros serviços foram movidos para o novo terminal de autocarros de Soumaria, fora do centro da cidade). O preço é de 45 SP + 25 pela bagagem e os autocarros partem a cada meia hora, durante todo o dia. No aeroporto, saia do terminal e vire à direita; encontra o autocarro no fim do edifício. Existe uma pequena bilheteira. Nos últimos anos, os autocarros foram melhorados e actualmente são muito bons.

O autocarro deixa-o um pouco longe da Cidade Velha, mas existem muitos táxis para o levar lá. Assegure-se que usam o taxímetro, e deve pagar menos de 50 SP, dependendo do trânsito.

De comboio/trem[editar]

Existem serviços de comboio de e para Aleppo, fazendo paragens em Homs e Hama. Um dos comboios continua para Qamishli via Raqqa, Deir ez zoor e Hassaka. Existem também comboios para Latakia, parando em Homs e Tartus. No entanto, autocarros ou táxis são mais convenientes. Os comboios sírios são lentos e fazem muitas paragens. Apesar disto, o comboio Damasco-Aleppo é bom. A principal estação de comboios fica em Qadam, um subúrbio sul. Existem serviços de micro-autocarros na rota Qadam-Assali, entre Qadam e Sharia al-Thawra no centro da cidade.

Internacionais[editar]

Existem comboios-cama semanais para Istambul (35-36 horas) e Teerão (60 horas). Existem também comboios bi-semanais para Amã (muito lento, normalmente obriga a uma troca de comboios na fronteira).

De barco[editar]

Porto e praia de Latakia.

Devido a agitação na área, e à diminuição da procura nos últimos anos, já não existem ferrys entre Latakia, principal porto do país e o mais próximo de Damasco, e Alexandria (Egipto), Beirute (Líbano) ou Bodrum (Turquia).

No entanto, o porto é muito usado por cruzeiros de luxo que operam no Mediterrâneo. Embarcar num cruzeiro em Latakia é quase impossível, no entanto. Os oficiais do governo podem exigir carimbos do Ministério dos Negócios Estrangeiros Sírio e da sua embaixada, dependendo do seu humor.

De autocarro/ônibus[editar]

Damasco é bem servida de autocarros. Existem duas estações de autocarro: a estação oeste serve destinos a oeste e a sul (incluindo Amã e Beirute), enquanto que a estação norte serve destinos a norte (incluindo Aleppo).

Existem autocarros frequentes para Amã, na Jordânia, que demoram cerca de quatro horas e custam aproximadamente 6-9JOD.

Hatay Turizm opera autocarros frequentes desde Antakya, na Turquia. Também pode apanhar um em Istambul. Normalmente, vai ter que reservar o lugar com um ou mais dias de antecedência, e embora os preços variem, consegue um bilhete de autocarro por 80 TYL.

Ao chegar a Damasco de autocarro, assegure-se que se afasta do terminal de autocarros e vá encontrar um táxi no centro. Se o fizer, arrisca-se a pagar um preço muito mais alto do que o normal, que seria SYP150-200, porque existem muitos carros a fingirem ser táxis no terminal. Isto é normalmente um esquema realizado por dois homens; um distrai-o, o outro põe a bagagem na mala do "táxi" e tranca-a.

Se chegar na estação oeste, o autocarro nº 15 leva-o à Praça de Al-Marjeh na Cidade Velha (onde pode encontrar muitos hotéis) por 10 SYP.

De táxi[editar]

Pode apanhar um táxi partilhado desde Amã ou Irbid na Jordânia. Dependendo da situação política, existe também um serviço para Beirute e outros pontos do Líbano, bem como alguns destinos no Iraque. Desde que a Estação de Baramkeh fechou, estes táxis partilhados saem de Soumaria, a cerca de 10-15 minutos do centro de Damasco, seguindo a Autostrade Mezzeh. Os autocarros nos 15 e 21 levam-o à estação de Soumaria desde a estação de autocarros a seguir à Matry's Place.

Circular[editar]

Em horas de ponta (10h00-16h00), a melhor maneira de se transportar é a pé. Fumar é absolutamente proibido em qualquer forma de transporte público.

A pé[editar]

O Souq al-Hamidiyya, uma das "ruas" mais movimentadas da cidade.

Uma óptima ideia é andar a pé, especialmente se estiver a ver os monumentos da cidade, e é o único meio de transporte na Cidade Velha de Damasco. No entanto, caminhar na parte nova da cidade, só nas áreas de Maliki e Abu-Rumaneh, pois a cidade nova costuma estar cheia de poluição. Os condutores de Damasco não sºao muito responsáveis, por isso tenha cuidado a andar na cidade, especialmente na parte nova.

De autocarro/ônibus[editar]

Os mini-autocarros, também conhecidos como servees, são um dos principais meios de transporte em Damasco. Todas as viagens dentro da cidade custam 10 £S (aproximadamente 0,33 € ou 0,75 $R). Pode ir de um local a outro na cidade sem precisar de trocar de autocarro ou, se precisar, poucas vezes. Ao entrar no autocarro, dê uma moeda a qualquer passageiro para a passar até ao condutor e devolver o troco, mas lembre-se de dizer a esse passageiro para quantas pessoas está a pagar, se estiver num grupo, ou quer está a pagar "para um" ("waahid") se estiver sozinho. A rota está escrita (em árabe) no sinal do autocarro. Os mini-autocarros não costumam ter paragens fixas excepto em locais muito movimentados, simplesmente acene ao condutor quando quiser parar.

Existem muitos autocarros na cidade que, tal como os mini-autocarros, custam 10 £S. Um autocarro muito útil é nº #15, que vai da Praça de Al-Marjeh (Souq Sarouja\Cidade Velha) ao Terminal de Autocarros Oeste, que serve Beirute e Amã.

De táxi[editar]

Táxis na Rua de Nasr, perto da Cidade Velha.

Os táxis abundam em Damasco, tornando-os um óptimo meio de transporte. Os táxis da Star Taxi, uma nova companhia privada, são mais caros que os táxis normais, mas são também mais seguros e confortáveis. Pode ligar para a sede da Star Taxi, que mandará ao táxi mais próximo que vá ter consigo. Táxis com o logótipo do Muhafazat de Damasco na porta e um número no telhado tem, normalmente, taxímetro, e é melhor só os usar quando está a tentar apanhar um táxi na rua. É costume deixar uma gorjeta £S10, para além da quantia indicada no taxímetro. À noite, os taxistas não costumam usar o taxímetro, por isso é melhor negociar o preço antes de entrar.

De carro[editar]

Não é muito boa ideia alugar um carro em Damasco. Existe um engarrafamento quase sempre, especialmente no Verão, e é muito difícil encontrar parques de estacionamento, embora isso não aconteça nos subúrbios.

Veja[editar]

Mesquida dos Omíadas.
Mesquida dos Omíadas.

A maior atracção turística da cidade é o centro histórico medieval, rodeado por cerca de 5km de muralhas, com a Mesquita dos Omíadas no seu centro. É um óptimo local para se perder nas suas ruas labirínticas e movimentados souqs, admirando maravilhosos palácios, madraçais, caravançarais e mesquitas, ou passando o tempo num dos seus muitos cafés

  • Souq al-Hamidiyya (سوق الحميدية), (em frente da Mesquita dos Omíadas). Uma avenida coberta, com centenas de minúsculas lojas, cuja entrada é composta pelas ruínas de um antigo templo romano na praça da Mesquita dos Omíadas. O souq cheira a cominhos e outras especiarias e pode encontrar secções dedicadas a tudo, desde roupa de couro e produtos de cobre a lenços de seda e caixas marchetadas.  editar
  • Mesquita dos Omíadas (também chamada Mesquita de Umayyad; جامع بني أمية الكبير, Ğām' Banī 'Umayyah al-Kabīr), (em frente do Souq al-Hamidiyya). Saindo do Souq al-Hamidiyya, encontra a grandiosa Mesquita dos Omíadas; este edifício de três minaretes é uma maravilha arquitectónica. Era um templo assírio, depois um templo romano dedicado a Júpiter, uma igreja quando Roma se converteu ao Cristianismo, uma igreja e mesquita ao mesmo tempo, e por fim uma mesquita até aos dias de hoje. Todos os símbolos dessas épocas continuam lá e continua a poder ver alguns desenhos cristãos nas paredes da mesquita. A mesquita contém o túmulo de São João Baptista (para muçulmanos, o profeta Yahya). As mulheres tem que cobrir a cabeça, braços e pernas. No preço da entrada (£S50) está incluído uma abaya (túnicas que cobrem o corpo todo). Apesar de ser um dos locais mais sagrados do Islão, na mesquita são bem-vindos turistas estrangeiros, a quem é permitido circular a área de oração.  editar
Estátua de Salah al-Din à noite; ao fundo, a Cidadela de Damasco.
  • Cidadela (قلعة دمشق‎, Qala'at Dimashq), Rua de Aal Al Bait (perto da saída oeste do Souq al-Hamidiyya). No extremo oposto do Souq al-Hamidiyya fica uma parte da muralha da cidade, com o aspecto de um forte, a Cidadela (embora a Cidadela de Aleppo seja mais bonita e impressionante, é um local a visitar de qualquer das maneiras).  editar
  • Estátua de Salah al-Din (تمثال صلاح الدين الأيوبي), Rua de Aal Al Bait (em frente da Cidadela). Perto da Cidadela pode visitar a Estátua de Salah al-Din, conhecido no ocidente como Saladino, o chefe militar que combateu os cruzados. Situada mesmo á beira da Cidadela, é uma enorme estátua de tirar a respiração. Se caminhar à volta dela, consegue ver dois franceses abatidos por baixo da cauda ligeiramente erguida do cavalo. Estes dois cavaleiros são, segundo a inscrição, Guy de Lusignan, Rei de Jerusalém, e Reynald de Chatillon, Senhor de Kerak, uma importante fortaleza da Terra Santa. Ambos foram capturadas durante a vitória de Saladino em Hattin; Guy foi aprisionado em Damasco e eventualmente libertado, mas Reynald foi executado como castigo pelas suas muitas atrocidades.  editar
  • Panorama da Guerra de Outubro/Museu da Guerra de Damasco, Rua de Tishreen, 6 (nos subúrbios). Situado nos subúrbios, vale a pena visitar. Foi construído com a ajuda do Governo norte-coreano, cuja influência é óbvia no estilo da construção. Existe uma exposição de material militar no exterior. Pode pagar a um guia para lhe mostrar o museu, em árabe ou inglês. Aproximadamente £S 327 (aproximadamente 5,45€).  editar
Palácio de Azem.
  • Palácio de Azem (قصر العظم), (perto da Mesquita dos Omíadas, a sul). Um dos mais belos palácios da cidade, este palácio pertenceu a um governador otomano do século XVIII, Assad Pasha al-Azem, e tem vários quartos ilustrando o artesanato e cultura tradicional.  editar
  • Museu Nacional de Damasco (المتحف الوطني بدمشق), Avenida de An Nasr & Rua de Al Jamiaa (na parte nova da cidade). O museu tem muitos tesouros dos magnífico sítios arqueológicos da Síria, incluindo esculturas e jóias de Palmira, a Sinagoga de Dura Europos, datada do século II, que foi reconstruída no interior do museu, o primeiro alfabeto do mundo em tabuetas ugaríticas e umas misteriosas estátuas de sacerdotes Mari.  editar
  • Rua Direita (الشارع المستقيم‎ Al-Shāri` al-Mustaqīm). A Rua Direita, chamada pelos romanos Via Recta, tem sido a principal artéria este-oeste da cidade desde a era helenística/romana. Nos arredores desta rua pode encontrar as grandiosas casas do Bairro Cristão, grande parte delas transformadas em bares e restaurantes. No fim encontra o portão romano de Bab Sharqi, e perto a Capela Subterrânea de Santo Ananias, onde se acredita que Ananias abrigou S. Paulo após a sua conversão ao cristianismo. A Capela de São Paulo marca o local onde S. Paulo desceu a muralha para escapar aos seus perseguidores romanos.  editar
  • Maristan Nur ad-Din, (Muito perto da Sharia al-Mu'awiya). O Maristan Nur ad-Din é um manicómio do século XII, usado até ao século XIX. Os pacientes eram acalmados pela música e pelo barulho da água das fontes. Actualmente é um interessante museu de medicina, que mostra como os árabes eram avançados nessa área.  editar
  • Mesquita de Tekkiye (التكية السليمانية Tekkiye as-Sulaymaniyye), Sharia Shoukri al-Quwatly (nas margens do Rio Barada). Esta maravilhosa mesquita foi mandada construir pelo Sultão Otomano Solimão, o Magnífico e construída pelo seu arquitecto principal, Sinan, numa mistura dos estilos turcos e sírios. Perto fica um tekke ou mosteiro, que actualmente está estranhamente recheado de aviões do exército, e o Madraçal de Selimiye, um centro do artesanato locals.  editar

Faça[editar]

Eventos[editar]

  • Rali Internacional Sírio [1] (Junho) - Rali de três dias, começando em Damasco e passando por todo o país, organizado pelo Clube Automóvel Sírio.
  • Exposição Internacional de Flores (Julho/Agosto) - Floristas e amantes da natureza reunem-se todos os anos no Parque de Teshreen para o festival anual de flores da capital.
  • Jazz Lives in Syria [2] (Agosto) - Festival de jazz anual, com a duração de quatro dias e incorporando talentos nacionais e internacionais. Ocorre na Cidadela de Damasco.
  • Festival de Cinema de Damasco [3] [4] (Novembro) - No Palácio de Conferências de Omayyad e em vários cinemas do centro da cidade.
  • Ramadão - O nono mês do calendário muçulmano (a data muda todos os anos). Os muçulmanos abstem-se da comida, da bebida e do sexo entre o nascer e o pôr do sol e as noites são passadas a comer, conviver, comprar e passear na cidade velha.
  • Eid al Fitr - Festa que ocorre no fim do Ramadão para celebrar o fim do jejum.
  • Eid al Adha (Novembro) - Também chamado festival do sacrifício, começa em 27 de Novembro. O festival segue a peregrinação anual islâmica e comemora as provações do profeta Abraão.

Atividades[editar]

A cidade à noite, vista do Monte Qasioun.
Hammam em Damasco.
  • Veja a cidade desde o Monte Qasioun - É uma actividade essencial em Damasco, uma vez que oferece uma fantástica vista da cidade. O pico é acessível 24 horas por dia, embora a vista seja mais espectacular à noite, quando toda a cidade está iluminada e os minaretes das mesquitas estão iluminados com uma luz verde. A Mesquita dos Omíadas é particularmente impressionante vista da montanha. Existe uma boa variedade de comida e refrescos no pico, desde bancas de rua a restaurantes finos que servem boa comida local e álcool. No entanto, verifique o preço antes de entrar - um golpe muito frequente em Damasco é um taxista o levar ao seu café "favorito", onde acaba por pagar mais de £S500 por uma chávena de chá.
  • Visite um restaurante na Cidade Velha - Existem muitos restaurantes na zona antiga da cidade, cada um com o seu carisma única, mas o mais famoso (e turístico) é provavelmente o "Beit Jabri", embora o "Al-Khawali" seja para muitos o melhor restaurante do centro histórico. Outro restaurante, o "Narcissus Palace", situado perto da Mesquita dos Omíadas, oferece uma experiência fantástica. Todas as noites, uma cantora e banda tocam música árabe antiga, criando um fantástico ambiente no restaurante.
  • Tome banho num Hammam, ou seja um Banho Turco. - Os Banhos de Nur-al-Din (entre o Palácio de Azem e a Rua Direita) e os Banhos de Bakri (primeira rua à direita depois de entrar na Cidade Velha através do Bab Touma) são dois banhos que estão habituados a receber turistas ocidentais. Uma visita a qualquer um destes custa £S 500, incluindo toalhas, sabão e uma massagem. Os de Nur-al-Din só permitem homens; os de Bakri podem permitir mulheres se reservarem com antecedência.
  • Relaxe num café Hooka - Os cafés Hooka são populares em Damasco e fáceis de encontrar. A Cidade Velha está cheia destes, e é aqui que encontra os cafés mais tradicionais. Provavelmente encontrará uma multidão de homens a beber chá e a jogar gamão, todos eles a fumar hooka. Na parte moderna da cidade, a mair parte dos cafés estão direccionados para os mais jovens e são parte importante da vida nocturna da cidade, oferecendo uma enorme variedade de tabaco com variados sabores, desde sabor a maçã, o mais comum, a sabor a cappucino. Em quase todos os principais restaurantes consegue encontrar hookas, incluindo nos restaurantes da cidade velha.

Aprenda[editar]

Árabe[editar]

Existem vários locais onde pode aprender árabe em Damasco:

  • Instituto de Línguas da Universidade de Damasco [5] - O Instituto de Línguas é uma das melhores escolas de árabe da cidade; os materiais do cursos e toda a interacção entre estudantes e professores é feita em árabe. Os estudantes estão agrupados conforme as suas capacidades (avaliadas por um teste) num de três grupos: iniciantes, intermédios e avançados.
  • Ma'had [6] - Esta academia de línguas geridas pelo estado situa-se no bairro de Mezze, em Damasco. É a opção mais barata, embora os cursos não sejam tão bons como os do Instituto de Línguas da Universidade de Damasco.
  • Conselho Britânico - As aulas são caras, e estão principalmente direccionadas para diplomatas e homens de negócios.
  • Escola de Línguas Damascena de Árabe Padrão [7] - A escola dá cursos básicos para principiantes e avançados, alguns dos quais direccionados para jornalistas, médicos, diplomatas, engenheiros, etc. Aulas normais tem no máximo 4 estudantes. Pode também ter aulas privadas com um professor. Duas vezes por ano, certos cursos estão disponíveis por metade do preço. Os professores tem experiência a ensinar estrangeiros. Todos os sábados começam cursos básicos.
  • Estudos Árabes em Damasco [8] - Oferecem várias disciplinas em árabe.
  • TikaTrip - Viagens e Estudos na Síria [9] - Oferece tutores árabes privados, bem como professores de línguas profissionais e todos os serviços importantes: incluindo um carro que o vai buscar ao aeroporto, alojamento e conselhos sobre como tratar das burocracias.

Trabalhe[editar]

Compre[editar]

Damasco é um dos melhores destinos de compras do Médio Oriente. Os preços são baixos, e visto que poucas lojas dependem de turistas para lucrar, por isso deixam-o em paz para ver a loja até que esteja pronto para comprar. Pode encontrar pequenas lojas por toda a cidade velha, embora o Souq al-Hamidiyya tenha a maior concentração de lojas. O souq é uma coisa fantástica de se ver, mas prepare-se para as multidões.

Mercados[editar]

O grande Souq al-Hamidiyya é o mais famoso souq da Síria. Cheio de especiarias, doces e sabões, bem como água de rosas, especialidade local, e gelado com sabor a amêndoa e com pistachios por cima, disponível na mais antiga geladaria do país, a Bakdash. O Souq al-Bazuriye é bom para especiarias e doçaria.

Centros Comerciais[editar]

Se procura centros comerciais, o Damasquino Mall é o seu destino, a seguir ao Cham Centre em Kafr Sousah, onde pode comprar artesanato local com preços fixos.

Áreas-chave[editar]

O melhor local para procurar artesanato é Tekkiye Suleymaniyye, onde tem preços fixos, o Souq al-Hamidiyya e as ruas que rodeiam a Mesquita dos Omíadas, onde precisa de negociar o preço. A ponta este da Rua Direita, perto do Bab Sharqi, tem muitas antiguidades e vendedores de carpetes.

A George Dabdoub, na praça do Palácio de Azem, na Cidade Velha, tem uma excelente variedade de antiguidades tapetes, textéis e cerâmica, bem como mobília antiga. Está fechada nos Sábados. A Ghraoui, na Sharia al-Joumhouria, é famosa em todo o mundo árabe pelos seus excelentes chocolates, tâmaras recheadas, e frutos cristalizados.

Horas[editar]

Os horários das lojas de Damasco variam, mas a maior parte delas estão abertas entre as 9h30 e as 19h00, fechando algumas lojas entre as 13h30 e as 16h00, especialmente no Verão. Os souqs estão fechados na sexta, excepto no Bairro Cristão, onde fecham nos domingos.

Coma[editar]

Um prato damasceno típico é o fatteh, feito de pão ensopado, iogurte e grão-de-bico. Delicioso e muito saciante, é excelente num dia frio de Inverno. Experimente-o com língua de ovelha ou cabrito, ou simples acompanhado de pickles e nozes.

O shawarma é, obviamente, popular em Damasco. Existem muitas variedades diferentes, incluindo frango e carne de vaca.

Se quiser experimentar comida síria autêntica, visite Midan, uma secção de Damasco. Fica no sul da Cidade Velha e pode ser facilmente acedida caminhando desde a entrada oeste do Souq al-Hamidiyya ou desde Bab Saghir. Existe uma rua principal chamada Jazmatiya que oferece grande quantidade de bancas a vender shawarma e falafel, talhos, restaurantes e muitas pastelarias, que se destacam do resto das lojas pelas "torres" de doces com dois metros e meio. Esta rua deve ser visitada à noite, e está sempre muito movimentada (embora seja uma rua muito segura) até por volta das 3:00h.

Econômico[editar]

A famosa sanduíche de falafel (15-30 £S), o shawarma de frango (30-50 £S) e o manakeesh (10-20 £S; pão recheado com za'atar, espinafre, carne, tomate e queijo ou outros recheios) estão disponíveis por toda a cidade e são baratos. Menos comuns, mas também muito comuns na cidade são as lojas que vendem foul (favas cozidas com molho) e homus.

A Station One (perto do Supermercado de Noura em Abu Rumaneh) é um dos muitos restaurantes na cidade que servem shawarma.

Outra comida muito popular é o kebab de camelo, disponível em talhantes perto do Bab Saghir. Como eles costumam pendurara uma cabeça de camelo para anunciar o que vendem, é improvável que não os veja.

Por toda a cidade pode encontrar bancas de sumo natural. Os sumos de laranja (aasir beerdan) custam entre 30-50 £S, outros frutos são ligeiramente mais caros. Algumas destas bancas vendem tabém uma variedade de pratos, como cachorros quentes, sojouq (salsicha arménia) e carne (kebab, etc.). Esta comida pode não ser muito "segura".

Ao comer em bancas, cuidado porque frutos e vegetais que não estejam descascados podem causar infecções. Para ficar mais seguro, vá a bancas que estejam cheias de gente.

A área à volta da Praça de Martyr tem pastelarias que servem da melhor, mais doce, mais saborosa e mais barata baklava na Terra.

Comer em locais vazios é má ideia; só restaurantes com muita gente podem ser considerados seguros, em qualquer outros pode sofrer um envenenamento alimentar das sanduíches de shawarma ou de outro produto (principalmente no Verão), por isso tenha cuidado!

  • Mr. Pizza, Souq Saroujah. Um restaurante de fast food que serve boas pizzas, sanduíches, hambúrgueres e batatas fritas. Um prato grande de batatas fritas custa 50 £S, uma sanduíche recheada com frango é £75 e uma pizza para uma pessoa custa £S 110..  editar
  • Il Forno Pizzeria, Praça de Najmeh (Após a escola de Dar Salam, siga a 1ª à direita, 3ª loja), +963113331427. Um restaurante muito acolhedor que serva autêntica pizza italiana, feita num forno tradicional. A decoração interior é encantadora. A especialidade é a pizza, mas também serve saladas, pratos de massa, e entradas. Não serve álcool. A Il Forno Pizzeria também faz entregas e assegura-se que a comida chega quente. $6-$15.  editar
  • Anas, Midan (a sul do centro), +963 11 212 1111. Das melhores sanduíches damascenas, e óptimo shawarma.  editar
  • Cafe Vienna, (perto do Palácio de Cham, siga a rua na direcção de Jisr-al-rais, vire à direita na rua em frente da loja da Adidad). Um óptimo restaurante, com sanduíches em pão integral e apfelstrudel. 4 € - 8 €.  editar

Médio[editar]

  • Al-Sehhi, Sharia al-Abed, Centro de Damasco, +963 11 221-1555. Este restaurante oferece os básicos da cozinha do Médio Oriente, incluindo mezze e uma variedade de carnes grelhadas. Existe uma secção separada de famílias. Não se serve álcool, e aceitam-se cartões de crédito.  editar
  • Pizza Pasta, Sharia Medhat Pasha. Este restaurante serve pasta decente e boas pizzas, mas também antepastos e álcool. O serviço por vezes não é muito bom, mas vale a pena aguentar para experimentar autêntica comida italiana. Não há menu, peça qualquer prato italiano que queira e é provável que eles o saibam fazer.  editar
  • Nadil, (perto do Bab Sharqi e do Pizza Pasta). Serve pratos árabes tradicionais, que são muito saborosos e baratos.  editar
  • Beit Sitti, Midhat Basha, Cidade Velha (perto de Beit Jabri). A qualidade da comida gera discussões: uns gostam, outros nem por isso. Mas sem dúvida wue tem o melhor sumo de limão e menta em Damasco e, se quiser, pode só beber e não comer.  editar
  • Inhouse Coffee. Um óptimo local para tomar café. Tem de tudo, incluindo expressos. Cheio de intelectuais e bluetooth no ar. Várias lojas na cidade, incluindo:  editar
    • Aeroporto.
    • Centro Comercial Bab Touma.
    • Abu Romanih (Souq al-Kheir).
  • Vino Rosso, Rua de Rashad Jabri, Cidade Velha (Partindo do Bab Touma, suba as escadas até à estação de polícia e pergunte o caminho). Pode comer fritos ou queijo francês. Razoavelmente barato, muito acolhedor. Serve-se álcool. SYP 1300- SYP 2600.  editar
  • Spicy, Jisr al-Abiad. Diárias e comida árabe "caseira". Um excelente restaurante, mas infelizmente não serve álcool.  editar
  • Caffe Latte, (perto do hospital italiano). Um pequeno e agradável café com o melhor café da cidade. óptimas panquecas e queques. Um bom local para escapar à agitação damascena.  editar

Esbanje[editar]

  • Scoozi, Abu Rumaneh (perto do Supermercado Noura. Caminhe desde Jisr al-Rais em direcção ao Monte Qasioun; está na sua direita). A melhor pizza de Damasco, o resto dos pratos também são excelentes. Não se serve álcool.  editar
  • Haretna, Bab Touma (Suba as escadas á beira da estação da polícia e siga os sinais). Um dos restaurantes mais populares da cidade, com excelente mezze. Os pratos ocidentais não são tão bons, mas os kebabs também não são nada de especial. Está sempre cheio de gente simpática, e mais jovem que em outros restaurantes. Não servem álcool durante o Ramadão.  editar
  • Nadi al Sharq, (perto do Four Seasons Hotel). O melhor restaurante indiano de Damasco. Tem excelentes menus definidos por S£ 600, ou pode jantar a la carte. O presidente comeu aqui duas vezes.  editar
  • Rotana Cafe, Damascus Boulevard (à beira do Four Seasons). Um café temático, parte da Rotana Audio Visuals, que é provavelmente o mais famoso estúdio de gravação do mundo árabe. O chefe da Rotana é o Príncipe Walid bin Talal. A comida é óptima, bem como o hookah (veja Actividades). Algumas pessoas dizem que o Rotana é o melhor café hooka da cidade, com muitos pratos ocidentais, todos cozinhados por chefs de renome internacional. A vista desde este café é óptima, sendo visível o Monte Qassioun e o resto da Rua de Beirute. Também tem uma loja de lembranças e uma loja de música no 1º andar.  editar
  • Cafe Trattoria, Abu Rumaneh (à beira da United Colors of Benneton). Um belo café que oferece comida italiana, hookas, e todos os tipos de café, incluindo o tradicional café turco.  editar
  • Leila's Restaurant and Terrace, Souq al-Abbabiyya, Centro da Cidade Velha, +963 11 544-5900. O Leila's Restaurant and Terrace tem mesas no terraço com uma fantástica vista da Mesquita dos Omíadas. O restaurante serve comida tradicional árabe; no entanto, esse tipo de comida não aparece no menu. Pergunte ao empregado.  editar
  • Beit Jabri, Sharia as-Sawwaf, 14, Centro da Cidade Velha, +963 11 544-3200, [10]. Restaurante favorito entre locais e turistas, este café oferece clássicos da cozinha síria. Situa-se no pátio de uma elegante casa damascena.  editar
  • Arabesque, Sharia al-Kineesa, Centro de Damasco, +963 11 543-3999. Oferece uma combinação de cozinha síria e de cozinha francesa. Embora sirvam álcool, não se aceitam cartões de crédito. O Arabesque é um típico restaurante elegante, por isso é mais apropriado trazer roupa semi-formal.  editar
  • Downtown, Sharia al-Amar Izzedin al-Jazzari, Centro de Damasco, +963 11 332-2321. Este moderno restaurante oferece uma grande variedade de sanduíches, saladas, e sumos frescos. Fala-se mais o francês que o árabe. O interior está ricamente decorado ao estilo escandinavo.  editar

Beba e saia[editar]

Os cafés da Cidade Velha são um ponto a visitar. As horas podem passar muito facilmente com uma chávena de shay (chá) ou ahwa (café) e o fumo de um nargileh (uma espécie de cachimbo). O An-Naufara (que significa "A Fonte") é um fantástico local para passar o tempo, no coração da cidade velha, a este e muito perto da Mesquita das Omíadas. Existe até mesmo um Hakawati (um contador de histórias tradicionais) presente às 19h00 na maior parte das noites.

Se estiver com vontade de beber um café ao estilo europeu, dirija-se para a rua de Abu Rumaneh e procure pela loja da Bennetton. Na área encontra um grande número de cafés elegantes, incluindo um da cadeia Inhouse Coffee, que é muito semelhante ao Starbucks do Ocidente, em preços e atmosfera. Um latte grande ou cappuccino custa cerca de S£ 135. Em todas as lojas da Inhouse Coffe é oferecia internet Wi-Fi grátis.

Para além destes, pode encontrar muitos bares e discotecas em Damasco, mais recentemente. Estes estão normalmente cheios de gente à noite, mas mesmo assim garantem álcool e dança todas as noites.

Durma[editar]

O Souq al-Saroujah é onde existe a maior quantidade de hotéis económicos. A Praça dos Mártires ou "Merjeh" em árabe é outro local a se dirigir se estiver com pouco dinheiro nas mãos, embora muitos dos "hotéis" também sejam bordéis. No entanto, pelo menos os de baixo são recomendados. Mulheres que viajem sozinhas devem evitar hotéis na Praça de Merjeh, porque é a zona de prostituição da cidade.

A maior parte dos hotéis que em Damasco alegam ter 5 estrelas, é para o mundo ocidental um hotel de duas estrelas. O governo sírio é que dá as estrelas aos hotéis seguindo um método de avaliação altamente suspeito, que atribui um número absurdamente elevado a hotéis que pertencem a cadeias sírias ou que pagaram "baksheesh" (subornos) ás autoridades. Devido às relações conflituosas com os Estados Unidos, cartões de crédito ligados a bancos americanos não serão aceites (o que quer dizer que praticamente todos os cartões de crédito do mundo não são aceites).

Econômico[editar]

Praça de Merjeh
  • Al-Rabie Hotel, Sharia Bahsa, Souq al-Saroujah (numa atractiva rua lateral a cerca de 5-10 minutos da cidadela), +963 11 231-8374 (). Tem um pátio atractivo, e quartos limpos. Pequeno almoço incluído no preço. Os empregados são prestáveis e conseguem arranjar-lhe visitas guiadas e outras "necessidades turísticas". Não é permitido trazer álcool para o estabelecimento. 600 £S por um quarto partilhado (preços de Abril de 2010), 1200 £S por um duplo com casa-de-banho partilhada, 1600 £S por um quarto duplo com casa-de-banho privada (preços de Janeiro de 2009). Pode também dormir num colchão no telhado durante o Verão por 400 £S..  editar
  • Al-Madinah/City Hotel, Sharia Omar Ben Abi Rabia, +963 963 11 2219375, 00963 11 2210024 (, fax: 00963 112453817), [11].  editar
  • Al-Haramain Hotel, Sharia Bahsa, Souq al-Saroujah (a seguir ao Al-Rabie Hotel), +963 11 231-9489 (). Alguns dos quartos no andar de cima não tem aquecedor e podem ficar muito frios no Inverno a menos que a porta esteja aberta. O pátio é mais pequeno que o do Al-Rabie, mas os empregados são simpáticos e amigáveis. Os chuveiros estão na cave. Tem empregados amigáveis que lhe podem arranjar visitas guiadas e outras "necessidades turísticas". Não é permito álcool no estabelecimento. Reserve com antecedência. Os preços são mais altos que nos motéis vizinhos - 560£S por um quarto partilhado. 700 £S por um individual, 1225 £S por um duplo, 1700 £S por um duplo com casa-de-banha privada. Pequeno almoço incluindo no preço..  editar
  • Hotel Al-Ghazal, Sharia Souq al-Saroujah (no Souq al-Saroujah), +963 11 231-3736 (), [12]. Também conhecido como Hotel Ghazal, este hotel é relativamente recente no panorama dos hotéis económicos de Damasco. Tem um muito bonito e tradicional pátio damasceno. Para pequeno-almoço eles servem o tradicional chá e café, mais um nargileh completamente grátis. Pode trazer álcool para beber no hotel se quiser. Os quartos e instalações são novas. As casas-debanho são limpas e tem água quente. Tem um cofre para guardar os seus valores. Os donos são prestáveis e simpáticos, mas são menos fluentes em inglês que a concorrência e normalmente não arranjam visitas guiadas (mas talvez consigam ajudá-lo se lhes perguntar). Falam inglês suficiente para arranjar quartos e dar direcções. Se tiver sono leve, evite quartos perto da cozinha, casas-de-banho e recepção. Os quartos virados para o pátio são calmos. 900 £S por um duplo com casa de banho partilhada e 400 £S por um quarto de dormitório..  editar

Médio[editar]

A escada de corda para o Damascus Hostel
  • Al Majed Hotel, Rua 29 de Maio (acima da Praça de Yusef Al-'Azmeh, por traz do Cinema de Assufara (dos Embaixadores)), +963 11 232-3300 (, fax: +963 11 232-3304), [13]. Completamente renovado em 2001, este hotel familiar com 60 quartos continua a ser um hotel muito popular, seguro e central para ficar, seja para um homem de negócios ou para um mochileiro. O Restaurante de Al Majed, aberto 24 horas, situa-se no último andar do hotel, com uma variedade de pratos, desde comida tradicional do Médio Oriente e pratos ocidentais.  editar
  • Damascus Hostel, Rua Al Abbara (pode também entrar no hotel através de uma escada de corda nas muralhas da cidade, a cerca de 100 metros do Bab Sharqi), +963 11 541-4115, [14]. Este hotel está numa localização única, com alguns quartos numa torre na muralha da cidade. Embora a localização seja excelente e os quartos decentes, a principal razão para aqui ficar é Raymond, o dono. Um palestiniano que viveu na Austrália durante 40 anos, o Raymond é a pessoa mais amigável e prestável que alguma vez conhecerá. O serviço de lavandaria custa 200 £S. Tem TV Cabo na área comum, mas não há acesso á internet. O site tem um mapa que pode imprimir e coordenadas GPS.  editar
  • House of Damascus, (), [15]. Aluga quartos para pessoas a estudar em Damasco numa bonita e tradicional casa árabe no coração da Cidade Velha de Damasco. A casa inclui sete quartos, duas casas-de-banho, duas cozinhas, um magnífico pátio, e um terraço com uma óptima vista da Cidade Velha. Casa quarto tem uma TV, cama, guarda-roupa e aquecedor (ar condicionado em alguns quartos). As cozinhas estão completamente equipadas (fogão a gás, microondas, chaleira, forno, ect.) e as modernas casa-de-banho tem água quente 24 horas/dia. Máquina de lavar a roupa, acesso à internet, e telefone fixo.  editar
  • Hotel Old Damascus, Praça de Bab Tuma Square (perto do Restaurante Haretna), +963 11 541-4042, [16]. Fica na Cidade Velha, perto do Bab Tuma, numa das estreitas ruas pedestres, comuns na Cidade Velha. O Old Damascus tem cerca de uma dúzia de quartos e foi a casa tradicional de um comerciante dos inícios do século XX. Uma família síria possui e gere o hotel.  editar
  • Sah al Naum Bed and Breakfast, Rua de Baghdad, Ekeibeh, Amara, Damasco, 00963 11 231 0884/0064 (), [17]. Situado numa casa com 400 anos, recentemente renovada, oferece 27 quartos completamente mobilados ao estilo otomano, divididos entre os dois andares da casa. Tem acesso a internet sem fios, serviço de lavandaria, e uma cozinha completamente equipada. Tem dois pátios com vistas do Monte Qasioun. Desde €45.  editar
  • Dana Residence, Qudssaya, Damasco (a cerca de 10 km do centro da cidade), +963 11 323 56 61, [18]. Oferece apartamentos de vários tamanhos, para todos os tipos de pessoas. Cada apartamento tem varanda própria com vistas de cortar a respiração das montanhas. Desde 38,8€.  editar
  • Orient Gate Hotel, Numa rua lateral, cuja entrada fica na Rua de Al Bahsa (em frente do Venesia Hotel, perto da entrada do Souq al-Saroujah), +963 11 231 6224 (, fax: +963 933 226 012), [19]. O hotel tem 25 quartos com ar condicionado (duplos, triplos e com duas camas individuais) com TV Cabo, telefone e mini-bar. Cofre na recepção. Empregados disponíveis 24 horas/dia. Tem um terraço com esplêndidas vistas da cidade. Desde 25€.  editar
  • Fallouh House, Cidade Velha, +963 933 356955 (), [20]. Tem quartos com ar-condicionado (individuais e duplos) com TV Cabo, telefone e mini-bar. Pode pedir que mandem um carro para o ir buscar ao aeroporto. Tem um bonito pátio com uma fonte, e cheio de plantes. Desde 25€.  editar

Esbanje[editar]

  • Cham Palace, ''963 11'' 223-2300 (, fax: + 963 11 221-2398), [21]. A cadeia de hotéis nacional, e um dos maiores hotéis de negócios da cidade.  editar
  • Al Mamlouka, Bab Touma (em frente do Hammam Bakri), +963 11) 543 0445/46, [22]. Um espantoso boutique hotel numa ruela calma, por trás de uma porta sem nenhum sinal. Instalado numa magnífica casa antiga, tem um belo pátio e quartos confortáveis. 7020-14040 £S.  editar
  • Four Seasons, Sharia Shukri Al Quatli, +963 11 339-1000 (fax: +963 11 339-0900), [23]. O Four Seasons, situado na baixa da cidade, oferece muitos serviços, como spa, ama, e ginásio. Este hotel inclui o restaurante Al Halabi, com cozinha tradicional de Aleppo, no norte do país.  editar
  • Blue Tower Hotel, Hamra Street, +963 11 3340240 (, fax: +963 11 3342112), [24]. Oferece todos os serviços de um hotel internacional de quatro estrelas; suite presidencial, casas de banho com jacuzzi, quartos confortáveis equipados com tecnologia moderna.  editar

Mantenha contato[editar]

A maior parte dos hotéis arranjam maneira de conseguir fazer chamadas internacionais, mas os preços são muito altos. A maior parte dos internet cafes tem VOIP (um telefone na internet), e oferecem uma alternativa muito mais barata, embora o preço reflicta a qualidade da conexão.

O acesso à internet está disponível em vários locais pela cidade, incluindo em internet cafes e hotéis, embora o governo sírio censure tráfego, que causa alguns problemas na conectividade.

Segurança[editar]

Em áreas rurais e modernas de Damasco, é vulgar pessoas perfeitamente saudáveis imitarem mendigos para conseguir dinheiro. Por vezes podem tentar enganá-lo, e tem muitos truques para o fazer, por isso tenha cuidado.

Para sua segurança, não aceite conselhos ou recomendações, principalmente acerca de alojamento, médicos e dentistas, dos taxistas.

Saúde[editar]

Cotidiano[editar]

Em Damasco e no resto do país só poucos bancos, muito grandes, é que aceitam cheques de viajante da American Express! Os multibancos e os cartões de crédito também não são uma boa opção para o viajante estrangeiro.

Os primeiros multibanco da Síria foram instalados em 2003, e por isso ainda são uma novidade rara em muitas partes do país, e nem sempre estão operacionais. Existem casas de câmbio em muitas áreas de Damasco, especialmente perto dos souqs grande. O euro, a libra inglesa e o dólar americano podem ser trocados nesta casa de câmbio, pelo preço habitual. Veja a taxa de câmbio actual antes de fazer o câmbio, para não ser enganado. Muitas lojas (principalmente na cidade velha) também fazem câmbio. Embora oficialmente seja ilegal, é conveniente se já estiver na Cidade Velha e precisar de dinheiro rapidamente. Pergunte entre os lojistas por um cambista e eles indicar-lhe-ão uma loja que faça câmbio.

Partir[editar]

Palmira.
  • Bosra - Uma cidade perto da fronteira sul do país, com magníficas ruínas de uma cidade romana, no meio do deserto. Outrora foi também uma capital nabateia; actualmente, é uma das principais atracções do país.
  • Homs - A norte de Damasco, trata-se da terceira maior cidade do país e uma das mais antigas (embora nem se compare a Damasco). Outrora uma importante cidade bizantina, tem um dos mais interessantes bairros cristãos do país.
  • Palmira - Palmira é o maior destino turístico do país e um dos mais impressionantes sítios históricos do mundo. Chamada Tadmor pelos locais (o seu antigo nome semítico), a intrigante história de Palmira, bem como a profusão de colunas, ruínas de templos, e torres funerárias, num espantoso oásis desértico, deixa os seus visitantes sem palavras.
  • Sednaya e Maaloula - Pequeno povoado cristão cerca de 27 km a norte de Damasco, Sednaya é, supostamente, o local onde Noé plantou a primeira vinha após o Dilúvio. O Convento de Nossa Senhora, construído no século VI, atrai milhares de peregrinos para verem a sua miraculosa imagem da Virgem, que se acredita ser pintada por São Lucasb. Uma viagem de táxi (25km) através das espectaculares Montanhas do Antilíbano leva-o através de uma das mais pitorescas aldeias do país, também um povoado cristão: Maaloula. Também aqui pode encontrar várias igrejas e é um dos poucos locais do país onde o aramaico, a linguagem de Jesus, ainda é falado.



Este artigo é um guia. Ele tem muita informação, incluindo listas de hotéis, restaurantes, atracções e informação sobre chegada e partida. Mergulhe fundo e ajude-o a crescer!


Variantes

Ações

Docentes do destino

Noutras línguas

outros sites