Contribua para um artigo e ajude o wikitravel a crescer! Aprenda como.

Costa do Marfim

Da Wikitravel
África : África Ocidental : Costa do Marfim
Ir para: navegação, pesquisa
noframe
Localização
noframe
Bandeira
Iv-flag.png
Informações Básicas
Capital Yamoussoukro, no entanto Abidjan permanece o seu centro administrativo.
Governo República presidencialista
Moeda Franco CAF (XOF)
Área 322.460 km2
População 17.654.843 (est. julho 2006)
Idioma Francês (oficial), 60 dialectos indígenas, sendo o Dioula o mais falado
Religião Cristãos (20-30%), muçulmanos (35-40%), crenças indígenas (25-40%)
Eletricidade 220V/50Hz
Código telefônico +225
Internet TLD .ci

Costa do Marfim é um país da África Ocidental.

Travel Warning ALERTA: A Costa do Marfim está a passar por um período de instabilidade política e violência, e seria melhor evitar viagens desnecessárias ao país nesta altura.


Índice

Entenda[editar]

História[editar]

As populações indígenas estiveram política e socialmente isoladas até épocas muito recentes. Os antecessores da população atual se instalaram na área entre os séculos XVIII e XIX. Os exploradores portugueses chegaram no século XV e iniciaram o comércio de marfim e escravos do litoral. No século XVII estabeleceram-se diferentes Estados negros, entre os quais se destacou o dos baules por suas atividades artísticas. No final do século, os franceses fundaram os entrepostos de Assini e Grand-Bassam e, no século XIX, celebraram uma política de pactos com os chefes locais com o objetivo de estabelecer uma colônia. Em 1887 iniciou-se a penetração para o interior. A região se tornou uma colônia autônoma em 1893. Em 1899, passou a fazer parte da Federação da África Ocidental Francesa. A ocupação militar ocorreu entre 1908 e 1918, enquanto se construía a linha férrea entre o litoral e Bobo-Dioulasso, hoje pertencente a Burkina Faso.

Em 1919, a parte norte da colônia se tornou independente. Abidjan permaneceu sob jurisdição francesa durante a Segunda Guerra Mundial, embora a França estivesse ocupada pelos alemães. Em 1944, foi criado o Sindicato Agrícola Africano, que deu origem ao Partido Democrático da Costa do Marfim (Parti Démocratique de la Côte d'Ivoire). Entre 1950 e 1954, foi construído seu porto. Em 1958, foi proclamada a República da Costa do Marfim, como república autônoma dentro da Communauté française (Comunidade Francesa) e, em 1960, alcançou a independência plena.

Foi eleito presidente Félix Houphouët-Boigny, líder do Parti Démocratique de la Côte d'Ivoire--Rassemblement Démocratique Africain, até 1990 foi a única agremiação política legal no país. Com um alinhamento político pró-ocidental, a Costa do Marfim esteve em foco na década de 1970, ao tentar intervir pela via das negociações na resolução do apartheid na África do Sul.

As eleições de 1990, a primeira em que houve uma disputa real pelo poder, foram disputadas por todos os partidos políticos já legalizados, tendo o presidente Houphouët-Boigny sido reeleito para um sétimo mandato. Também em 1990 o Papa João Paulo II visitou a Costa do Marfim, onde consagrou, em Yamoussoukro, uma suntuosa basílica, oficialmente construída às expensas do presidente. Houphouët-Boigny, apesar de numerosas tentativas de golpes de estado e da instabilidade social provocada por crises econômicas, manteve-se no poder desde a independência até dezembro de 1993, quando faleceu.

O antigo presidente da Assembléia Nacional (Parlamento), Henri Konan Bedié, assumiu a presidência da República em 1993 e foi confirmado no cargo em 1995. No dia 24 de dezembro de 1999, um golpe de Estado, comandado pelo general Robert Guel (Robert Guéï), destituiu o presidente Konan Bedié, que se refugiou na Embaixada da França e depois no Togo. O general Guel convocou todos os partidos políticos para formarem um governo de transição e prometeu que o retorno à democracia seria rápido. Esse foi o primeiro golpe de estado no país desde a sua independência em 1960.

Robert Guéï foi assassinado durante um levantamento encabeçado pelo Movimento Patriótico da Costa do Marfim em 2002. Foi sucedido por Laurent Gbagbo.

A Costa do Marfim desempenha importante papel na África e dentro da Entente.

Guerra civil da Costa do Marfim (2002-2004): O norte se rebelou. 10.000 boinas azuis da ONUCM (Força de Paz da ONU na Costa do Marfim), dentre os quais 4600 soldados franceses da Licorne (operação militar francesa para a Costa do Marfim) foram posicionadas entre os beligerantes.

Clima[editar]

A região tem um clima tropical ao longo da costa, e semiárido no norte do país. Duas estações: quente e seco (Novembro-Maio), quente e húmido (Junho a Outubro). Durante a estação das chuvas, as inundações são possíveis.


DADOS PRINCIPAIS: Nome oficial: República da Costa do Marfim (République de Côte-d'Ivoire). Nacionalidade: marfinense. Data nacional: 7 de dezembro (Independência). Capitais: Abidjan (sede do governo), Yamoussoukro (administrativa). Cidades principais: Abidjan (2.168.000) Bouaké (329.850) Daloa (121.842), Korhogo (109.445), Yamoussoukro (106.786).



Governo: República Presidencialista Divisão administrativa: 19 regiões subdivididas em departamentos.


GEOGRAFIA: Cidades Principais: Yamoussoukro, Abidjan, Bouaké, Daloa e Korhogo Clima: tropical Composição da População: baulenses (23%), betes (18%), senufos (15%), mandingas (11%), outros (33%).

Regiões[editar]

Mapa das regiões da Costa do Marfim
Lagunes (Abidjan)
as lagoas costais ao redor da capital de facto Abidjan
Savana do Norte (Bouaké, Comoe National Park)
área de predominância muçulmana controlada recentemente pelos rebeldes "New Forces"
Florestas do Sudoeste (Taï National Park, Mount Nimba Strict Nature Reserve)
área de floresta tropical, habitada pelo povo Kru, na fronteira com a Libéria
Plantations do Leste (Yamoussoukro)
área parcialmente cultivada entre o Lago de Kossou e a fronteira com Gana








Cidades[editar]

  • Abidjan, a capital de facto do país. Embora Yamoussoukro seja a capital oficial, Abidjan é o centro administrativo do país, e muitos países mantém aí a sua embaixada.
  • Korhogo, o quartel-general dos rebeldes.
  • Aboisso
  • Bouaké, a segunda maior cidade.
  • Dabou
  • San-Pedro, o segundo porto mais importante do país.
  • Yamoussoukro, a capital oficial do país.
  • Grand-Bassam, uma cidade costeira cheia do charme colonial.

Outros destinos[editar]

Patrimônios da Humanidade[editar]

Chegar[editar]

De avião[editar]

Companhias como Airfrance Emirates

De barco[editar]

De carro[editar]

De autocarro/ônibus[editar]

De comboio/trem[editar]

Circular[editar]

De avião[editar]

De barco[editar]

De carro[editar]

De autocarro/ônibus[editar]

De comboio/trem[editar]

Fale[editar]

Compre[editar]

Coma[editar]

Beba e saia[editar]

Durma[editar]

Aprenda[editar]

Trabalhe[editar]

Segurança[editar]

ATENÇÃO: A Costa do Marfim está a passar por um período de instabilidade política e violência, e seria melhor evitar viagens desnecessárias ao país nesta altura.

Saúde[editar]

dguihgjCOSTA DO MARFIM - ARTE E CULTURA

A Costa do Marfim conta com excelentes mostras artísticas desenvolvidas por diferentes grupos étnicos unidos em várias sociedades culturais. A mais conhecida apesar de ser segreda é a sociedade artística "Poro" que embora não facilite nenhuma informação sobre seus membros, mantem uma importante atividade à favor do desenvolvimento artístico neste país. Outro círculo cultural conhecido é o formado pelas etnias Danou Yacouba e Ngueré, que têm como mostras fundamentais as máscaras ovaladas tradicionais dos Dam e as realizadas pelos Ngueré mais expressionistas com formas grotescas. Os Bete são famosos pelas estatuinhas de madeira cuidadosamente talhadas a mão, muito formosas. Os Baulé têm como principais objetos artesanais as máscaras realizadas em madeiras nobres e suas estátuas representando seus antepassados, pelo que tem um significado próximo ao misticismo. Os Senufo dão um especial sentido a suas máscaras, pois dependendo de sua forma e representação significam uma passagem da pessoa à outra etapa da vida, tipo uma porta. Além destas representações características dos povos em tudo do país pode-se encontrar nos objetos, adornos e jóias em marfim belamente trabalhados, sem esquecer a formosa cerâmica de Katyola. Religião Islamismo 38,7%, cristianismo 26,1% (católicos 20,8%, protestantes 5,3%), animismo 17%, ateísmo 13,4%, outras 4,8% (1988). Musica A identidade nacional da Costa do Marfim constrói-se a partir das tradições de mais de 60 tribos, mas poucas vezes passaram para o exterior as raízes musicais deste País. Nos últimos 30 anos tem sido o reggae a colocar a Costa do Marfim no mapa musical mundial, primeiro por culpa de Alpha Blondy, actualmente à conta de Tiken Jah Fakoly. Mas é possível encontrar nomes relevantes no campo mais tradicional, como é o caso deErnesto Djédjé, um dos músicos que mais arduamente se bateu contra a influência estrangeira na música local. 'Ziboté' foi, há muito tempo atrás, um dos raros casos de sucesso fora de portas, bem sucedido em todo o continente africano e alcançando até algum relevo no mercado francês e canadiano. Arte e Cultura e etinias A Costa do Marfim conta com excelentes mostras artísticas desenvolvidas por diferentes grupos étnicos unidos em várias sociedades culturais. A mais conhecida apesar de ser segreda é a sociedade artística "Poro" que embora não facilite nenhuma informação sobre seus membros, mantem uma importante atividade à favor do desenvolvimento artístico neste país. Outro círculo cultural conhecido é o formado pelas etnias Danou Yacouba e Ngueré, que têm como mostras fundamentais as máscaras ovaladas tradicionais dos Dam e as realizadas pelos Ngueré mais expressionistas com formas grotescas. Os Bete são famosos pelas estatuinhas de madeira cuidadosamente talhadas a mão, muito formosas. Os Baulé têm como principais objetos artesanais as máscaras realizadas em madeiras nobres e suas estátuas representando seus antepassados, pelo que tem um significado próximo ao misticismo. Os Senufo dão um especial sentido a suas máscaras, pois dependendo de sua forma e representação significam uma passagem da pessoa à outra etapa da vida, tipo uma porta. Além destas representações características dos povos em tudo do país pode-se encontrar nos objetos, adornos e jóias em marfim belamente trabalhados, sem esquecer a formosa cerâmica de Katyola.


Costa do Marfim, Língua oficial Língua francesa Politica Forma de governo: República presidencialista (ditadura militar desde 1999). Divisão administrativa: 19 regiões divididas em 58 departamentos. Principais partidos: União dos Republicanos (RDR), União Democrática Africana (RDA), Frente Popular Marfinense (FPI) - 78 no total (2010). Legislativo: Unicameral, representado pela Assembleia Nacional, composta por deputados eleitos por 5 anos pelo voto direto. Constituição em vigor: Aprovada em 23.07.2000, com 86% dos votos.

Geografia Localização: oeste da África (Fronteiras com Mali, Burkina Fasso, Gana, Guiné, Libéria e Oceano Atlântico). Hora Local: UTC + 00 hr Área: 322.463 km² (67º do mundo). Clima: subequatorial de floresta (S), tropical úmido (NO), tropical seco (NE - savana e floresta clara) - Média anual entre 20ºC e 30ºC. Economia Moeda: franco CFA. PIB: US$ 35,6 bilhões (2011) - 96º do mundo. PIB per capita: US$ 1,764.00 (2011) - 144º do mundo. Crescimento do PIB: 3,0% ao ano (2005-2010). Renda per capita: US$ 1,200.00 (2008). Força de trabalho: 6,5 milhões (2009). Agricultura: Os principais são: cacau e óleo de palma (maior produtor e exportador do mundo em ambos os produtos); algodão (3º maior produtor mundial), borracha, copra, abacaxi, banana, açúcar e madeira (2010). Pecuária: bovinos, ovinos, caprinos, aves (2010). Mineração: petróleo, diamante, ouro, gás natural. Reservas não exploradas de minério de ferro, manganês e bauxita (2010). Indústria: Existem 1.600 indústrias nos ramos alimentício (principais: cacau, café, marfim, palmito e peixe), têxtil (algodão), refino de petróleo (2010). Sistema bancário: Um dos mais desenvolvidos da África - 16 bancos comerciais, 01 banco de desenvolvimento, 16 estabelecimentos financeiros e 10 representações de bancos internacionais. Zona franca: A Côte d’Ivoire pertence à “zona franca”, institucionalizada pela União Monetária Oeste Africana. Os sete estados membros (Benin, Burkina Fasso, Costa do Marfim, Mali, Níger, Senegal e Togo) entregaram a emissão da moeda, o Franco CFA, e de maneira geral, as suas políticas monetárias a uma instituição, o Banco Central dos Estados da África do Oeste, cuja sede fica em Dacar (Senegal) - 2012. Exportações: US$ 37,84 bilhões (2010). Importações: US$ 36,92 bilhões (2009). Parceiros comerciais: França, EUA, Holanda (Países Baixos), Gana, Itália, Burkina Fasso. Rodovias: 67.500km ,sendo 4.500km de rodovias asfaltadas - 2010. Ferrovias: 1.314 km (ligação ferroviária com Burkina Fasso) - 2010. Aeroportos: 03 internacionais (Abidjan, Bouaké e Yamoussoukro) - 2010. Portos: 02 internacionais acessíveis a todos os tipos de navios (Abidjan e San Pedro) – 2010 Alimentação na costa do marfim Na Costa do Marfim, com certeza não se come mal! São muito apreciados os peixes e mariscos tanto de água doce como os procedentes do mar. Costumam ser preparados grelhados com molhos elaboradas com gergelim ou nozes e servidos acompanhados de arroz, mandioca e milho. As carnes são muitos apreciadas, como o saboroso filé de antílope. Como sobremesa frutas frescas, banana frita e doces preparados com cacau e nozes (brownie, bombons e outros). Para beber tem a cerveja nacional, excelente café , cerveja de milho e vinho de palma.

Respeite[editar]

Mantenha contato[editar]


Variantes

Ações

Docentes do destino

Noutras línguas

outros sites