Contribua para um artigo e ajude o wikitravel a crescer! Aprenda como.

Argélia

Da Wikitravel
Ir para: navegação, pesquisa
noframe
Localização
noframe
Bandeira
Ag-flag.png
Informações Básicas
Capital Argel
Governo República parlamentarista
Moeda Dinar Argelino (DZD)
Área 2.381.740 km²
População 32.277.942 (est.Julho 2002)
Idioma Árabe, Francês, dialetos Bérberes
Religião Muçulmanos Sunitas 99%, Cristãos e Judeus 1%
Eletricidade 220V/50Hz
Internet TLD .dz
Fuso horário UTC +1


Travel Warning ALERTA: Enquanto o país percorreu um longo caminho desde a guerra civil na década de 1990, ainda há ataques ocasionais contra as instituições governamentais (edifícios, forças policiais, etc.) Esses ataques incluem bombardeios, bloqueios falsos, sequestros e emboscadas, especialmente em áreas rurais, como a região de Kabylie do país. Episódios esporádicos de agitação civil tem ocorrido.

Além disso, há a ameaça de bandidos e um grupo Al Qaeda filiados terrorista (AQMI), no sul do país. Grande parte da sua atividade tem sido no Mali e Níger. No outono de 2011, alguns trabalhadores de ajuda europeus foram sequestrados por AQIM e mantido em cativeiro no Mali até julho de 2012. Além disso, em janeiro de 2013, a Al Qaeda capturado vários estrangeiros. Tamanrasset é seguro para visitar, devido à presença policial e militar, mas você não deve tentar viajar no deserto do Saara sem um guia local, tendo o cuidado adequado. Algumas vias no Saara pode exigir veículos de viajem apenas com comboios militar / policial escoltados por segurança. Absolutamente nenhuma tentativa deve ser feita para viajar por terra para o Mali ou Níger!


A Argélia[1] é um país do Norte da África. Tem uma faixa litorânea no Mar Mediterrâneo ao norte. Faz fronteira com o Marrocos a noroeste, Tunísia a nordeste, Líbia a leste, Níger a sudeste, Mali a sudeoste, Mauritânia e Saara Ocidental a oeste. Depois do Sudão, a Argélia é o segundo maior país da África.

Entenda[editar]

História[editar]

A Argélia tem sido habitada pelos berberes desde pelo menos 10.000 a.C. A partir de 1.000 a.C. os cartagineses passaram a exercer influência sobre os berberes ao instalarem assentamentos ao longo da costa. Os primeiros reinos berberes começaram a surgir, destacando-se o reino da Numídia, e aproveitaram a oportunidade oferecida pelas guerras púnicas para se tornarem independentes de Cartago. Sua independência, no entanto, não durou muito já que em 200 a.C. eles foram anexados por Roma, então uma república. Com a queda do Império Romano do Ocidente os berberes tornaram-se independentes outra vez retomando o controle da maior parte do seu antigo território, com exceção de algumas zonas que foram ocupadas pelos Vândalos que por sua vez foram expulsos pelos bizantinos. Com sua vitória o Império Bizantino manteve, ainda que com dificuldades, o domínio sobre a parte leste do país até a chegada dos Árabes no século VIII.

A Argélia foi anexada ao Império Otomano por Khair-ad-Don e seu irmão Aruj que estabeleceram as atuais fronteiras argelinas ao norte e fizeram da costa uma importante base de corsários. As atividades dos corsários atingiram seu pico por volta do século XVII. Ataques constantes a navios norte americanos no mediterrâneo resultaram na primeira e segunda guerra berbere. Sob o pretexto de falta de respeito para com seu cônsul a França invade a Argélia em 1830. A forte resistência de personalidades locais e da população dificultou a tarefa da França, que só no século XX obtém o completo controle do país.

Mesmo antes da obtenção efetiva desse controle, a França já havia tornado a Argélia parte integrante de seu território, uma situação que só acabaria com o colapso da Quarta República. Milhares de colonizadores da França, Itália, Espanha e Malta se mudaram para a Argélia para cultivar as planícies costeiras e morar nas melhores partes das cidades argelinas, beneficiando-se do confisco de terras populares realizado pelo governo francês. Pessoas de descendência européia (conhecidos como pieds-noirs), assim como judeus argelinos eram considerados cidadãos franceses, enquanto que a maioria da população muçulmana argelina não era coberta pelas leis francesas, não tinha cidadania francesa e não tinha direito a voto. A crise social chegou ao seu limite neste período, com índices de analfabetismo subindo cada vez mais enquanto que a tomada de terras desapropriou boa parte da população.

A Argélia é obrigada a enfrentar uma guerra prolongada de libertação em virtude da resistência dos colonos franceses (apelidados na metrópole de pieds noirs, ou pés pretos), que dominam as melhores terras. Em 1947, a França estende a cidadania francesa aos argelinos e permite o acesso dos muçulmanos aos postos governamentais, mas os franceses da Argélia resistem a qualquer concessão aos nativos. Nesse mesmo ano é fundada a Frente de Libertação Nacional (FLN), para organizar a luta pela independência. Uma campanha de atentados antiárabes (1950-1953) desencadeada por colonos direitistas, tem como reação da FLN uma onda de atentados nas cidades e guerra de guerrilha no campo. Em 1958, rebeldes exilados fundam no Cairo um governo provisório republicano. A intervenção de tropas de elite da metrópole (Legião Estrangeira e pára-quedistas) amplia a guerra. Ações terroristas, tortura e deportações caracterizam a ação militar da França. Os nacionalistas e oficiais ultradireitistas dão um golpe militar na Argélia em 1958. No ano seguinte o presidente francês, Charles de Gaulle, concede autodeterminação aos argelinos. Mas a guerra se intensifica em 1961, pela entrada em ação da organização terrorista de direita OAS (Organização do Exército Secreto), comandada pelo general Salan, um dos protagonistas do golpe de 1958. Ao terrorismo da OAS a FLN responde com mais terrorismo. Nesse mesmo ano fracassam as negociações franco-argelinas, por discordâncias em torno do aproveitamento do petróleo descoberto em 1945. Em 1962 é acertado o Armistício de Evian, com o reconhecimento da independência argelina pela França em troca de garantias aos franceses na Argélia. A República Popular Democrática da Argélia é proclamada após eleições em que a FLN apresenta-se como partido único. Ben Bella torna-se presidente.

Clima[editar]

O clima argeliano é árido a semiárido; os invernos são suaves e húmidos, com verões quentes e secos nas zonas costeiras, mais seco com invernos frios e verões quentes no planalto; o siroco é um vento quente carregado de areia e poeira que é especialmente comum no verão.

Regiões[editar]

Regiões da Argélia
Argélia Central
A área metropolitana em volta da capital.
Argélia Nordeste
As enormes montanhas e planaltos a este de Argel.
Argélia Noroeste
A área montanhosa costeira a oeste de Argel.
Atlas Argeliano
A cordilheira montanhosa.
Argélia Saariana
O vasto deserto do sul do país.








Cidades[editar]

Argel.

Outros destinos[editar]

  • Hoggar - Erguendo-se subitamente a oeste de Tamanrasset, a cordilheira de montanhas é uma das maiores atracções da Argélia. Dos seus afiados picos destaca-se o Monte Tahat, que, com 900 metros de altura, é o ponto mais elevado da cordilheira.
Cordilheira de Hoggar.
  • Oásis de El Goléa - Apelidada de A Pérola do Deserto e O Oásis Encantado, por causa da sua luxuriante vegetação e abundante água. A cidade é dominada por um antigo ksar (forte), cujas ruínas estão bem conservadas.

Portos e atracadouros[editar]

Patrimônio da Humanidade[editar]

Ghardaia, no Vale de M'Zab.

Chegar[editar]

Cidadãos brasileiros precisam de visto para entrar no país. Informações disponíveis na embaixada em Brasília (tel. 61 3248-4039) e no site [2] do governo argelino.

De avião[editar]

O Aeroporto Internacional de Argel Houari Boumediene está localizado a 20 km da capital e é um aeroporto moderno e bem equipado. A principal companhia aérea argelina é a Air Algeria.

A Argélia recebe vôos regulares da maioria dos países da Europa Ocidental, Canadá, Rússia, Turquia, e países árabes.

De barco[editar]

Há um serviço de transporte marítimo no país, ligando-o, através de ferries, com a Espanha (Alicante-Oran e Almeria-Ghazaouet) e a França (Sète-Oran e a partir de Marselha para Argel, Bejaia, Skikda e Annaba).

De carro[editar]

A única maneira realista de chegar ao país de carro é cruzar a fronteira da Tunísia, ja que a fronteira marroquina está fechada.

De autocarro/ônibus[editar]

De comboio/trem[editar]

Há um serviço de trem da Tunísia, com baldeação na fronteira.

Circular[editar]

De avião[editar]

De barco[editar]

De carro[editar]

De autocarro/ônibus[editar]

De comboio/trem[editar]

Esse é um bom meio de conhecer as paisagens do país. De Argel à Oran, 5h, 1000 dinares (R$30,00, aprox.); da capital à Bejaia, 4h, 250 dinares.

Fale[editar]

Árabe e Francês

Compre[editar]

Coma[editar]

  • Fettate (especialidade do Saara)
  • Taguella (especialidade nômade)
  • Cuscus
  • Chorba (sopa com carne)
  • Rechta
  • Chackchouka
  • Mechoui
  • Qalb El Louz (sobremesa)
  • Pizza argelina
  • Beklawa
  • Ktayef
  • Tajine

Durma[editar]

Aprenda[editar]

Trabalhe[editar]

Segurança[editar]

Saúde[editar]

Saúde na Argélia, de acordo com a informação de um mar 6, 2006 Estados Unidos relatório, não se compara bem com o mundo desenvolvido. Argélia tem número insuficiente de médicos (um por cada 1000 pessoas) e de leitos hospitalares (2,1 por 1000 pessoas) e de difícil acesso para a água (87 por cento da população) e saneamento (92 por cento da população).Jovens da Argélia, favorece a política preventiva de saúde sobre hospitais e clínicas.Em consonância com esta política, o governo mantém uma imunização programa.No entanto, más condições sanitárias e de água insalubre ainda causam tuberculose, hepatite, sarampo, febre tifóide, cólera e disenteria.Em 2003 cerca de 0,10 por cento da população com idades compreendidas entre os 15-49 estava vivendo com o vírus da imunodeficiência humana / síndrome de imunodeficiência adquirida (HIV / AIDS).Os pobres geralmente recebem cuidados de saúde gratuitos, mas os ricos pagam para os cuidados de acordo com uma escala móvel.Acesso aos cuidados de saúde é reforçada pela exigência de que os médicos e dentistas trabalham na saúde pública, pelo menos, cinco anos.No entanto, os médicos são mais facilmente encontrados nas cidades do norte do que no sul do Sara região.

Respeite[editar]

Mantenha contato[editar]



Este artigo está delineado e precisa de mais conteúdo. Ele já segue um modelo adequado mas não contém informações suficientes. Mergulhe fundo e ajude-o a crescer!

Variantes

Ações

Docentes do destino

Noutras línguas

outros sites